Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR.com – Videogames Brasil | 17 de agosto de 2017

Ir para o topo

Topo

Um Comentário

Gwent X The Elder Scrolls: Legends – Qual o melhor?

Pedro Kakaz

Me despedi da família e dos amigos e me internei uns dias em casa para testar os dois card games mais recentes do mercado, um deles ainda na versão beta. Aqui vou expressar a minha opinião, comparando um com o outro, tentando ser o mais imparcial possível.

Trata-se de Gwent, o card game inspirado no minigame existente em The Witcher III, e The Elder Scrolls Legends, o card game da Bethesda que engloba o universo já consagrado de Elder Scrolls. Antes de começar as analises e comparações, devo acrescentar uma coisa muito importante. Eu não terminei nenhum Elder Scrolls, tampouco algum game do Witcher, o que não afeta a análise pois os jogos são apenas baseados nos universos das franquias mas não possuem conexão direta com nenhum dos jogos.

THE WITCHER VS THE ELDER SCROLLS

De cara a “apresentação” dos dois games são completamente diferentes onde Legends abre com um enredo, explicando os pergaminhos que contam histórias do passado e do futuro, sobre uma invasão que ocorreu e subversão de raças e impérios, te introduzindo nesse universo caso você seja apenas alguém que goste de card games e não conheça o que está por trás, assim como eu.

Gwent é diferente e aqui você inicia o game com um tutorial, uns diálogos cômicos entre Geralt e Ciri, mas se você não está familiarizado são apenas falas cômicas entre dois personagens que estão disputando entre si. Gwent logo parte para os desafios, onde o jogador ganhará cartas e aprenderá melhor as mecânicas mas também já libera o modo multiplayer online, sem enrolação.

O Elder Scrolls ao meu ver se preocupou demais com o enredo em um game onde a jogabilidade é mais importante. É legal ver personagens se provocando e se tornando aliados e tal, mas a progressão do tutorial em relação ao enredo é lenta demais e após três partidas eu já havia entendido o conceito do game que insistiu em me carregar pela mão por mais algumas batalhas mostrando apenas mais do mesmo. O tutorial do Gwent é mais intuitivo e ele te ensina o básico deixando você ir descobrindo como trabalhar com as mecânicas. Legends é um card game mais simples no geral e mesmo assim faz questão de explicar cada mecânica exaustivamente.

Mecânicas

Um card game ao meu ver brilha ao se obter o balanço perfeito, não podem existir cartas lixos e cartas poderosas demais. A combinação da mão e estratégia tem que se sobrepor a isso, caso contrário o fator comprar mais cartas pode ser tornar um divisor de jogadores, e o jogo se torna Pay to Win (pague para ganhar). A mecânica do Elder Scrolls Legends é bem parecida com Hearthstone, onde cada jogador tem pontos de vidas que quando chegarem a zero significa derrota. Em Legends o jogador começa com três cartas e tira uma por turno do baralho. As cartas são dividas por raças, onde cada raça é determinada por uma cor e cada deck diferente suporta até duas cores diferentes, então você pode jogar com elfos e humanos no mesmo deck por exemplo.

Uma diferença e novidade aqui são as runas. A cada cinco pontos de vida que você perder em um turno uma runa sua é quebrada e você ganha uma carta a mais na sua mão. É uma forma do jogo dar uma balanceada. O que determina cada carta que você pode jogar na mesa é o custo de mana e assim como em Hearthstone você ganha um de mana adicional por rodada. O campo é dividido em dois, e uma carta só poderá atacar a que tiver no campo respectivo ao dela, diferente de Hearthstone onde o cenário é um só.

Gwent é completamente diferente e original. Aqui não existe mana que determina qual carta você pode jogar, as cartas não possuem vida e ataque como em Legends e Hearthstone e o jogador não possui pontos de vida. O sistema do Gwent é baseado em poder onde cada criatura que você invoca tem um número X de poder que é adicionado ao seu total. O jogador que finalizar a rodada com maior número de poder, vence e todas as cartas que estão na mesa são descartadas para uma nova rodada numa melhor de três. A novidade não acaba por ai. Aqui não sacamos cartas durante o turno e iniciamos com as cartas que temos na mão e vamos com elas até o final. No começo da segunda rodada compramos duas cartas, independente de quem tiver vencido e se for necessária uma terceira rodada, apenas uma carta será comprada. A melhor de três tem de ser resolvida com as cartas que você possui ali e pronto. Isso dá uma dinâmica única e o jogo se torna muito mais pensado do que os outros citados. Como você vai lidar com suas criaturas e magias, como vai desempenhar a administração das cartas no decorrer dessa melhor de três? Depende de você. Você ainda pode abrir mão de jogar quando quiser, por exemplo, eu iniciei com duas cartas muito boas que me renderam 20 de poder no início e eu abri mão de jogar naquela rodada, fazendo duas situações acontecerem. Meu adversário será obrigado a usar cartas para ultrapassar esses 20 de poder se quiser ganhar (podendo gastar metade ou mais de sua mão se der azar) ou ele perderá a primeira rodada se não quiser abrir mão das cartas.

As duas últimas novidades tornam o game excepcional pra mim. O campo não é uma coisa única como em Hearthstone, tampouco dividido em dois como em Elder Scrolls. Em Gwent temos três campos diferentes para ambos os times sendo os de corpo-a-corpo, a distância e uma espécie de artilharia com máquinas e criaturas imensas que ficam na extremidade mais distante do inimigo. Mas para que serve afinal um campo dividido em três? Como em Gwent não compramos cartas o tempo todo e temos que lidar com a nossa mão até o final, uma carta que “destrói todas as criaturas do campo” ou “da 1 de dano em todas as criaturas” seria mortal. Dessa forma dividir suas criaturas é uma forma de fazer com que não morram todas de uma vez só já que a grande maioria das cartas de efeito aplicam suas habilidades nas fileiras ou em x criaturas naquela fileira.

A última novidade são as cartas de clima e com elas o jogador pode aplicar um clima específico na fileira do inimigo que desejar. Neve causa 2 de dano por turno, chuva causa 2 de ano nas criaturas mais fracas e assim por diante. Também existem cartas anti-clima que limpam o céu do tabuleiro inteiro, das fileiras específicas e etc, tudo isso para implementar ainda mais a estratégia do game.

A arte estática nos cards de Legends deixa a desejar

Gwent é divido em classes diferentes, temos Nilfgaard, Reinos do Norte, Monstros e etc, mas um ponto negativo é que senti que o deck dos Reinos do Norte é o mais usado por ter um líder forte demais, mas isso pode ser corrigido com o beta. Como citado, cada deck possui uma gama de líderes que são uma espécie de carta especial que irá aplicar algum efeito poderoso no game, será usado uma vez e quando usado o turno será perdido automaticamente.

Graficamente Gwent também da um show em Legends e as cartas são mais bonitas, o campo é mais detalhado e os menus são de muito bom gosto. Tudo em Elder Scrolls Legends é de gosto duvidoso nesse sentido e a apresentação parece de um jogo feito por fãs. O campo é um pergaminho muito feio, os efeitos das habilidades são horríveis e as cutscenes do enredo deixam muito a desejar. As cartas de Legends são grandes demais com desenhos estáticos sem efeito e sem personalidade e não simpatizei com absolutamente NENHUMA carta, enquanto em Gwent é normal você curtir uma carta pelo efeito, poder e visual dela. Cartas imponentes que entram com frases imponentes, e até cartas que se movimentam de formas únicas. A sensação é que Elder Scrolls Legends não parecia estar em alta definição e inclusive chequei nas configurações para ver se não era erro de inicialização. Infelizmente o jogo é simplesmente feio.

Da mesma forma a dublagem para o português em Gwent é superior e as vozes dão personalidade e são muito características sem parecer forçação de barra. Anões, elfos, feiticeiros são muito bem dublados, com vozes graves, agudas e naturais. A dublagem de Legends não é horrível, mas as que deveriam ser grandiosas são apenas sem graça. Os draconatos e criaturas bestiais tem uma voz rouca e não como você esperaria que uma criatura daquelas soasse e isso é meio broxante. Em contra partida as traduções de texto em Gwent estão erradas e mal feitas com muitas frases que simplesmente não fazem sentido. Eu torço para isso ser decorrente de estar em BETA já que em algumas cartas simplesmente não é possível entender os efeitos e habilidades por causa de uma tradução sem sentido.

E O VENCEDOR É

Gwent me agradou mais com certeza. Não é genérico, tem mecânicas originais e únicas que dão um ar diferente ao card game. É um game de estratégia acima de tudo enquanto Elder Scrolls Legends tem potencial pelo lore e histórias interessantes, mas peca nos gráficos datados e visual de mal gosto e por tratar o jogador como ignorante.

Pedro Kakaz

Pedro Kakaz

Pedro Kakaz é apaixonado por Dark Souls, eterno hero of time, jogador de Dota que ama o trabalho que faz.

  • Rakuyo

    Gwent é melhor mesmo, apesar de gostar muito do universo de the elder scrolls!