Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR.com | 20 de agosto de 2018

Ir para o topo

Topo

Sem Comentários

Wolfenstein II (Switch) – Análise

Wolfenstein II (Switch) – Análise
Danilo Morim

Review

Matar nazistas cagando

Continua um dos melhores FPS da geração e mesmo sendo uma versão capada tecnicamente no Switch é 100% aproveitável e não perde o posto. Se você não tem outra plataforma, faça um favor a si mesmo e compre essa maravilha.

Wolfenstein II: The New Colossus é um FPS e continuação direta de The New Order lançado em 2014. O game foi desenvolvido pela MachineGames e portado para Switch pela Panic Button, a mesma que trabalhou em DOOM e agora está trabalhando em Warframe.

Ano passado eu fiz um review completo de WFSII, recomendo a leitura se você quer saber mais sobre a experiência de jogo. Nessa análise vou focar nos aspectos técnicos e vantagens e desvantagens da versão de Switch.

CARNIFICINA EM 6 POLEGADAS

Esse é possivelmente o game mais bonito do portátil da Nintendo, com efeitos visuais bem complexos, modelagem e texturas de primeira linha e que vieram diretamente das versões mais poderosas do game. Infelizmente o custo de manter os mesmos assets base do jogo original foi alto e a versão de Switch não raramente fica míope (queda de resolução e tela embaçada) para manter todos efeitos e as texturas próximas do Xbox One e PS4.

A boa notícia é que esse port roda melhor do que DOOM. Foram poucas vezes que senti uma queda na taxa de quadros e raramente elas atrapalharam a experiência de jogo. O jogo passa 90% ou até mais dentro dos 30 FPS que foi o objetivo da desenvolvedora.

Como falei antes a qualidade dos efeitos, modelagem e a iluminação sobre os diversos materiais são muitas boas, mas houveram muitos sacrifícios perante as versões de console e PC. Felizmente as animações são as mesmas e são muito boas, principalmente as de finalização que são violentamente satisfatórias.

A dublagem, as cutscenes, os efeitos sonoros e as músicas parecem ter sofrido algum tipo de compressão, mas nada que prejudique a qualidade do game. Outra coisa que senti mudança foi no posicionamento de inimigos e talvez até a quantidade deles em algumas áreas que tinham picos de dificuldade no jogo. Não sei se foi pensando no jogador de portátil ou por conta de limitação do hardware, mas de toda forma eu achei que esses momento ficaram melhores que quando joguei no PC.

O principal ponto, que é a ambientação, ficou intacto e continua espetacular. Você anda por locais que vão desde cidades destroçadas até bases militares voadoras. Esse game te faz se sentir caçado pelos nazistas e constantemente maltrata Blazko durante o decorrer do jogo, o que alimenta a sede de vingança do jogador.

Os cenários estão bastante diversificados e condizentes com a ambientação. O visual dos inimigos e das armas também continuam muito bons. A única crítica que eu fiz e que ainda tenho a fazer é que o game ficou devendo um pouco em novidades na jogabilidade e em oferecer maior variedade de armas.

Tudo isso dito, a versão de Switch não é a que recomendo você comprar se tiver qualquer outra plataforma, mas ainda assim é uma versão bem competente e mais do que satisfatória para a experiência de Wolfenstein II.

HEIL MOTHERFUCKERS

Wolfenstein II é um dos melhores FPS da geração e no Switch não perde o posto. Mesmo sendo uma versão capada tecnicamente é 100% aproveitável no console. Se você não tem outra plataforma, faça um favor a si mesmo e compre essa maravilha.

Se você procura um jogo de tiro brutal, com o melhor que o gênero tem a oferecer, jogue Wolfenstein II: The New Colossus com vontade.

Desta vez joguei aproximadamente 10 horas no normal, mas já havia terminado o game ano passado e deixei bastante conteúdo para trás. A campanha em dificuldades mais altas (recomendado) e explorando os mapas dura até 20 horas tranquilamente.

VIDA LONGA AO TERROR BILLY

  • A história é espetacular com um dos melhores finais que vi num videogame
  • Jogabilidade bastante variada e com várias opções de abordagem
  • A violência é muito satisfatória
  • Ambientes lindos e variados aliados a um excelente level design
  • Matar nazistas cagando é uma vantagem exclusiva do Switch

PAU NO CU DO HITLER

  • 30 FPS com algumas pequenas quedas
  • Resolução dinâmica as vezes é de sangrar os olhos e embaça muito a imagem
  • Jogar no portátil piora o nível da resolução
Danilo Morim

Danilo Morim

É Rhazo como um Pires ou A Voz da Rhazão? Trabalha como gamer e dorme com o controle na mão.