Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR.com | 10 de dezembro de 2018

Ir para o topo

Topo

Sem Comentários

Life is Strange 2 Episódio 1 – Análise

Life is Strange 2 Episódio 1 – Análise
Bernardo Dabul

Review

Um começo interessante

O primeiro episódio consegue fazer você se importar com os irmãos Diaz, enquanto faz comentários sobre a situação política atual. Os gráficos deixam a desejar, mas ainda é uma aventura que qualquer um com interesse deve embarcar!

Life is Strange foi uma das melhores surpresas de 2015. A história de Max e Chloe é igualmente tocante e intrigante. Agora, três anos depois, a desenvolvedora Dontnod está iniciando uma nova jornada com Life is Strange 2, curiosamente seguindo um novo caminho, com novos personagens e deixando o que aconteceu em Arcadia Bay para trás (pelo menos por enquanto).

Life is Strange 2 começa nos introduzindo a Sean Diaz, um adolescente com poucas preocupações além de ir bem na escola e saber o que falar com a crush. Porém, tudo isso rapidamente muda quando seu irmão mais novo, Daniel, apresenta ter poderes. Essa descoberta acontece de forma extremamente violenta, forçando os dois irmãos a fugir de casa e se virar para sobreviver na estrada.

Como esse é apenas o primeiro episódio (de um total de 5), a história ainda está longe de ter uma conclusão. Mesmo assim, os irmãos Diaz são muito bem desenvolvidos e sua relação é explorada e aprofundada, especialmente quando a situação começa a piorar e eles só podem depender em si mesmos.

O episódio também faz muitos comentários sobre a situação atual dos Estados Unidos, desde brutalidade policial a racismo e xenofobia. Pelo fato dos irmãos Diaz serem de ascendência mexicana, ‘Life is Strange 2’ coloca o jogador na posição dos oprimidos. É possível sentir o desespero da situação, vendo que o sistema não será a favor deles, mesmo que não tenham culpa. Nada disso é necessariamente inovador, mas interagir com o que está acontecendo faz o impacto ser maior.

O primeiro episódio contém muitas escolhas a serem feitas, mas certamente as maiores consequências ficarão para o futuro. Porém, algo tangível é a forma com que Daniel age. Como o jogador toma o controle do irmão mais velho, todas as suas ações têm algum efeito em Daniel e ele se baseia em você na hora de fazer certas decisões. A situação lembra um pouco a dinâmica entre o Lee e a Clementine em The Walking Dead, mas o fato de ambos serem jovens muda a dinâmica o suficiente para ser interessante.

Infelizmente, a parte gráfica do jogo deixa um pouco a desejar. Embora a história seja impactante e as atuações boas (mas nenhuma excelente até agora), ‘Life is Strange 2 tem um SÉRIO problema com animação labial. Tanto a sincronia quanto a expressão de certas palavras simplesmente não funcionam. Em um jogo de ação isso não teria problema, mas em uma experiência narrativa, é grave. Também tive problemas com a legenda que às vezes simplesmente não aparecia.

Life is Strange 2 toma uma direção interessante que tem muito potencial. O primeiro episódio consegue fazer você se importar com os irmãos Diaz e sua fuga, enquanto faz comentários pertinentes sobre a situação política atual. Os gráficos deixam a desejar, mas ainda é uma aventura que qualquer um com interesse deve embarcar!

Prós

  • Irmãos Diaz bem desenvolvidos
  • Comentário sobre a atualidade
  • Suas decisões afetam como Daniel age

Contras

  • Gráficos simples
  • Animação labial
Bernardo Dabul

Bernardo Dabul

Conhecido online como Night Warrior B, eu adoro jogar, seja shooter, corrida ou luta. Tenho uma paixão por qualquer coisa relacionada a Halo, Dota 2 e Killer Instinct. Posso também ser encontrado no 10de10.com.br