Artigos

Respawn: A história dos criadores de Titanfall

Se você curte jogos de tiro em primeira pessoa (FPS), ficção científica, parkour, e tem ou pretende comprar um Xbox One, Xbox 360 ou PC, provavelmente já ouviu falar de Titanfall e deve estar aguardando ansiosamente por seu lançamento no Brasil, em 13 de março (com apenas dois dias de atraso em relação aos EUA). O que você talvez não conheça é a história dos responsáveis por esse que é um dos games mais aguardados do ano. E se estava curioso, não se aflija, pois os próximos parágrafos contêm tudo o que você precisa saber sobre a Respawn Entertainment e seus fundadores, Jason West e Vince Zampella.

O Início

O subgênero “shooter cinematográfico”, consagrado por Call of Duty, surgiu com a aclamada série Medal of Honor, cujo primeiro título, homônimo, foi lançado para PlayStation, em 1999, baseado em uma ideia de Steven Spielberg (diretor de O Resgate do Soldado Ryan) e apresentando uma trilha sonora composta por Michael Giacchino (de filmes como Missão: Impossível III, Os Incríveis e Star Trek, e programas de TV como Lost e Fringe), além de contar com consultores militares e especialistas em conflitos históricos – prática comum no processo de criação de qualquer jogo “triplo A” hoje em dia, contudo, sem precedentes, à época.

medal_of_honor_allied_assault

Em 2000, a Electronic Arts adquiriu os direitos da franquia e a própria companhia que a instituiu. Após uma bem-sucedida continuação (Medal of Honor: Underground), disponibilizada também naquele ano, e durante os preparativos para uma nova versão para consoles (Medal of Honor: Frontline), a EA, não contente com sua equipe de desenvolvimento interna para PC, decidiu contratar uma empresa especializada (embora relativamente desconhecida) para ser a encarregada pelo terceiro game da série: a 2015, Inc., que tinha nomes como Grant Collier, Jason West e Vince Zampella no seu quadro de empregados. Dois anos depois, chegava ao mercado Medal of Honor: Allied Assault, exclusivamente para PCs, considerado um dos melhores e mais influentes FPS da geração, redefinindo o gênero e introduzindo um robusto e pioneiro modo online.

A GRAMA DO VIZINHO É SEMPRE MAIS VERDE

call-of-duty-2-1024x768-1169

Apesar de seu primeiro grande trabalho ter sido muito bem recebido (vencedor de inúmeros prêmios de “melhor do ano”, em 2002), a maioria dos funcionários estava insatisfeita com seus empregadores na 2015, onde faltava controle criativo, e resolveu deixá-los. No mesmo ano, Collier e Zampella formaram a Infinity Ward, com a ajuda da Activision (que detinha 30% da companhia).

Esse estúdio, constituído por 22 membros do time de Allied Assault (inclusive West, um dos principais designers, ao lado de Zampella), concebeu Call of Duty, em 2003, sucesso de público e crítica que deu origem à franquia vencedora. No dia seguinte ao lançamento, a Activision comprou o restante da Infinity Ward, que ainda viria a produzir Call of Duty 2, Call of Duty 4: Modern Warfare e Call of Duty: Modern Warfare 2, sob a batuta de West e Zampella. Outros estúdios, como Treyarch, Gray Matter, Spark Unlimited e Sledgehammer Games, trabalharam nas sequências e títulos derivados entre os ciclos de desenvolvimento da série principal.

O BOM FILHO A CASA TORNA

cod4 modern warfare

Eis que vem o choque. West e Zampella são despedidos em 2010 e logo em seguida processam a Activision sobre os royalties e bônus devidos, mas não pagos, das vendas de Modern Warfare 2. Além disso, acusam esta de fazê-los de “reféns”, segurando os pagamentos até que terminassem Modern Warfare 3 e efetivamente forçando-os a realizar essa tarefa independentemente de sua vontade. A Activision, por sua vez, formula uma reconvenção (espécie de “contraprocesso”), diante da demanda original, alegando insubordinação por parte dos autores e que estes planejavam abandonar a empresa por sua principal rival (no caso, a EA), “roubando” ativos para ganhos pessoais.

 Acusações vão e vêm, a EA é incluída no litígio, e as partes acabam entrando em acordo somente em 2012 (os termos do qual são confidenciais, todavia, especula-se que favorecem West e Zampella). Em meio à crise, no começo de 2010, os dois ex-chefes da Infinity Ward revelam seu planos para a criação de um novo estúdio, em parceria com a EA: a Respawn Entertainment, transmitindo uma mensagem muito clara a todos que acompanhavam o imbróglio (“respawn”, em Inglês, significa “reaparecer”, e é uma palavra usada em FPS multijogadores quando um dos personagens morre e renasce em outro lugar do mapa).

Olho por Olho

Vale ressaltar que o sentimento de insatisfação com a ausência de controle sobre o que era criado, que levou ao estabelecimento da Infinity Ward, também causou as brigas internas entre seus antigos líderes e a nova matriz, que culminaram com a demissão daqueles e o eventual surgimento da Respawn. Antes de discutirem por questões financeiras, artistas e executivos já estavam em atrito devido a diferenças criativas.

Desde os tempos de Call of Duty 2, aqueles que encabeçavam a Infinity Ward planejavam algo que não tivesse a II Guerra Mundial como pano de fundo, no entanto, os diretores da Activision não concordaram, por considerarem o risco muito grande. Quando anunciaram Call of Duty 3, foi a vez do pessoal da Infinity Ward não ficar feliz, contestando a escolha do título, que dava a entender se tratar de uma continuação direta. West e Zampella não se importavam que outros estúdios usassem o nome Call of Duty para obras derivadas, entretanto, queriam que os principais jogos da franquia (numerados) fossem de seu desenvolvimento exclusivo, para assegurar a qualidade dos mesmos e permitir uma melhor associação pelo público. Só depois do lançamento de Modern Warfare 2, em 2009, é que conquistaram esse direito, assinando um acordo que garantia total autoridade criativa sobre qualquer game que se passasse em um período pós-Vietnã, o futuro próximo ou um futuro distante, além de qualquer título sob a marca Modern Warfare.

Titanfall

Obviamente, o acordo não foi respeitado, e a relação de negócios ruiu. Por esse motivo, um dos termos do contrato de parceria firmado entre a Respawn e a EA dá a West e Zampella controle total sobre as propriedades intelectuais que criarem (uma raridade no mundo altamente corporativista dos games). Eles finalmente serão os donos de suas próprias PIs, o oposto do que ocorria na 2015 e Activision. O resultado de tamanha liberdade criativa e financeira poderá ser conferido no mês que vem, quando Titanfall ”aterrissar” nas lojas do país feito um mech solicitado por pilotos da IMC ou milícia.

Henrique Bijos
Últimos posts por Henrique Bijos (exibir todos)

Comentários(1)

  1. […] não deixe de ler nossa matéria especial com a história da Respawn Entertainment, a desenvolvedora de […]

Comentários