Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR.com – Videogames Brasil | 27 de junho de 2017

Ir para o topo

Topo

3 Comentários

The Surge – Análise

The Surge – Análise

Review

Dark Souls Futurista? Mais ou menos

The Surge tem um sistema de combate divertido e proporciona bons momentos, mas peca na execução com uma dificuldade exagerada e injusta.

The Surge foi desenvolvido pela Deck 13 e publicado pela Focus Home Interactive para PC, Xbox One e PS4. É um Action RPG dos mesmo criadores de Lords of the Fallen e inspiradíssimo na série Souls.

GAMEPLAY

Você é Warren, um funcionário em seu primeiro dia de trabalho na CREO, uma megacorporação que foi atingida por uma devastadora catástrofe onde todo seus funcionários e maquinários enlouqueceram. Cabe a você sobreviver ao dia de trabalho e descobrir o que está atacando as instalações da fábrica.

Sem enrolação: O sistema de combate de The Surge é baseado em Dark Souls e funciona bem, mas o diferencial mesmo é a capacidade de poder mirar em qualquer parte do corpo dos inimigos.

Atacar diretamente cada membro do oponente não só tem propósito de causar dano como também conseguir armas, recursos e diagramas para armaduras. Toda progressão do game é baseada nessa mecânica de combate.

Embora pareça pouco essa dinâmica nova proporciona uma grande diferença para os games da From Software e é bem divertida de aprender e explorar durante a jogatina.

DIFICULDADE

Infelizmente aqui os devs erraram feio e muitos jogadores vão perder a paciência e abandonar o game. O jogo não é justo e o motivo disso talvez seja porque ele não é tão longo. Alguns momentos do game passam dos limites da apelação, inclusive em algumas boss fights.

Particularmente eu gosto de ser desafiado mas em alguns momentos passei muita raiva com a escrodidão dos developers. Sou veterano na série Souls e praticamente passeei por NioH, mas The Surge nem de longe foi agradável ou recompensante como eles.

O problema é que a evolução natural do seu personagem passando pela fase e matando o chefe não acompanha o desafio da próxima área, forçando o grind desnecessário para alongar gameplay. Essa é a parte chata de The Surge. Espere refazer bastante as áreas do jogo para matar inimigos, adquirir recursos e evoluir seus equipamentos e armas para só então ter alguma chance e conseguir progredir até o próximo chefe.

EXPLORAÇÃO

The Surge tem um novo tipo de bonfire que é na verdade um centro médico onde você pode evoluir seu o nível do núcleo do seu traje o que aumenta seus atributos e permite acesso a novos equipamentos para o seu traje. Além disso aqui você pode dar upgrade nos seus equipamentos e até construir novas partes de armaduras para equipar no seus personagem. Os med centers também vão abrigar alguns dos NPCs que você vai encontrar durante o game.

A progressão do jogo é por áreas da fábrica. Cada uma dessas áreas tem um Med Center e próximo a esses centros temos vários atalhos que vão sendo abertos conforme você avança e explora os mapas. Eu gostei bastante do trabalho da Deck 13 no level design e embora não esteja no nível da From Software é uma grande evolução e muito superior ao trabalho realizado em Lords of the Fallen.

AUDIOVISUAL

The Surge é um game bonito no PC e nas nossas duas configurações (GeForce GTX 1070 e 970) ele rodou bem no ultra e manteve os 60 FPS. O visual dos inimigos e bosses são interessantes e acredito que nesse sentido os desensolvedores fizeram um bom trabalho mesmo tendo pouca variedade de cenários e inimigos.

A parte sonora do jogo é simples e até sem graça. O jogo inteiro se passa no mesmo lugar e por isso praticamente todos os ambientes tem o mesmo som de fábrica. As músicas só aparecem as vezes e elas não são muitas. A parte sonora poderia ser melhor explorada. A música dos med centers vai grudar na sua mente.

RESUMINDO

Cheguei perto do fim mas infelizmente eu não consegui finalizar o game por conta de um BUG. Joguei 14 horas até matar o penúltimo boss e passei mais 3 horas tentando encontrar uma forma de progredir até apelar para internet onde descobri que não iria conseguir de jeito nenhum pois o chefe não deixou um item necessário para avançar nas portas do jogo. Simplesmente perdi o save.

É impossível recomendar um jogo quebrado e nesse sentido minha experiência com The Surge foi bastante frustrante.

Mas quando funcionou, tive bons momentos e me diverti com o sistema de combate. Se você gosta de Action RPGs e principalmente gosta dos jogos da From Software, fique de olho para pegar esse game numa promoção e principalmente daqui alguns meses quando consertarem todo e qualquer tipo de problemas.

Pontos Positivos

  • Sistemas de combate e progressão diferentes são bem interessantes
  • O game é bonito e roda bem no PC
  • A ambientação e a temática fogem do ponto comum
  • Bom level design, com vários shortcuts e mapas bem interligados

Pontos Negativos

  • Várias apelações sem nenhuma necessidade
  • O cenário e os inimigos do game são repetitivos
  • Poucos bosses
  • Enredo e personagens mal explorados
  • Muitos glitchs e possíveis bugs que podem acabar com sua experiência

Danilo Morim

É Rhazo como um Pires ou A Voz da Rhazão? Trabalha como gamer e dorme com o controle na mão.

  • Diego Lopes

    Ou seja, os mesmos erros cometidos em Lords of the Fallen, os caras são bons tecnicamente (combate, gráficos, direção de arte, level design, mecânicas), mas conceitualmente eles pecam muito (história, personagens, variedade de cenários e inimigos).

    Ainda insisto que um modo PvP/Coop amenizaria muito os defeitos tanto do The Surge quanto do Lords… Pelo menos justificaria os jogadores prosseguirem mais no jogo e pegar melhores equipamentos, esses dois jogos bastam zerar uma vez pra não precisar jogar de novo, pq não vai ter nada novo (ou quase nada).

    Acho que nem os Souls eu teria jogando tanto se não tivessem um multiplayer.

    • Souls está uns bons niveis acima, mas uma hora esses polacos acertam. The Surge é um game bem acima do Lords. Espero um terceiro game melhor ainda porque apesar de ter tomado no cu com o bug eu gostei bastante do jogo.

  • zebedeu

    Não vale um feijão esse jogo, irritante demais a forma de como o jogador é tratado. E imagina então chegar perto do final e pummmm! bugzinho lindo que impede de fechar! kkkkkkkkkkkkkkkkkk .