Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR.com – Videogames Brasil | 16 de dezembro de 2017

Ir para o topo

Topo

Sem Comentários

Call of Duty: World War II – Análise

Call of Duty: World War II – Análise

Review

O melhor COD em anos!

O modo campanha é intenso e emocionante do começo ao fim, o multiplayer volta às origens e o modo Nazi Zombies é aterrorizante e garante a diversão cooperativa.

Call of Duty: World War II é novo game da franquia anual da Activision. Foi desenvolvido pela Sledgehammer Games de Call of Duty: Advanced Warfare e está disponível para Xbox One, PlayStation 4 e PC na Steam.

Do Dia D até a ponte de Remagen…

Depois de jogar Wolfenstein II: The New Colossus e da excelente campanha de Infinite Warfare no ano passado eu não imaginava que seria surpreendido com tamanha qualidade em WWII. O modo campanha desse game é intenso e emocionante do começo ao fim. Os personagens são marcantes, os cenários são épicos e os set-pieces são simplesmente espetaculares. O jogo oferece 11 missões no total e todas elas nos mostram como a campanha dos soldados aliados na segunda guerra foi cruel.

O jogo é brutal e mostra várias situações dentro da guerra que devem ter acontecido de formas bem mais complicadas. Fazia tempo que não me identificava tanto com as motivações de personagens dentro de um game.

Esse é o melhor Call of Duty que me recordo desde os primeiros da série e embora não tenha sido  um modo campanha tão ousado quanto ao do ano passado foi o mais marcante dentre todos os jogos da série pra mim. A jogabilidade está acertada como todo ano e gostei muito do feedback das armas, principalmente na animação de morte dos inimigos.

Foram aproximadamente 10 horas intensas e emocionantes na campanha. Eu joguei o game no nível “Casca Grossa” no PC e já fiz algumas missões no “Veterano” na versão de PS4. Ambas as versões estão espetaculares visualmente e rodam com boa fluência mantendo a taxa de quadros praticamente o tempo todo nos 60 quadros.

A direção artística e sonora como sempre está primorosa e faz toda diferença quando experimentamos um AAA do calibre de Call of Duty. Foi um trabalho caprichado na parte técnica e acredito ter visto algumas das cutscenes em tempo real mais impressionantes da minha vida, do mesmo nível de CGs.

NAZI ZOMBIES

O glorioso Zombies está de volta e dessa vez mais horripilante do que nunca. Quem deu a vida ao modo foram ex-devs da Visceral Games que é o estúdio por trás da tenebrosa série Dead Space.

O modo está muito mais tenso que os anteriores não só por conta dos inimigos macabros e dos cenários mais escuros. Os bosses e toda ambientação foram pensados nessa pegada mais puxada para o terror e eu também senti que a dificuldade aumentou. Agora no final dos mapas temos bosses mais elaborados e que precisam do trabalho em equipe para serem vencidos.

Dessa vez o game se passa num apocalipse zumbi em meio a segunda guerra e é apresentado com uma temática totalmente diferente da campanha, com direito a sustos e ataques vindos de todos os lados.

Os personagens desse ano novamente são figuras famosas de seriados como a Lagertha da série Vikings e Ving Rhames, que auxilia Ethan nos filmes Missão Impossível.

Se você gosta de modos cooperativos para sofrer com seus amigos não deixe de experimentar esse modo que permite até 4 jogadores simultâneos e vai exigir bastante trabalho de equipe.

By the end…

Call of Duty: World War II é o pacote completo do final do ano. Tem uma campanha intensa que nós leva a reviver a segunda grande numa outra perspectiva. O modo Nazi Zombies é tenso e assombroso e vai exigir o melhor da sua equipe. E o modo mais importante, o multiplayer foi completamente recauchutado oferecendo novos modos de jogo e retornando a jogabilidade clássica e mais tática dos primeiros Modern Warfare.

Prós

  • A campanha é emocionante e intensa
  • Trabalho audiovisual é espetacular no PC e nos consoles
  • Nazi Zombies é o melhor e mais tenso da série
  • Jogabilidade gostosa e precisa como sempre
  • Conteúdo de jogo para todos os gostos

Contras

  • A campanha é curta
  • Versão de PC não está 100% e sofre com alguns bugs de performance

Danilo Morim

É Rhazo como um Pires ou A Voz da Rhazão? Trabalha como gamer e dorme com o controle na mão.