Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR.com – Videogames Brasil | 16 de dezembro de 2017

Ir para o topo

Topo

Sem Comentários

Drifting Lands – Análise

Review

Shmup com RPG

Com elementos de RPG, Drifting Lands conta com ótima jogabilidade e gráficos, trazendo tudo que há de melhor no gênero de jogos de nave.

Drifting Lands é um indie de nave shoot’em up com elementos de Action RPG, brilhantemente desenvolvido e distribuído pela Alkemi. O jogo está disponível na Steam custando 36 reais.

O mundo acabou, sobraram poucos humanos e robôs, a maioria deles se aliou para estabelecer uma ditadura com o que restou dos céus e cabe a vocês da resistência fazer o máximo para se manter enquanto vencem seus inimigos um a um. Eu sou um entusiasta de premissas simples, quanto mais um jogo me colocar pra jogar mais feliz ficarei e Drifting Lands parece concordar comigo nisso e ir além.

No game o enredo é simples e te mostra o que vai vir a seguir, porém de forma majestosa os personagens vão sendo pontuados e apresentados um a um a maneira que o jogo avança. Não só isso, os principais são aprofundados com personalidades distintas, problemas e características únicas, tudo isso sem precisar de cutscenes de vinte minutos e textos de dez páginas.

Mas com certeza o primor está na jogabilidade, pegando tudo que há de melhor nos games de nave da história dos games e implementando um sistema de skills de games como Diablo 3, o game traz uma mecânica interessante que não o deixa cair na mesmice. Começamos escolhendo o nível de dificuldades e nossa primeira nave, o que combina mais com nosso estilo de gameplay, naves mais lentas e defensivas, rápidas e evasivas ou as clássicas naves de ataques com tiros que acertam mais de um inimigo ao mesmo tempo?

O jogo tem uma dificuldade razoável e dependendo do modo que você escolhe, as naves não virão apenas da direita como na maioria dos shoot’em ups. Elas virão da esquerda e muitas vezes vão te encurralar completamente, fazendo com que o uso das skills na hora certa seja crucial. Por isso cuidado ao usar demais uma habilidade e ficar sem ela justamente em um momento de sufoco.

A escolha das habilidades é livre o que torna tudo justo e caso você morra ou fique preso em um trecho não irá restar dúvidas de que a culpa foi totalmente sua. Essa liberdade e performance vem um preço e literalmente, quanto mais inimigos você matar e menos morrer mais dinheiro terá obtido. Dinheiro que serve para reparar a nave, melhorar as peças e armaduras (o que tem uma importância absurda), trocar de nave e adquirir novas skills, tudo isso para o jogador conseguir montar o mais adequado ao seu estilo de gameplay.

ARTE MARAVILHOSA

Eu PRECISO falar das artes desse game. Os desenhos feitos a mão dos personagens, a arte de fundo dos cenários e todos os efeitos de tiros e skills enchem os olhos e tudo está fantástico! É notada a atenção que foi dada aqui, tudo sempre de muito bom gosto, desde os cenários de fundo sempre passando um clima preciso, seja de calmaria, agitação ou perigo total, com uma arte belíssima e cores vivas, seja pelos personagens que são desenhados de acordo com sua personalidade.

Drifting Lands traz o equilíbrio perfeito no visual, um gameplay fluído que não tem queda de frames, um visual lindo das naves, efeitos e cenários e personagens desenhados de maneira competente e leais as suas respectivas personalidades. Da mesma maneira é a trilha sonora, igualmente pontual, sempre passando as sensações e emoções certas, empolgando e trazendo imersão. A Alkemi mostra a que veio com um combo de bom gosto e um título muito competente.

E por último há toneladas de conteúdo extra para os mais aficionados. São 70 skills diferentes, cenários randomizados pra você re-jogar sem se entediar, 100 níveis de dificuldade diferentes para você testar as skills, upar e melhorar sua nave e ainda assim ter desafios constantes. Você sempre vai querer reiniciar o game depois de zerar com a outra classe de naves e ver se algum outro estilo de gameplay funciona com você.

Drifting Lands é perfeito no que se propõe, um jogo sem defeitos aparentes, feito com ótimo bom gosto e trazendo tudo que há de melhor no gênero de jogos de nave. Com certeza entrará para meu hall de melhores games indies que joguei.

Pontos Positivos

  • Jogabilidade precisa e divertida
  • Gráficos excelentes

Pontos Negativos

  • Não está localizado para português
Pedro Kakaz

Pedro Kakaz

Pedro Kakaz é apaixonado por Dark Souls, eterno hero of time, jogador de Dota que ama o trabalho que faz.