Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR.com | 9 de dezembro de 2018

Ir para o topo

Topo

Sem Comentários

Sword Legacy Omen – Análise

Sword Legacy Omen – Análise
Pedro Kakaz

Review

Nota
7
7

RPG tático do Rei Arthur

Combate interessante e enredo baseado na lenda do Rei Arthur, Sword Legacy Omen é um pouco mal executado mas proveitoso.

Sword Legacy Omen é um RPG tático com visão isométrica, desenvolvido pelos brasileiros do Firecast Studio e distribuído pela Team17 Digital Ltd. O game está disponível na Steam.

Muitos jogos de RPG cobrem a lenda do Rei Arthur, a Inglaterra unificada, a espada, a távola e os cavaleiros. Mas como seria um game que se passasse antes da chegada da lenda? Como seria lidar com esses conflitos dos vários reinos vizinhos, guerras, traições? É nesse enredo que Sword Legacy Omen aposta. “Antes da Era de Ouro de Arthur, nossa nação estava despedaçada, decadente, os reinos sofriam com as mazelas do egoísmo irrefreável. Éramos uma Britânia sem esperanças.”

O enredo do game é um ponto extremamente positivo, é muito interessante acompanhar Uther, o cavaleiro renegado que junto de um grupo totalmente bizarro e inusitado tenta recuperar sua amada que foi sequestrada, vingar seu senhor que foi assassinado, fazer alianças e enfrentar o louco duque de Wessex. O desenrolar da história se da entre diálogos e cutscenes que não entediam. As personalidades distintas de cada personagem e a interação entre eles é muito interessante, em muitos momentos me senti lendo um livro da qual eu ainda conseguia entrar em combate entre diálogos. É uma releitura interessante do universo de Arthur, de uma forma mais sombria aos moldes de Game of Thrones.

O ponto negativo aqui que infelizmente vai afastar muitos jogadores são os gráficos. O game não é horrível, mas tem uma modelagem caricata, com poucos detalhes, texturas chapadas, iluminação fraca. Isso mesclado a um ponto que vou especificar adiante faz com que a experiência seja sub aproveitada, a trilha sonora também não empolga muito, mas não chega a incomodar.

Um ponto que pode causar divergências, o ponto que mesclado aos gráficos pode prejudicar a experiência para alguns jogadores é a mecânica do game, o gameplay. O game tem a câmera em visão isométrica, mas uma movimentação de “tabuleiro”, você não movimenta o personagem por setas mas pelo mouse com cliques, não o clique de Diablo III que é super intuitivo e fluído, mas cliques cadenciados, lentos. A interação com objetos se da devido a ícones, o que fez eu me sentir num point-and-click da década retrasada. Resumindo, o gameplay não é ruim, mas é extremamente de nicho e um pouco ultrapassado.

Um ponto interessante é o combate, a mecânica de turnos e habilidades, com pontos de ação é algo que me deixou animado enquanto jogava. Combe isso com uma dificuldade punitiva, temos algo que me interessa. Caso o personagem morra em combate ele ficará de fora até o próximo capítulo, o que vai dificultar muito sua vida. Por alguns momentos minha ladra morria e eu perdia o lockpick dela, não conseguindo coletar certos itens.

O jogo está localizado em português, o que é MUITO positivo tendo em vista que o enredo é interessante.

Sword Legacy Omen é interessante, um pouco mal executado, mas proveitoso.

Prós

  • Enredo cativante
  • Combate interessante e desafiador
  • Game localizado em português

Contras

  • Gráficos desinteressantes
  • Jogabilidade travada e nada dinâmica
Pedro Kakaz

Pedro Kakaz

Pedro Kakaz é apaixonado por Dark Souls, eterno hero of time, jogador de Dota que ama o trabalho que faz.