Notícias

PlayStation 4: O videogame mais caro do mundo

Recentemente fiz um artigo que apontava como o Brasil é infeliz em bater recordes dos quais ninguém se orgulha, no caso, falando do nosso Xbox One ser o videogame mais caro do planeta ao custo de R$2.199,00.

Seguindo a máxima de que “recordes existem para serem quebrados”, não demorou muito pra que isso acontecesse e a Sony anunciasse o PlayStation 4 ao preço surreal de exorbitantes R$3.999,00.

Sim, o videogame da Sony, que nos Estados Unidos custa 100 dólares mais barato que o Xbox One, chega ao Brasil bem próximo de custar o dobro do concorrente. A justificativa pronta da Sony é a mesma de diversas outras empresas que “sofrem” do mesmo mal: 60% a 70% do custo são de impostos. Fazendo um cálculo em “papel de pão”, isso significa que o custo do PlayStation 4 é de R$2.400,00 a R$2.800,00, ou 60% a 70% do preço final, respectivamente. É um valor abusivo e muito alto pra ser cobrado somente em impostos realmente. Mas os impostos estão lá, e tirando as manifestações e as frases de efeito do “gigante acordou”, não há nada que possamos fazer de imediato pra mudar essa realidade.

Playstation 4.01_200813No entanto, não vamos esquecer que ainda restam 30% a 40% para terminar de compor esse preço. E isso significa que pagando todos os impostos, a Sony está tendo um faturamento limpo de R$1200 a R$1600 por unidade vendida, o que para um videogame que custa 400 dólares nos EUA pode em algum momento chegar a quase o dobro do que a Sony fatura com a venda do console americano (considerando que a Sony Brasil compre o PlayStation 4 no preço de 400 dólares, o que sabemos que não é o caso, afinal nenhuma empresa fornece a si mesma ao preço de varejo). Não sabemos o custo do PlayStation 4 para a Sony, mas imaginamos que tendo algo próximo a duas vezes o valor do produto lá de fora a cada unidade vendida no Brasil, esse lucro exista e não seja baixo.

Isso se torna ainda mais evidente quando fazemos a comparação direta ao preço do videogame concorrente, o Xbox One, que custa 2.199,00 oficialmente no Brasil. Se a Microsoft pagar os mesmos 60% a 70% de impostos (e não há motivos pra se pensar o contrário), isso significa que o Xbox One tem um custo de impostos pra empresa de R$1320,00 a R$1540,00, sobrando algo entre R$660 a R$880 de faturamento limpo por unidade vendida do aparelho. Como o console custa 500 dólares lá fora, nenhum desses valores cobre o custo efetivo do aparelho pra empresa, ou seja, podemos assumir que a Microsoft está subsidiando o videogame para o mercado nacional.

O que nos leva a conclusão de que o preço do PlayStation 4 no Brasil é um mix de duas práticas infelizes e comuns aos brasileiros: impostos abusivos + o chamado Lucro Brasil, onde a empresa aproveita a inevitável alta do preço do seu produto por conta dos impostos como uma oportunidade de embutir um lucro maior que o dos outros mercados. Com isso temos uma provável justificativa do porque a Sony deu preferência em lançar o PlayStation 4 ainda em 2013 no Brasil, sobre outros mercados mais tradicionais da empresa, como o Japão, onde o console só aparecerá em 2014.

No Brasil o PlayStation 4 dá mais dinheiro que no resto do mundo e cada PlayStation 4 vendido ao nosso preço absurdo de 4 mil reais, estará ajudando a pagar o custo das unidades vendidas a preços menores nos outros países.

Em outras palavras, o que já seria caro pelos impostos, fica ainda mais caro por conta do senso de oportunismo que o Brasil passa para o mundo. E quem paga a conta são os fãs dos games e da Sony no Brasil.

Átila Graef

Comentários(8)

  1. Sepu

    Tirado da entrevista dele, o representando da marca Playstation para a América Latina, Mark Stanley: “… Bem, para começar o preço do PS4 é de US$ 399 (R$ 858).”

    Como você disse no artigo, parece que o pessoal da Sony vai na Bestbuy comprar os consoles que eles vendem aqui, porque eles pagam preço de varejo, com preço de distribuidor transporte e varejista, tudo embutido já… É muita cara de pau.

    Como todos se uniram para boicotar o XboxOne pelas políticas ridículas de uso (que foram revertidas, ponto pra Microsoft), todos também deveriam boicotar a marca Playstation no Brasil por essa falta de respeito com os consumidores.

    Por enquanto ainda vou ficar no WiiU+PC, mas se for comprar um dos dois um dia, eu te falo com 100% de certeza de que será o XboxOne. Eu sequer cogitava isso há uns 6 meses…

  2. Avatar

    Espetáculo do arrombamento.

  3. Avatar

    Engraçado que ficou até pior com a explicação, sendo que não existe cálculo econômico e tributário que sustente esse preço.

    Tem pessoal que não joga videogame dizendo que não entende porque tanta repercussão de um caso como esses e acha bonito pagar um valor ridículo de caro em um carro simples. Espero que esse seja sim o começo de uma nova discussão da mais que necessário reforma tributária nesse país imundo.

  4. Avatar

    Só um detalhe. O One não é nem de perto o console mais caro do planeta. Poderia ser até o momento, se não formos considerar outros valores pelos quais os consoles surgiram. No Brasil mesmo, o PS3 saiu a mais de 22000. Depois que foi reduzindo.

  5. Max

    O mesmo acontece com os carros, os chamados Lucro Brasil como bem você disse, existem a muitos anos, outro dia vi uma matéria que se fosse transformado em moeda de hoje o Monza em 1986 custaria hoje R$ 120.000,00. Então este lucro Brasil acontece a muito tempo, no ano de 2012 o mercado automotivo brasileiro mandou para suas sedes na Europa mais de 500 milhões de lucro só do Brasil, então amigos tudo que é caro hoje no nosso pais não é só de hoje é de sempre!!

  6. Avatar

    Não dá pra negar que o governo tem muita culpa nisso tudo.
    Mas existe uma cultura no Brasil de que pagar caro por algo que não vale tudo aquilo é sinônimo de status.
    Ouvi no Games on the Rocks, se não me engano, que rico de país pobre é diferente de rico de país rico. E isso faz muito sentido aqui no Brasil. Mesmo por este preço, vai ter muita gente comprando o PS4 no lançamento e, enquanto esta cultura prevalecer, as empresas vão continuar praticando estes abusos e colocar a “desculpa” nos impostos.

Comentários