Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR.com – Videogames Brasil | 20 de agosto de 2017

Ir para o topo

Topo

Sem Comentários

Horizon Zero Dawn – Análise

Horizon Zero Dawn – Análise

Review

Absolutamente exuberante!

Criaturas magníficas com design espetacular num mundo empolgante cheio de mistérios e uma protagonista forte e evolvente fazem de Horizon Zero Dawn um dos melhores jogos da geração.

Em 2015 quando Horizon Zero Dawn apareceu durante a conferência da Sony da E3 com uma nova franquia mostrando uma sociedade tribal caçando máquinas ultra tecnológicas minha atenção foi imediatamente conquistada.

O hype pela ideia era grande mas o pé atrás com a Guerrilla Games era maior, já que a série de jogos Killzone nunca me pareceu muito interessante com a sua proposta de FPS com progressão linear tendo como única qualidade sua direção de arte.

Mas ao jogar Horizon ficou a pergunta: Como uma empresa que produzia um FPS sem sal conseguiu realizar um dos jogos mais espetaculares da geração?

Um Mundo de Contrastes

Horizon Zero Dawn é um jogo de Ação e RPG em terceira pessoa que se passa em um futuro distante onde a humanidade sofreu uma catástrofe apocalíptica. O pouco que restou se organizou em sociedades tribais de coletores e caçadores competindo em ecossistemas que agora são dominados por maquinas autônomas que se comportam como animais. Temos crocodilos robóticos que cospem gelo, dinossauros gigantescos que disparam mísseis, aves de rapina que soltam raios entre outras criaturas perigosas.

É nesse mundo de contrastes entre alta tecnologia e arcos e flechas que você controla Aloy, uma jovem e curiosa caçadora que vai atrás de respostas para seu passado e acaba sendo o pilar de uma trama que envolve os mistérios da civilização humana pré-apocalipse.

Uma protagonista marcante

aloyAloy é uma personagem carismática e poderosa. Uma garota obstinada que desde o início do game nos envolve em sua busca por respostas para o seu passado. O jogo começa nos mostrando a exclusão social de Aloy que sem pai e mãe é considerada amaldiçoada pela tribo dos Nora, fazendo com ela se torne uma garota carente com uma enorme vontade de se provar uma grande caçadora.

O desenvolvimento da personagem é constante deixando claro que a Aloy do fim da jornada é totalmente diferente da menina carente que a iniciou, mostrando claramente o desenvolvimento emocional, físico e intelectual da protagonista.

A historia nos leva a descobrir os mistérios do mundo mas sem cometer o erro de ligar tudo a ela tornando o envolvimento da personagem na trama natural. Outro fator importante é o universo político e social, onde as tribos tem visões bem distintas em relação a temas como religião e tecnologia fazendo isso gerar atritos políticos que fazem parte da trama.

Apesar de ser a clássica “jornada do herói” com diversos clichês de histórias deste tipo, os mistérios em volta te fazem prosseguir procurando a próxima parte do quebra cabeça deste mundo. Outro ponto forte são os colecionáveis que mostram cartas, páginas de diários, relatos, itens antigos e até hologramas da civilização humana no seu auge tecnológico.

Algumas sidequests são bem irrelevantes mas mesmo essas te levam a combates e locais que conseguem fazer que a jornada não tenha sido em vão. Apesar desta quantidade enormes de acertos na ambientação ficamos apenas com Aloy e o cenário como elementos marcantes, faltando coadjuvantes e antagonistas para dar mais força ao universo da nova série.

O jogo também permite escolher diálogos com os NPCs  nos dando 3 opções: uma resposta inteligente, uma resposta bondosa e outra cruel. O sistema seria interessante se não fosse vazio já que não existe nenhum reflexo das suas respostas e não temos uma história diferente por ser uma Aloy cruel e tampouco um ganho de reputação por ser bondosa. Mesmo assim ainda se mostra útil para ouvir linhas de diálogos que nos revelam mais sobre o ambiente do jogo.

A Arte da Caçada

A primeira coisa que eu notei em Horizon é a falta de usar o botão do analógico direito (R3) para travar um inimigo e assim facilitar o combate corpo a corpo. A falta deste elemento torna o combate impreciso já que Aloy tem apenas dois ataques com a lança, sendo, um ataque forte e ataque fraco que conta com uma animação longa te deixando severamente exposto a ataques de inimigos. A falta de travar a câmera em um inimigo é problemática com criaturas que tem longos saltos ou voam, fazendo você perder tempo reajustando a câmera para as manter em sua linha de visão.

Em troca desta possibilidade de travar um inimigo temos o FOCO, onde pressionando R3 usamos um item possuído por Aloy que faz um varredura nos inimigos mostrando os pontos vulneráveis das criaturas. É essencial fazer bom uso do item porque o combate possui uma profundidade excepcional e cada criatura é composta por diversas partes ligada a suas habilidades e fraquezas.

As criaturas são praticamente desmontáveis e saber qual peça destruir primeiro é importantíssimo para ter sucesso nos combates. No combate abaixo no vídeo com um ThunderJaw, foi necessário destruir as armas da criatura e seus dispositivos de detecção e descobrir que era possível usar uma de suas armas derrubadas para ter êxito em um combate de dificuldade muito acima do meu nível atual.

Outro exemplo foi no combate com a Ave Tempestade. Levei bastante tempo para destruir seus propulsores e blindagem forçando o pouso da criatura e finalmente consegui destruir um tubo de combustível e assim causar uma explosão significativa. Foram 43 minutos de perseguição e combate tomando diversas decisões táticas como qual munição usar e onde acertar. Todos esses fatores contribuíram para uma cena marcante que começa ao anoitecer e acaba ao amanhecer com o cadáver da criatura arrebentado numa conclusão simplesmente épica.

Isso é apenas parte da complexidade do combate. Cada criatura tem suas fraquezas a certos elementos como fogo, gelo e eletricidade e algumas possuem comportamentos imprevisíveis. Alguns rebanhos irão fugir enquanto outros irão se juntar para te pisotear. Todo combate precisa ser pensando já que as criaturas costumam se juntar para tornar a batalha mais complexa.

Você inicia uma luta contra um Devastador e acaba tomando uma cabeçada de um Pisoteador simplesmente por não ter pensando nas consequências antes. Várias vezes me vi correndo de combates que pareciam simples quando os parâmetros mudaram pelo simples fato de uma outra criatura não prevista se envolver. Aloy é uma personagem frágil e qualquer descuido pode facilmente te levar a morte.

O combate corpo a corpo é deficiente mas o restante das armas consegue compensar isso. Temos dois tipos de arco e flecha com diversas munições para usos específicos. Uma delas por exemplo serve para remover blindagem, enquanto a outra serve para remover partes. Flechas de fogo ou elétricas causam dano elemental e temos estilingues que disparam bombas congelantes ou deixam o inimigo paralisado. Armadilheiras criam áreas explosivas e os lançadores de corda servem para limitar a movimentação da criatura. Sem contar as poções de resistência e outros itens consumíveis. São muitas opções que tornam a escolha e o uso do seu arsenal essenciais para uma boa caçada e o jogo faz questão de te ensinar isso. Toda vez que se adquire uma nova arma surge uma missão tutorial que te obriga a familiarizar-se com o item novo.

horizon zero dawn (31)

E não pense que tudo isso sai barato já que o jogo conta com um sistema de criação de itens feitos com as partes das criaturas derrubadas. O tempo todo você se sente obrigado a caçar certos tipos de máquinas para conseguir um componente essencial para um encontro mais decisivo. Você também pode adicionar bobinas que adicionam danos elementais a suas armas e existem tecidos que podem ser adicionados a sua roupa te dando mais resistência a certos elementos. Mesmo com essas opções são poucas variedade de armas e armaduras. Variedade de estilos não é prioridade em Horizon, que não é como outros RPGs onde você equipa luvas, botas, torço e pernas. Aqui você tem poucas  variações de roupas com umas pesada, uma elemental, outra furtiva e mais algumas opções sem grande impacto. Aloy merecia mais variedade.

O jogo também conta com aspectos de furtividade não muito bem trabalhados e as vezes desequilibrados. Andar agachado pela vegetação alta te rende ataques críticos a criaturas menores e a possibilidade de não atrair atenção de criaturas perigosas. A questão que Aloy tem um raio muito grande para executar um ataque silencioso, que na verdade não é NADA SILENCIOSO e mesmo assim não alerta os inimigos próximos. Os humanos são facilmente ludibriados com sua inteligência artificial simples e não existe adaptação dos inimigos a sua metodologia tornando os encontros com humanos demasiadamente simples.

horizon zero dawn (33)

Aloy evolui através de pontos de habilidades adquiridos ao subir de level. O tempo todo você está ganhando novas habilidades mas sem ficar demasiadamente poderoso. Os pontos podem ser gastos em 3 árvores de habilidade: Gatuna que é focada em furtividade e ataques críticos, Valente que é focada em combate e Saqueadora que é focada em obter e economizar recursos.

Absolutamente exuberante!

Por mais que eu tenha muitas críticas a serie Killzone, a direção de arte da Guerrila Games sempre foi exemplar. A empresa sempre teve uma assinatura visual marcante, e aqui isso é elevado a mais de 9000!

As criaturas mecânicas são extraordinariamente bem trabalhadas com um design funcional que é reconhecido a distância. Cada criatura foi desenvolvida para habitar ambientes específicos. Picos gelados, florestas, desertos, encostas, planícies, ruínas da antiga civilização humana e outros ambientes que deixo para você descobrir esperando te causar a mesma surpresa e empolgação que eu tive. Isso ainda é multiplicado pelo clima dinâmico que inclui névoa, neve, chuva, tempestades de areia, achou pouco? Multiplica de novo pela passagem de tempo que nos faz ter cenas incríveis como avistar de noite os olhos vermelhos de uma criatura poderosa ou ser encantando com o nascer do sol sobre as montanhas.

horizon zero dawn (24)

As vestimentas de cada tribo misturam cabos, ossos, peles e partes de animais robóticos criando um visual bem único para cada civilização. Também temos um excelente trabalho de animação dos personagens com movimentos dinâmicos de escalada, corrida, e finalizações brutais que acabam por arrancar peças dos inimigos. As máquinas conseguem ter movimentações distintas indicando seu perfil comportamental baseado em herbívoros ou predadores. O único pecado na parte visual é nos momentos de diálogos onde podemos fazer escolhas de frases. Nesses momentos a animação do rosto dos personagens cai muito de qualidade a ponto de termos bonecos inexpressivos. Felizmente o mesmo não ocorre nas cinemáticas que mantém o alto padrão visual.

A trilha sonora consegue dar clima com musicas tribais e temos o excelente uso excelente trilhas dinâmicas que aparecem durante os combates para influenciar na sua adrenalina. A aúdio original , não chega a ser perfeito por causa de algumas vozes que não combinam, mas conta com boas atuações. A dublagem em português tem altos e baixos onde algumas vozes não carregam a expressão necessária e outras simplesmente não combinam com os personagens.

Uma das coisas que senti falta é uma maior singularidade entre os sons das maquinas. Algumas emitem sons bem distintos mas a maior parte não conta com uma assinatura sonora eficiente e isso poderia ser melhorado em uma sequencia para podermos reconhecer através do aúdio as múltiplas espécies de máquinas que nos cercam.

horizon zero dawn (35)

Uma das melhores experiências que você vai ter esse ano!

No começo do meu texto pergunto como a Guerrilla Games conseguiu fazer uma experiência tão vasta e gratificante e agora quero responder essa pergunta: através de muita dedicação durante 6 anos de desenvolvimento, a empresa foi em busca de contratar ex-profissionais da Bethesda e CD Projekt Red para criar um mundo aberto que justificasse a sua existência.

Em cada parte deste mundo vemos essa dedicação, a variedade de ambientes, a vegetação que é diferente e diversa em cada ecossistema, as criaturas magnificas com um design espetacular num mundo empolgante cheio de mistérios onde somos conduzidos pela historia de Aloy uma personagem carismática, forte e evolvente, que em momento algum é sexualizada.

Aloy é uma personagem que com toda certeza estará lado a lado com Nathan Drake e Kratos como personagem símbolo da marca PlayStation.

Horizon Zero Dawn é um excelente início para uma nova franquia e mesmo com alguns deslizes como a falta de antagonistas e coadjuvantes marcantes e combate corpo a corpo ineficiente estamos diante do melhor exclusivo de PlayStation 4 neste ano e um dos melhores jogos da geração até então.

Pontos Positivos

  • Visual exuberante num mundo rico e cheio de misterios
  • Personagem carismática e marcante envolvida numa trama instigante
  • Sistema de combate contra as máquinas incrivelmente complexo

Pontos Negativos

  • Pouca variedade de armas e equipamentos
  • Combate Corpo a Corpo pouco preciso
  • Falta de antagonistas e coadjuvantes marcantes

Johnny Lapís

Criado nas sombras dos fliperamas de São Paulo fui salvo por um D20 e agora vivo dando opinião sobre games,cinema,HQs e tudo mais.