Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR.com – Videogames Brasil | 16 de dezembro de 2017

Ir para o topo

Topo

3 Comentários

Injustice 2 – Análise

Injustice 2 – Análise

Review

O melhor jogo da NetherRealm

Injustice 2 é um jogo de luta sólido, com ótimos gráficos e muito conteúdo para jogar online ou offline. Definitivamente recomendado para fãs de jogos de luta ou dos personagens da DC Comics.

Revelado em Junho de 2016, Injustice 2 é a sequência de Injustice: Gods Among Us, jogo de luta de 2013 com os personagens da DC Comics desenvolvido pela NetherRealm Studios e publicado pela Warner Bros. Interactive Entertainment. O game já está disponível para Xbox One, PS4 e há também um app gratuito para smartphones.

História

O primeiro Injustice mostrou o Super Homem em dor e revolta com a morte de Lois Lane, grávida de seu filho, pelas mãos do Coringa. O Super mata o vilão e o temor de Batman se torna realidade. Ao cruzar a linha do assassinato o Super-Homem passa a acreditar que a única maneira de salvar a humanidade de si mesma é mantendo um controle rígido, praticamente ditatorial e se transforma num ditador global, frio e impiedoso. Esse novo regime divide os seres poderosos da Terra, criando uma guerra civil e novas alianças entre heróis e vilões, pró e anti regime do Super Homem.

O enredo de Injustice 2 se passa cinco anos após a queda do Super Homem no primeiro jogo. Com o fim do regime e o Super preso em uma cela especial sob a custódia do Batman a humanidade parece recuperar-se dos recentes eventos caóticos. Isso até a chegada do grande antagonista, Brainiac. Responsável pela destruição de Krypton, planeta natal do Homem de Aço, o vilão chega à Terra visando destruir o Super Homem e de bônus, o nosso planeta.

O modo história de Injustice 2 é novamente o ponto forte para os fãs das HQs da DC Comics, com 5 horas de duração, divididas em 12 capítulos de muitas reviravoltas na trama. A versão nacional do game ainda conta com um primoroso (ainda que não perfeito) trabalho de dublagem da Warner Bros Games Brasil contando com nomes de peso com o retorno de Guilherme Briggs dando voz ao Homem de Aço e Márcio Seixas finalmente chegando para interpretar Batman pela primeira vez nos videogames (no primeiro Injustice o personagem foi dublado por Ettore Zuim).

Jogabilidade

O game aposta em seu sistema de luta mais simplificado para tornar-se convidativo para o público em geral. Você não precisa ser um expert em jogos de luta para curtir Injustice 2. São menos botões para apertar, menos sequências necessárias para fazer seus golpes e mesmo assim a profundidade no gameplay é garantida, com grandes possibilidades para os jogadores veteranos, enquanto mantém-se essencialmente simples para os novatos.

Basicamente as mecânicas de gameplay são similares as do primeiro título, com a novidade de que agora você pode gastar uma barra de super em troca de habilidades especiais, rolagem ou recuperação no ar. Novamente você tem 3 ataques, fraco, médio e forte, que se alternam entre socos e chutes (dependendo do personagem e comando utilizado) e um botão para habilidades especiais de cada personagem. Os jogadores também pode utilizar elementos do cenário na luta para ataque e fuga. Todos personagens também contam com um super especial cinematográfico que gasta as 4 barras e é ativado com L2+R2, comando idêntico ao do X-Ray da série Mortal Kombat.

A grande novidade do game é o novo recurso chamado Gear System, um sistema de loot que recompensa os jogadores após cada luta, com créditos para comprar caixas maternas de diferentes níveis que vão liberar peças das roupas e equipamentos que podem ser usados ​​para personalizar as aparências dos personagens e modificar suas habilidades e estatísticas.

O sistema é interessante, mas infelizmente ele não é perfeito e seu maior defeito é justamente o fato de depender de recompensas aleatórias e não para o personagem que você está jogando. Basicamente isso significa que montar aquele set que você tanto quer pro seu personagem favorito pode acontecer rapidinho ou demorar MUITO.

Isso incentiva a jogar mais depois de rolarem os créditos sem dúvidas, mas poderiam dar opção de ter ao menos uma caixa materna especial, mais cara, que entregasse itens para um personagem específico de forma não aleatória.

Novos e velhos heróis e vilões

A seleção de personagens foi ampliada e traz várias escolhas acertadas, reunindo personagens que estão em alta nos filmes e séries da DC como Arqueiro Verde, Arlequina e Pistoleiro, outros menos lembrados como Monstro do Pântano, Nuclear, Besouro Azul, Damian Wayne (o filho de Batman) como Robin e também algumas escolhas duvidosas com o vilão série B: Capitão Frio (sério NetherRealm? Mr. Freeze seria tão mais legal) ou o retorno do Coringa do mundo dos mortos com um dos piores visuais já vistos para o personagem (ainda bem que o sistema de loot permite mudar as roupas dele).

Pela similaridade do sistema, não duvido que a NetherRealm planeje um DLC com personagens do primeiro game. No geral a maior parte do cast é positiva e os personagens são bem distintos, o que amplia e muito as possibilidades do jogo no que realmente interessa: a pancadaria versus.

Mas tudo bem se você não liga pra isso. Mesmo que um jogo de luta não seja um daqueles games que você compra pensando em jogar sozinho Injustice 2 capricha nos modos para um jogador. Além da campanha o game chega bem completo e traz modos de treinamento, de luta contra a AI em diferentes níveis de dificuldade, modos de campeonato para jogar com seus amigos e também o Multiverso, uma série de desafios distintos com modificadores especiais e situações aleatórias durante as lutas e com tempo limitado para finalização num sistema semelhante ao do modo das Torres Vivas em Mortal Kombat X. Esse último é o melhor modo para você garimpar caixas maternas e recursos para montar os seus personagens com os melhores equipamentos possíveis.

Há ainda um modo de batalhas entre a inteligência artificial do game, onde o jogador passa a ser um mero espectador e monta equipes de 3 lutadores para assistir as lutas da CPU e ficar torcendo pelo seu time. É diferentão e não vou reclamar de um extra, mas o melhor mesmo é jogar.

Gráficos

Injustice 2 é um dos mais bonitos jogos de luta já lançados até hoje. Os gráficos melhoraram muito do que foi mostrado inicialmente durante a E3 do ano passado. As expressões faciais nas cutscenes da campanha renderizadas em tempo real impressionam e confundem os desavisados com CGs. Algumas cenas e tomadas de câmera chegam a ser realmente fotorrealistas.

Os cenários são variados e incluem o retorno de algumas localidades do primeiro jogo já conhecidas dos fãs das HQs. As transições de cenário continuam exageradas, mas é um jogo de quadrinhos e é sempre divertido ver seu oponente ou até mesmo seu personagem voando através de um prédio e ignorando todas as leis da física.

É um trabalho de alta qualidade, respeitando o material fonte dos personagens sem deixar de inovar. O game roda em 1080p e 60 FPS no PS4 Pro, onde jogamos para esse review.

Injustice 2 é um jogo de luta sólido com gameplay de qualidade, ótimos gráficos e muito conteúdo para jogar online ou offline. A inovação das caixas de loot poderia ser melhor implementada, mas esse sistema não diminui o jogo de maneira alguma. Definitivamente recomendado para fãs de jogos de luta ou dos personagens da DC Comics.

Pontos Positivos

  • Sistema de jogo fácil de pegar e difícil de masterizar
  • Modo história brilha novamente com a narrativa cinematográfica
  • Sistema de loot permite infinitas possibilidades para montar seu personagem
  • Dubladores profissionais e consagrados garantem a dublagem de qualidade

Pontos Negativos

  • Caixas maternas fornecem loot aleatório
  • Capitão Frio e o visual do novo Coringa são os piores personagens do jogo

Átila Graef

Átila Graef é fanático por conquistas do Xbox 360, General aposentado em Halo Wars, colecionador de placas de Arcades, e apaixonado por F-Zero GX.