Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR.com – Videogames Brasil | 19 de novembro de 2017

Ir para o topo

Topo

Sem Comentários

South Park: A Fenda que Abunda Força – Análise

Lucas Pitchinin

Review

Mega episódio de South Park jogável

Com 20 horas de jogo, South Park: A Fenda que Abunda Força é um ótimo RPG que com certeza agradará os fãs de longa data da série e também aos novatos que gostam de humor negro e ácido.

Criado, escrito, dublado e dirigido por Trey Parker e Matt Stone (criadores da série), South Park: A Fenda que Abunda Força segue os eventos de South Park: Stick of Truth, lançado há 3 anos atrás. O jogo que foi desenvolvido pela Obsidian Entertainment e publicado pela Ubisoft, é certamente um dos jogos mais engraçados dos últimos anos e não decepcionará os fãs que aguardaram todo esse tempo.

A novidade da história é que dessa vez o jogo foca em parodiar filmes de super heróis, ao invés de histórias de RPG como no primeiro jogo. Mas mudança não remove os elementos de RPG do sistema de combate, já que o jogo apresenta uma grande melhoria e se aprofunda bastante nele.

História

A história começa com o grupo de Super Amigos querendo resgatar um gato para conseguir a sua recompensa de 100 dólares. Com essa grana eles pretendem investir no universo deles, realizando filmes e séries no Netflix, assim como a Marvel vem fazendo. Mas a história não se limita a isso, já que ela passa por diversos lugares e situações, parecendo diversos episódios dentro de um grande tema.

Tem muita coisa engraçada no jogo, mesmo pra quem já não se divertia tanto com a série de TV. O humor está bem refinado e apresenta várias críticas sociais, porém ainda tem muito do South Park antigo, com aquelas situações nojentas e absurdas comum da série. Espere muitas piadas sobre peidos e bundas, já que você joga com o Bundão, cujo o super poder é soltar puns que são capazes de realizar as mais diversas ações, como por exemplo voltar um pouco no tempo ou voar com seu super amigo Pipa Humana.

Jogabilidade

Como dito antes, o jogo começa logo após os eventos do primeiro jogo, mas logo no início a brincadeira muda para um universo de super heróis. Nessa troca você pode escolher dentre uma das três classe de super heróis disponíveis, mas ao final do jogo é possível trocar a vontade misturando poderes entre elas. Esse sistema entrega profundidade o suficiente para gerar muita variedade de jogo, deixando as batalhas divertidas e sempre com algo novo para experimentar. As habilidades especiais também são show a parte. Cada classe e super herói tem o seu especial próprio. Porém, com o passar do jogo elas se tornam cansativas, já que não existe opção para passá-las rapidamente.

Assim como em outros RPGs táticos, a sua posição importa muito durante o combate, já que cada habilidade tem uma distância de acerto ou área de efeito. No início, as batalhas começam um pouco fáceis, mesmo na maior dificuldade. Porém gradualmente elas vão ficando mais complexas e difíceis, graças às variações de objetivos de alguns chefes e conforme novos inimigos são apresentados.

Uma coisa interessante é que não existem elementos de sorte envolvido nos danos, acertos e críticos. Não existe errar um alvo ou causar menos dano do que o exibido na interface. O acerto crítico funciona de uma maneira diferente de outros RPGs. Aqui, ao usar uma habilidade, um minigame acontece e realizá-lo concede um acerto crítico, já ao defender, acertar esse minigame garante que uma parte de sua vida seja recuperada.

Progressão

A progressão do jogo é bastante simples e fica limitada aos acessórios equipados e classes liberadas. Passar de nível, somente desbloqueia mais espaços para equipar esses acessórios aumentando assim seus atributos. Em compensação, existe uma grande variedade de acessórios e esses são adquiridos com bastante frequência, podendo coletá-los ou construí-los utilizando receitas e peças encontradas.

Exploração

Explorar a cidade completa de South Park com certeza agradará os fãs da série, tendo várias missões para serem completadas e diversos itens para coletar. Para ajuda na exploração, é possível combinar os poderes de seus amigos com os seus super puns, podendo assim chegar em lugares inacessíveis anteriormente. Porém, isso faz com que você explore os mesmos lugares a cada novo aliado ganho, o que pode deixar um pouco entediante para aqueles que querem conquistar tudo no jogo.

Gráficos

Assim como em The Stick of Truth, a falta de elementos na interface deixa o visual do jogo muito limpo e parecido com a série, podendo facilmente ser confundido com um episódio, graças também ao visual extremamente fiel. Em consequência do visual limpo, a navegação pelo mapa fica um pouco complicada no início. As casas são muito parecidas e é necessário abrir o mapa constantemente para ver onde as coisas ficam.

Uma das melhores adições na parte visual é a grande variedade na customização de personagem. Centenas de combinações visuais podem ser feitas, usando diversas peças de roupas e maquiagens desbloqueadas durante o jogo. Também é possível mudar livremente o gênero, sexualidade, raça e cor, afetando a forma de como alguns personagens tratam o seu herói, como por exemplo, escolher ser gay faz com que batalhas contra caipiras preconceituosos aconteçam com maior frequência e ser negro tornam as coisas mais caras nas lojas.

Som

O jogo surpreende muito e apresenta uma ótima trilha sonora original que supera facilmente diversos outros grandes títulos do ano. Aproveitando a liberdade criativa do jogo, as trilhas sonoras tocam diversos gêneros musicais e todas são de ótima qualidade. Provavelmente você vai lembrar de todas e até quem sabe até querer ouvi-las fora do jogo.

Veredito

Com aproximadamente 20 horas de jogo, South Park: A Fenda que Abunda Força com toda certeza agradará os fãs de longa data da série e também aos novatos que gostam de humor negro e ácido. O novo sistema de combate traz uma maior variedade de poderes e de possibilidades para experimentação e também traz uma profundidade muito maior do que o sistema apresentado no primeiro jogo. A exploração da cidade e o uso dos poderes para resolver os quebra-cabeças são bastantes divertidos no início, mas caem na repetição em poucas horas. Em resumo, South Park: A Fenda que Abunda Força é um excelente jogo da série e também um grande RPG.

Pontos Positivos

  • Visual e humor fiéis à série
  • Combate tático divertido e variado
  • Diversas classes e Heróis
  • Trilha sonora excelente

Pontos Negativos

  • Progressão limitada
  • Quebra-cabeças repetitivos
Lucas Pitchinin

Lucas Pitchinin

Mais conhecido como Pitcher, trabalha como game designer e está sempre ajudando amigos a pegar level nos jogos.