Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR.com – Videogames Brasil | 11 de dezembro de 2017

Ir para o topo

Topo

Sem Comentários

Narborion Saga – Análise

Narborion Saga – Análise

Review

RPG de mesa virtual

Narborion Saga tem um enredo ótimo e uma narração imersiva, mas peca com bugs e falta de capricho. É uma idéia maravilhosa executada de uma maneira ruim.

Narborion Saga é um game de RPG focado na narrativa, o game foi desenvolvido e distribuído pela Liber Primus Games e está disponível para PC por 36 reais.

Só quem já teve a experiência de jogar RPG de mesa (Dungeons and Dragons, Pathfinder, Tormenta) sabe a sensação de se apegar a um personagem que você criou do zero, subir seu nível, ganhar reputação, descer por masmorras intermináveis com medo de pisar naquela armadilha que será fatal, matar um dragão e por fim salvar todo um reino das garras de um necromante. Essa é experiência que Narborion Saga aposta em tentar recriar.

Dito isso já posso adiantar que 90% do game é feita em leitura e escolhas e ele aposta na narração como no RPG de mesa clássico, seja numa conversa com os personagens que serão desenvolvidos ou descrevendo uma viagem e uma masmorra. Então se você é o tipo de jogador que não aguenta linhas de diálogo na quantidade normal, passe longe desse game, pois tudo aqui é desenvolvido em texto.

A história começa simples como em qualquer RPG e se desenrola com o passar de três quests iniciais. Sem muito spoiler: no início você é um escudeiro que recebe o pedido de uma princesa para recuperar um templo de uma deusa perdida. A partir disso todas as escolhas que fizer serão extremamente importantes para o destino do seu personagem. Como no RPG de mesa, você irá montar sua ficha de personagem, determinar a Força, Destreza, Inteligência e Carisma dele, selecionar as habilidades iniciais, quais talentos ele possuirá e o equipamento inicial, fora o nome e um template para o grid de batalha.

É importante você ter cautela na progressão, pensar duas, três ou quatro vezes antes de tomar uma decisão, pois se o personagem morrer o jogo acaba, e isso é extremamente frustrante, como nos RPGs de mesa.

Os personagens são muito bem desenvolvidos, as tramas são interessantes, o desenvolvimento das quests são intrigantes e o jogo te manda fazer escolhas ótimas sem nunca deixar óbvio qual a escolha “certa”. Tudo é focado no roleplay e como você vai lidar com o mundo a seu redor e essa imersão é realmente interessante.

O jogo está em inglês o que é uma tristeza sem tamanho tendo em vista que o game cobra leitura a quase todo momento. Então se você não está com o inglês em dia, bem afiado, passe longe pois apenas estar “familiarizado” com o idioma pode não ser o suficiente visto que a trama é densa e usa muito vocabulário.

Agora preciso apontar os pontos negativos do game. No RPG de mesa o foco é o desenrolar do enredo e a diversão de estar jogando com os amigos. Aqui até temos mais pra frente uma certa interação com quem está jogando, mas nada que chegue próximo da experiência real do RPG.

E é por isso que os poucos defeitos do game são tão impactantes. Diferente de ouvir um amigo narrando uma história, aqui estamos lendo textos a todo o momento e os templates e a interfaces não agradam visualmente. Tudo é muito feio e parece ter saído de um game do começo da década de 90 e isso se aplica a todo o “gráfico” do game.

Não existe modelagem de nada, tudo são imagens, jpg descarado, os templates dos personagens no grid de batalha tem inclusive um fundo branco, a movimentação é inexistente, física e animações também. Os mapas são muito pobres em detalhes e diversas vezes por conta disso eu me perdi enquanto jogava chegando a ter meu personagem morto por conta de o quão mal feito são os aspectos visuais do game.

O mesmo se aplica a trilha sonora. Enquanto você lê uma música toca repetidamente. Quem aplicou essa música de fundo não se deu ao trabalho de fazer um corte bem feito para disfarçar a repetição da trilha e você ouve a música acabando e retornando em um corte seco o que é bizarro e afeta a imersão.

O sistema de batalha é igualmente ruim. Nada intuitivo, nada explicativo, você se movimenta e ataca, utiliza skills e magias e quando você realiza o ataque dois dados são jogados na mesa automaticamente e o inimigo joga dois dados também. O jogo não se preocupa em explicar o que está acontecendo ou como aqueles dados funcionam. Simplesmente os dados são jogados e um número surge de dano que foi desferido. Fora que os inimigos são tão genéricos que eu tinha mais medo das viagens (que podem ser mortais) do que necessariamente dos inimigos.

Também tenho que comentar os frequentes bugs que o jogo tem ao comprar itens ou até clicar nas escolhas que irão mudar o rumo do enredo, as vezes o game não responde ao clique, forçando o jogador a clicar mais de uma vez na mesma coisa. E o medo de comprar o mesmo item duas vezes em um game onde o gold e as escolhas são tão punitivas? Horrível.

Narborion Saga tem um enredo ótimo e uma narração imersiva, mas peca mecanicamente com bugs e falta de capricho no visual e trilha sonora. É uma idéia maravilhosa executada de uma maneira ruim.

Pontos Positivos

  • Enredo fantástico, jogo imersivo e divertido

Pontos Negativos

  • Gráficos horríveis
  • Trilha sonora ruim
  • Mecânica bugada e nada intuitivo, apenas em inglês
Pedro Kakaz

Pedro Kakaz

Pedro Kakaz é apaixonado por Dark Souls, eterno hero of time, jogador de Dota que ama o trabalho que faz.