Jump to content

Leaderboard


Popular Content

Showing content with the highest reputation since 01/18/2019 in all areas

  1. 5 points
    Zerei a campanha do Leon e agora to zerando a da Claire e apesar de não poder falar muito por causa do embargo, afirmo que são grandes as chances de GOTY. Tudo muito bem feito. Versão final me surpreendeu muito positivamente. Review sai em breve assim que cair o embargo.
  2. 4 points
    Jogo bom é aquele com muito mais profundidade que uma análise superficial indicaria. Não tem jeito mais natural de perceber a riqueza mecânica e de ideias presentes no título que aumentar o desafio. Não só porque força a pensar, mas também porque hoje exigir um pouquinho de proficiência no standard é suficiente pra ofender muito do público. Mas eu não me forço a jogar o tudo que a mídia promove, então não me enquadro nessa ansiedade até comum com backlog.
  3. 4 points
    Eu zerei com Leon também e com certeza é um dos melhores jogos dessa geração. O jogo esbanja qualidade em todos os sentidos.
  4. 3 points
    É por isso que eu cansei e desisti de jogos de luta. Quando achava que sabia jogar Street Fighter ou Tekken, fui jogar online e tomei um pau tão cabuloso que desisti de jogar online. E esses jogos exigem muita dedicação pra conseguir ao menos jogar alguma coisa.
  5. 3 points
    Li, reli, li de novo e prometi a mim mesmo que não iria comentar, mas não dá... Cara, homossexualidade é tão antiga quanto a humanidade e as pessoas já deveriam ter superado isso. Demoraram muito pra incluir isso na cultura gamer, pq a quantidade de jogadores, programadores e criadores de jogos é muito grande, diversidade tá em todo lugar. Não sou a favor de transformar um personagem que já foi criado hétero "virar" gay só pra agradar uma parcela de fãs, mas tbm não deixo de jogar um jogo pq tem personagens do tipo. Um dos maiores motivos pra inserção de mulheres protagonistas, gays, negros e minorias nos jogos é a discriminação (e dinheiro, claro). Benimaru é um dos maiores exemplos de figura masculina que fazem sucesso com a mulherada do Japão (a maioria são jovens). Andróginos fazem sucesso com elas e nem por isso são gays, e isso pq o cara dá em cima de todas as mulheres da série. Por isso acredito que encheram os games asiáticos de caras de rosto delicado. Cara, viado sempre foi utilizado como algo pejorativo. Não sou do tipo "lacrador" como a galera fala hj em dia, mas quando vc não pertence a um grupo de pessoas diferentes de vc (etnia, sexualidade, religão), muitas coisas podem soar de um jeito mais rude, saca? Um cara gay chama outro gay de viado como se fosse virgula, ou um negro chamar outro de "neguim" é normal. Soa estranho quando a pessoa é de fora, pega mal. Fiquem tranquilos que não quero causar atritos, nem mudar o pensamento das pessoas. Tentem levar a minha opinião numa boa, en ão sou o tipo de pessoa que costuma levantar bandeira pra nada, mas o respeito tá em falta em todos os grupos de pessoas.
  6. 3 points
    Jogo lindo Capcomzona linda, agora ta engraçado ver o choro no forum do steam heuehuehueheu GAME IS TOO HARD, ZOMBIESPONGUE, MR X IS KILLING MEEEEE, PLZ CAPCOM INCREASE WEAPONS DAMAGE IM TO WEAK hueheuehueu geração leite com pera Joguei 2 horinhas só e morri a primeira vez na primeira aparição do licker, não lembrava desses bichos serem tão chatos e dificeis de matar heuheue
  7. 3 points
    São os famosos beat'em ups modernos. Andar e bater em centenas de inimigos despretenciosamente. Na época do fliperama tinhamos Final Fight, Double Dragon, Combatribes. Hoje temos esses musous. Só acho que falta carisma pra esses china ai kkk
  8. 3 points
    Concordo plenamente com o Review. Um jogo quase sem defeitos e que preza pela excelência na experiência de jogo. Gráficos, jogabilidade e ambientação tudo no estado da arte, um jogo que merece e deve ser jogador por todos.
  9. 2 points
  10. 2 points
  11. 2 points
    Meu, Mr. X virou o antagonista mais chato do mundo pqp. O cara faz bem o papel de chatão do game. Nemesis perdeu o posto (maldito medonho) Cara é outro jogo, mas ainda sendo o mesmo numa experiência de nostalgia. Joga, só posso recomendar. É foda pra caralho
  12. 2 points
    Tô jogando primeiro com a Claire, cada vez que escuto os passos do Mr. X, minha pressão baixa.
  13. 2 points
    Quando eu digo q não me importo com viado não é no sentido q vc interpreta. Pq vc interpreta na maldade. Por babaquice. Não me importo no sentido literal. Não me interessa se alguém é viado. E se for, foda-se. Meu vizinho por exemplo é viado, sempre foi. Gente boa, sempre foi também. A questão é q vcs entraram numa onda de problematizar tudo. "Olha ele ali.. disse q não se importa com viado. Ou seja, ele tolera o viado, q é ser inferior. Justamente por isso ele chama de viado e não de hetero-normativo classe beta alfa ômega plus ++". Isso é burrice. Aliás é burrice também o cara não perceber o óbvio. Estão forçando mulher com cara de HOMEM na porra dos jogos. Não é só mulher feia. É MULHER MASCULINIZADA. Sem feminilidade. Porra.. preciso repetir mil vezes em caixa alta tamanha a burrice. Uma coisa é o cara querer colocar mulheres normais nos jogos, pq em ambiente medieval ninguém precisa ser bonito. Outra coisa é mulher macho. Cassandra.. mulher macho. A elfinha lá.. sapatão. A porra da Josephine parece um boliviano. A outra negona é o Robinho. A única mulher que é MULHER naquela porra daquele jogo é pq vem do Dragon Age 2 e só faz uma ponta. Então não é coincidência, tanto que Mass Effect Andromeda foi o mesmo lixo. É IDEOLOGIZAÇÃO SIM. Qualquer pessoa q nasceu há mais de 30 anos e não teve a cabeça fodida por essa onda lacradora sabe que viado não gosta de mulher. Não são todos, óbvio. Mas foi da cabeça doente dos estilistas que saiu todo o molde do mundo da moda, q é a coisa mais porca q vc pode pensar em termos de estética ou beleza humana. Os caras simplesmente enfiaram na cabeça das mulheres q é bonito ser um ser andrógino. Pq é isso q agrada a visão deles. Agora nos videogames eles querem que vc aceite de boas o CASSANDRÃO.kkkkkk. Não sou imbecil. Se cola com vcs, legal pra vcs. Eu vou boicotar esse caralho de empresa pq o desgraçado do designer da Bioware já avisou no Twitter que o 4 será lacração em alto nível. DLC pra vcs:
  14. 2 points
    Porque um monte de polígonos precisa se relacionar sexualmente? Eu faço no videogame coisas que eu não posso fazer na vida real. Sexo eu faço na vida real e punheta é no xvideos, não no videogame.
  15. 2 points
    Acho que o problema não é representatividade, o problema que estamos reclamando são basicamente forçar a barra para incluir personagens diversificados em detrimento da qualidade na narrativa, e mesmo quando isso é feito da maneira correta, inclusive chamando essas pessoas para contarem suas histórias, o povo que supostamente deveria se sentir incluído por isso ainda reclama. Basicamente a empresa perde tempo correndo atrás do próprio rabo, tentando agradar a todos e agradando ninguém no final das contas. Mantenho minha opinião de que videogame é videogame, sexo é sexo. Não tem que perder nota porque o elemento de sexo não agradou a categoria XPTO.
  16. 2 points
    Que coisa grotesca ler esses comentários, não sei o que é pior o cara falar que é culpa da comunidade LGBT não ter uma personagem " bonita " em Dragon Age, ou falar que eu odeio alguém por conta da minha opção sexual. Fico feliz por estar distante do fórum.
  17. 2 points
    Eu parei com esssa porra de jogar no hard pq eu gastava muito tempo no mesmo jogo e a fila fica enorme. Agora to indo tudo no normal daí se eu amar o jogo daí sim talvez jogue num level maior. jogos mais idiotas como TPS ganham muito com níveis mais aguçados de dificuldade pq vc precisa ser mais estratégico. Mas por outro lado eles parecem ser melhores do que realmente são em termos de inventividade de mecânica. O negócio é a empresa ter o bom senso de ela própria balancear bem o jogo.
  18. 2 points
    Far Cry 5 eu gostei, agora esse apocalipse milenial me deu desinteria. Puta joguinho desnecessário.
  19. 2 points
    Halo 5 missão 5.... Jesus... Sono mór! Jogabilidade está lá, mas não consigo mais distinguir um Halo do outro... O 5 parece expansão do 4.... Fala sério! Aproveitei e coloquei pra vender GT Sport e Monster Hunter World GT é impossível de se jogar depois que se encostou a mão em Forza 7. Monster Hunter World é o jogo mais enfadonho que experimentei nessa geração.... Some-se aos gráficos de PS2 em início de geração e a vontade de vomitar é maior do que a vontade de jogar.
  20. 2 points
    Pior que não. Tem as 3 estátuas com medalhões para a passagem secreta da delegacia e só, algo bem plausível, um prédio antigo ter uma passagem secreta. Por isso eu disse que o enredo foi atualizado e algumas situações mudaram para melhorar o desenvolvimento da trama. O jogo todo amadureceu bastante. É outra pegada, muito mais realista. Você quer falar groselha sem nem ter visto o jogo.
  21. 2 points
    Resident Evil 2 é um remake do survival horror original do primeiro PlayStation de 1998. A sequência de sucesso expandiu os horizontes para além da mansão do primeiro jogo, apresentando novas localidades na infestada Raccoon City, introduzindo dois novos protagonistas e personagens importantes no universo da série. O remake de Resident Evil 2 foi por muito tempo um dos jogos mais aguardados pelos fãs, chegando a ser cotado pela Capcom para desenvolvimento por Shinji Mikaki, aos moldes do remake do primeiro Resident Evil para o GameCube de 2002. Mikami no entanto, trabalhava em Resident Evil 4 na época e por isso não teria condições de assumir o projeto que acabou engavetado pela empresa, sem nunca ver a luz do dia. Até que em Agosto de 2015, a Capcom enviou um pedido de cancelamento de um projeto feito por fãs, para um remake de Resident Evil 2 na Unreal Engine 4. O motivo? A empresa finalmente estava trabalhando no remake oficial de Resident Evil 2. Quase 3 anos se passaram sem maiores informações desde o anúncio, mas o game finalmente seria revelado na E3 2018, com o trailer abaixo. Ao contrário do original, a jogabilidade com controles de tanque e ângulos de câmera fixos seriam aposentados em troca da jogabilidade moderna da série com uma visão de jogo de tiro em terceira pessoa semelhante a Resident Evil 4. Os eventos do jogo se passam 2 meses após os acontecimentos do primeiro Resident Evil. A maioria dos moradores deRaccoon City foi infectada e transformada em zumbis pelo T-Virus, uma arma biológica secretamente desenvolvida pela empresa farmacêutica Corporação Umbrella. Leon S. Kennedy, um policial em seu primeiro dia de trabalho, e Claire Redfield, uma estudante universitária procurando por seu irmão Chris, se dirigem ao Departamento de Polícia de Raccoon sem saber que um “apocalipse zumbi” tomou a cidade. Mesmo com a história conhecida de longa data, a equipe de produção caprichou no desenvolvimento da trama, criando novas situações para encaixar melhor no enredo e manter o clima com tensão na medida certa. Resident Evil 2 não é um game tranquilo e a medida em que fui progredindo, me senti cada vez menos seguro na delegacia de Raccoon City. Dificilmente me assusto com jogos. Mesmo alguns dos melhores games de terror modernos falham em manter a imersão do medo quando você precisa repetir uma sequência pela quarta ou quinta vez consecutiva. Muito do medo parte do receio que temos ao encarar o desconhecido e se perde quando você já sabe o que esperar da situação depois de repetir inúmeras tentativas. Jogos mais scriptados como Outlast, sofrem desse mal. Havia um receio de queResident Evil 2 pudesse se perder nesse sentido, visto que a historia inteira do jogo já era conhecida pelos fãs e o remake mantém os principais pontos da trama intactos. Mas a nova produção da Capcom me fez gritar. Não me recordo de tomar tantos sustos com um game desde Alien Isolation com a diferença de que aqui, fui jogar confiante de que já sabia o que esperar e que nada seria tão assustador assim, afinal eu já havia terminado o original inúmeras vezes. Felizmente eu não poderia estar mais errado e a atmosfera é tão pesada que eu temi pela vida de Leon como se fosse a minha. O produtor Yoshiaki Hirabayashi disse que a equipe estava se esforçando para capturar o espírito do jogo original ao mesmo tempo em que tentou tornar o remake mais realista. Esse foco no desenvolvimento foi possível graças a utilização da RE Engine, mesmo motor gráfico de Resident Evil 7. Com modelos poligonais foto realistas, os zumbis tornaram-se realmente assustadores. É possível ver a pupila esbranquiçada nos olhos vazios do morto-vivo e suas bocas se contorcendo de sofrimento e ódio, babando ao partir para cima de você. Esse não é mais um game onde você os mata zumbis aos montes, a ameaça aqui é real. Remetendo ao original, a munição continua escassa e os inimigos agora são muito mais resistentes fazendo você realmente pensar se vale a pena gastar balas para se livrar dos mortos-vivos ou tentar desviar e seguir seu caminho. Com o novo sistema de câmera, as criaturas espreitam, aproveitando a iluminação fraca, fumaça e os cantos escuros das salas. O novo sistema de câmeras também afetou o design do som e esse passou a ser um dos principais diferenciais para criar a tensão no ambiente. Toda a parte de áudio do jogo foi recriada, dos efeitos a trilha sonora, que embala o clima e te indica de forma não muito sutil quando o perigo se aproxima. Jogar de headset ou um sistema de Home Theater 5.1 fará toda a diferença na imersão de Resident Evil 2. A ideia de colocar o horror sobre a ação resgata as raízes da série, criando uma sensação claustrofóbica na ambientação. A tensão da abertura das portas que camuflava o tempo de carregamento entre as salas foi substituída e agora você entra direto nos ambientes hostis sem cortes, empunhando a lanterna para iluminar os corredores e salas escuras do distrito policial. A primeira parte do jogo deixa você se acostumar aos controles enquanto dosa a ameaça, mas conforme você vai avançando a situação se deteriora ao ponto de que nenhum local da delegacia vai ser exatamente seguro. Novos elementos de jogabilidade foram adicionados, como a necessidade de bloquear as janelas do térreo da delegacia com ripas de madeira para evitar que mais zumbis entrem no distrito policial, dificultando sua jornada. Ao mesmo tempo, o desafio foi balanceado e a necessidade de fitas de tinta para salvar seu progresso nas máquinas de escrever só é exigida na dificuldade mais alta enquanto o modo Normal conta com salvamento automático e a vontade, sem restrições. Resident Evil 2 não é exatamente um jogo difícil, mas sim desafiador, reforçando a necessidade de economizar recursos do jogo original, enquanto te coloca em situações novas de muita tensão. Levei aproximadamente 8 horas para finalizar a campanha de Leon e menos tempo na segunda jornada com Claire, explorando aproximadamente 70% do game nas duas jogadas. Acredito que para finalizar 100% e abrir todos os segredos ainda vão mais umas 8 horas pelo menos. O game chega ao PlayStation 4, Xbox One e Windows PC na Steam em 25 de janeiro de 2019 e suporta melhorias no PlayStation 4 Pro e no Xbox One X, oferecendo suporte a resolução 4K ou opção de gameplay a 60 quadros por segundo, mas seja qual for a plataforma escolhida, você estará diante de um dos jogos mais bonitos da geração. Os efeitos de iluminação, partículas, modelos de personagens e monstros tornam a ambientação do game extremamente realista e estão entre os melhores já produzidos pela Capcom. A versão dessa análise foi a do PC, rodando num Intel Core i7 6700k, com 16 giga DDR4 HyperX Savage 3000mhz e NVIDIA Geforce GTX 1080, com todos os efeitos no Ultra e Vsync, mantendo 60 quadros por segundo cravados durante o gameplay. Também testamos a performance num notebook gamer Avell G1511 FOX com Intel Core i7 8750H de oitava geração, 16 giga DDR4 e uma Geforce GTX 1050Ti. No notebook, o game rodou no High mantendo a taxa de quadros por volta de 45 a 50 com todos os efeitos ligados. Foram longos anos de espera, mas finalmente o remake está entre nós. Resident Evil 2 atualiza com maestria um dos melhores jogos da Capcom para a nova geração, entregando um enredo de primeira, jogabilidade refinada, gráficos foto-realistas e muita tensão, resgatando a experiência perfeita de survival-horror que consagrou a série. Estamos diante de um forte candidato a jogo do ano e fica a torcida para que a Capcom mantenha o embalo e engate logo a produção de Resident Evil 3: Nemesis nos mesmos moldes. Obrigatório! Pontos Positivos Enredo atualizado entrega uma história cativante O auge do terror na série. É o Resident Evil mais assustador já feito! Um dos jogos mais bonitos da geração Pontos Negativos Pouca variedade de inimigos Infelizmente o jogo acaba só resta aguardar o anúncio do remake de Resident Evil 3 Post original em Resident Evil 2 Remake – Análise Leia essa análise no site, participe e comente!!
  22. 2 points
    Nem se me pagar em para jogar isso, eu aceitaria.
  23. 2 points
  24. 2 points
    Terminei Axiom Verge, outro metroidvania indie de excelente qualidade, uma infinidade de itens, diversos inimigos e chefes maneiros, esse vale muito a pena para quem curte o estilo.
  25. 2 points
    Tava lendo e vendo mais aqui, outras empresas que fazem evento de divulgação deviam aprender com a WB/NR: Além deles terem vários setups para testar o jogo, eles deixaram tudo arrumadinho pra quem quisesse gravar O QUE QUISESSE e ainda davam USB Drive pra ajudar a galera a armazenar. Pelo menos nisso acertaram em cheio.
×