Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR.com – Videogames Brasil | 20 de outubro de 2017

Ir para o topo

Topo

Sem Comentários

Análise – Slain Back From Hell

Análise – Slain Back From Hell

Review

Pixel art lindo, jogabilidade fraca

Slain é sobre matar criaturas lentas e desinteressantes, com mecânicas que não se complementam. Uma pena que o gameplay não teve a mesma atenção que a direção de arte majestosa.

Lembra de Castlevania e seus discos antigos de Heavy Metal? Slain é sobre isso!

Lançado originalmente em março apenas para PCs o jogo sofreu com diversos problemas, tornando ele uma experiência tão conturbada que foi removido do Steam.

Sabiamente o jogo não foi abandonado pela equipe da Wolfbrew que trabalhou em cima das críticas melhorando o visual e principalmente a jogabilidade.

Relançado em agosto para PCs e agora em setembro para consoles (PS4 e PS Vita posteriormente), o jogo ressurge como Slain Back From Hell, totalmente reformulado e pronto para te levar para uma aventura infernal com muito gore e heavy metal.

Slain Back from Hell é um indie estilo side scrolling misturando elementos de plataforma e Hack and Slash. Desenvolvido pela Wolfbrew Games com ajuda do Kickstarter, inspirado fortemente na serie Castlevania e na cultura Headbanger.

Você controla Bathoryn, um herói condenado que vai desbravar seis reinos infernais, matando 6 chefes monstruosos como beholders e lobisomens. Além disso você tem fases cheias de armadilhas e outros tipos de criaturas góticas que vão ficar no seu caminho e te matar de diversas formas possíveis.

Jogabilidade e Level Design

Slain é um sidescrolling de progressão linear nos moldes clássicos da serie Castlevania do NES. A parte de plataforma funciona muito bem e existe uma estrutura que se repete nas fases de se explorar o cenário em busca de alavancas que abrem portas e plataformas. Prestar atenção no cenário é muito importante para não cair em armadilhas que te matam de forma instantânea. Isso é feita de forma honesta e se prestar atenção você verá que todas as armadilhas estão sinalizadas ou por corvos comendo carniça ou por grandes poças de sangue. Logo, nada de jogar correndo.

View post on imgur.com

Bathoryn é um personagem ágil que ataca relativamente rápido. Conseguimos um total de 3 armas durante a aventura e isso não é lá uma variedade grande. As três funcionam essencialmente da mesma forma e a diferença é que cada uma é carregada com um poder elemental distinto e causa mais dano a determinadas criaturas. Vampiros são mais suscetíveis a fogo por exemplo. A forma de trocar elas também não é muito prática. Usa-se o analógico direito, deixando todo esse sistema de troca de armas desinteressante e esquisito sem motivos.

Entre suas habilidades, você tem uma esquiva que funciona apenas para trás, pode carregar a sua arma mantendo pressionado o botão de ataque, tem um ataque a distancia que pode ser lançado gastando mana e mantendo pressionado esse botão se carrega energia para dar mais dano. Você também pode usar toda sua mana para um ataque especial que acerta tudo no seu raio de visão.

View post on imgur.com

Bathoryn também tem um sistema de parry. Se você pressionar o botão de defesa segundos antes de um ataque você vai stunar e dar mais dano no inimigo e no processo recuperar parte da sua mana.

Todos esses elementos de combate deveriam trazer mais dinâmica ao jogo. O problema é que os inimigos são cadenciados e lentos, o que torna muito fácil fazer o parry e isso quebra o ritmo do personagem que corre e ataca bem mais rápido. Tudo poderia ser mais ágil enfatizando sua habilidade de esquivar e atacar, passando por ondas de criaturas e estraçalhando elas. Mas o jogo quebra o ritmo colocando criaturas resistentes e pouco ameaçadoras, mais para tomar seu tempo do que para proporcionar desafio.

Em muitos momentos o jogo é difícil, não porque você tem que dominar e fazer bom uso das mecânicas se adaptando a novos inimigos. Isso seria inteligente. O jogo cria dificuldade de forma bem desinteressante te obrigando a enfrentar muitos inimigos ao mesmo tempo. E como as criaturas normais são apenas irritantes, você acaba mais se estressando do que comprando o desafio. Além disso o hit dos inimigos te empurra para trás e as vezes faz você cair em um buraco ou uma armadilha de forma frustrante. Lembra quando você subia aquela escadaria em Castlevania e lá em cima uma medusa te derrubava? É ISSO!

View post on imgur.com

Outro problema são as lutas contra chefes, que são fáceis, sendo o tormento maior chegar até eles. Isso quebra a recompensa emocional do jogador sentir que superou um grande desafio ao final de uma fase difícil.

Visual e som

A direção de arte é fantástica e o jogo parece ter saído das capas de discos de Heavy Metal com elementos góticos e muito gore. Tudo no jogo remete a cultura Headbanger com o pixel art mais bonito dessa onda de jogos indie.

A animação do personagem principal é muito boa e os cenários são lindos. Mesmo sendo pixelado o visual é tão bem trabalhado que consegue te passar uma infinidade de texturas. Existem detalhes como as poças que o personagem pisa, o fogo na sua espada, a névoa, etc.

slain-1

Outra coisa FENOMENAL é que depois de matar um chefe você pode balançar a cabeça e homenagear o Deus Metal no estilo Headbanger. A trilha sonora do jogo é bem legal toda puxada para heavy metal e consegue estabelecer bem o clima.

Slain Back From Hell é um dos jogos mais bonitos que joguei no estilo pixel art, (se não for o mais bonito).

A ideia, o personagem, o conceito do mundo de Slain são bem interessantes e poderiam ter sido muito melhor aproveitados se o foco do jogo fosse na velocidade, atravessando as fases estraçalhando inimigos enquanto escuta metal. Mas no geral é sobre ficar matando criaturas lentas e desinteressantes, com mecânicas que não se complementam.

Uma pena que o gameplay não teve a mesma atenção que a direção de arte majestosa.

slain-13

Prós

  • Um dos melhores pixel arts já vistos num game
  • Animação fantástica
  • Clima de Heavy Metal

Contras

  • Jogabilidade e progressão lentas
  • Mecânicas pobres
  • Dificuldade desbalanceada

Johnny Lapís

Criado nas sombras dos fliperamas de São Paulo fui salvo por um D20 e agora vivo dando opinião sobre games,cinema,HQs e tudo mais.