Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR.com – Videogames Brasil | 20 de outubro de 2017

Ir para o topo

Topo

Sem Comentários

DiRT 4 – Análise

Pedro Kakaz

Review

O melhor jogo de rally

DiRT 4 evolui a série com uma simbiose de tudo que deu certo no gênero, melhorado e divertido, trazendo diversos modos diferentes. Essencial para os fãs de jogo de corrida.

DiRT 4 é mais um game da série de corrida de rally, desenvolvido e distribuído pela Codemasters e disponível para PS4, Xbox One e PC.

Não é novidade que os games de corrida recebem bastante notoriedade nos últimos anos, seja com títulos clássicos como Gran Turismo, Need for Speed e até o Forza que chegou para ficar, ou até com títulos mais específicos como WRC 6 e Sébastien Loeb Rally EVO, porém mesmo com o mercado dando uma atenção para os games de carro, DiRT 4 foi uma surpresa agradável, juntando tudo de melhor dos jogos de rally.

Começando pela escolha magnífica de agradar os dois públicos do gênero, no início do game você irá optar se deseja uma experiência mais voltada para a simulação ou jogabilidade arcade e isso não só irá mudar a dificuldade do game como a maneira em si de jogar alterando a física, impactos, aderência e etc.

Acho interessante a Codemasters perceber que existe diferença entre os dois tipos de jogadores e criar experiências agradáveis para todos. No modo Gamer (o modo mais arcade) as mudanças de terreno e as configurações do carro perdem um pouco de sua importância para dar lugar a corridas menos tortuosas e mais velozes. É um modo focado na diversão, mas isso não significa que estes fatores são completamente ignorados. As mudanças na resposta do carro foram perceptíveis quando mexi, por exemplo, no balanceamento dos freios ou nos eixos de transmissão.

Já no modo simulador cada movimento deve ser preciso para evitar sair da pista ou sofrer um terrível acidente. Em contra partida as sensações de cravar aquele hairpin com a ajuda do freio de mão ou bater o tempo de uma parcial difícil são incomparáveis quando a natureza da pista e do carro se fazem presentes. Isso é natural e quanto mais desafio mais a sensação de recompensa se fará presente, mas vai do gosto de cada um.

No modo carreira o jogador pode correr por uma equipe estabelecida ou montar seu próprio time. Além disso, há a presença dos patrocinadores, que dão ao usuário um apoio financeiro e peças de carros. Ambas organizações vão fazer exigências para que se mantenha uma boa relação com elas, pedindo ao jogador, por exemplo, para que ele complete a prova em um nível de dificuldade mais acentuado ou que não bata o carro durante a corrida. Isso incentiva você a tentar enfrentar suas fraquezas e se superar a todo momento e é interessante correr nessa linha de progressão personalizada onde você faz se quiser ou da forma que quiser.

As pistas dividem-se por cinco localizações ao redor do globo: Estados Unidos, Austrália, Suécia, País de Gales e Espanha. Em um primeiro momento, a quantidade de locais disponíveis pode até não parecer tão grande, mas a variação geográfica de um país para o outro garante diversidade suficiente para agradar a todos os gostos, seja com neve, asfalto, lama ou terra seca e muito pó.

No game existem algumas modalidades diferentes, o que também foi uma surpresa positiva. Rally, que como indica comporta as provas de convencionais de rali, seus eventos subdividem-se de acordo com os tipos de carro que disputam essa modalidade e a exemplo das outras categorias, tornam-se disponíveis conforme o jogador avança. Land Rush, por sua vez, me mostrou um universo desconhecido: o dos circuitos arenosos disputados com buggies, caminhões e crosskarts no México e sul dos Estados Unidos. O Rallycross que mistura trechos de asfalto, areia e rali, muito divertido também, e por último o Historic Rally traz aquela pitada de classe a todo jogo de corrida que se preze. A possibilidade de se disputar provas com carros clássicos, seminais à história do automobilismo, é com certeza mais voltada aos fãs e conhecedores de carros.

Existe um modo free play que engloba o online do game, onde as pistas são geradas procedurais e intercalam climas e modos e etc, muito divertido e com um tempo de vida que com certeza vai durar. Como alguns jogos onlines aqui tive problema de matchmaking e achar corridas vez ou outra demorou ou foi difícil me rendendo algumas desistências, mas assim que encontrava uma partida a diversão era garantida, sem lags e problemas de conexão.

Os gráficos são um primor a parte e temos aqui o melhor jogo da série em termos técnicos. A Codemasters mirou nos 60 quadros por segundo mesmo nos consoles e isso faz toda a diferença num jogo de corrida. Além disso tudo foi melhorado, desde as pistas e efeitos de luz e sombra, até os carros e cenários que estão absurdamente lindos. Você consegue sentir o peso real das coisas e tudo isso é feito com muito bom gosto.

Parece ou não parece uma foto?

Igualmente trabalhada foi a trilha sonora que acompanha o ritmo das pistas e faz você desligar o Spotify pra curtir o som e os efeitos sonoros do game.

Um ponto negativo é o game não estar disponível em português, mas para um jogo de corrida isso é realmente pouco relevante.

DiRT 4 é uma evolução, uma simbiose de tudo que deu certo no gênero, melhorado e divertido, trazendo diversos modos de game todos muito polidos, essencial para os fãs de jogo de corrida.

Pontos Positivos

  • Modalidades diversas garantem diversão garantida para todos os tipos de jogadores
  • Gráficos excelentes
  • Dificuldade adaptável

Pontos Negativos

  • Falta de legendas em português
  • Matchmaking online muitas vezes demora para achar corridas
Pedro Kakaz

Pedro Kakaz

Pedro Kakaz é apaixonado por Dark Souls, eterno hero of time, jogador de Dota que ama o trabalho que faz.