Análises

Análise – Wolfenstein: The New Order

8
O retorno do FPS Old School
Wolfeinstein: The New Order traz um roteiro interessante, com uma ótima jogabilidade e aposta na nostalgia dos primeiros jogos de tiro em primeira pessoa. Recomendado para aqueles que buscam diversão direta e simples.

Wolfeinstein: The New Order traz a clássica franquia de tiro em primeira pessoa da Id de volta a ação. Em suma: você continua no papel de um soldado arrebentando com os nazistas que aparecem eu seu caminho. Mas pode ter certeza que isso continua muito divertido.

História

O jogo começa no ano de 1946 em um cenário em que os nazistas contam com avançada tecnologia militar e você está no papel do agente B.J. Blazkowicz em uma missão para atacar o laboratório onde são desenvolvidas as armas do exército nazi, sob o controle do General Deathshead.

Todavia, o plano não sai como planejado e o protagonista da história acaba com um estilhaço na cabeça e vivendo num estado de dormência por 14 anos. Resultado: em 1960 a guerra acabou. Porém os vitoriosos foram os alemães! Daí você pode imaginar o que lhe aguarda.

A história se desenvolve muito bem, com personagens consistentes, com os quais o jogador realmente possa desenvolver simpatia e interesse. Inclusive com um par romântico e cenas sórdidas de amor envolvendo o personagem principal. Pela violência trazida pelo jogo, a história e os personagens são bem caricatos para aliviar um pouco o clima.

wolfenstein new order (7)

O roteiro trazido pela Machine Games ainda conta com uma ótima repaginada de fatos ocorridos durante e no pós segunda grande guerra. Ao longo do jogo você encontrará diversos recortes de jornais contanto estes fatos, como por exemplo o lançamento da bomba nuclear que pôs fim a guerra (porém com uma variação ao melhor estilo Wolfenstein). Ou ainda com colecionáveis, como por exemplo, a canção ‘The House of the Rising Sun‘ do grupo The Animals cantada em alemão e com instrumentos utilizados na música alemã.

Gráficos

Inicialmente, convém destacar que o jogo foi lançado para os consoles da geração passada (PS3 e Xbox 360), para a nova geração (PS4 e Xbox One) e PC. Isso acaba trazendo dois pontos importantes: o primeiro é com relação ao excelente trabalho técnico proporcionado pela utilização da ‘id Tech 5‘, que acabou permitindo o lançamento do jogo em todas as plataformas, rodando numa excelente taxa de 60 quadros por segundo. O segundo, e talvez negativo, é que isso acabou por trazer mais um jogo de “entressafra”, ou seja, não espere encontrar no PC e nos consoles da nova geração gráficos extraordinários.

Ainda assim, a modelagem dos personagens é muito boa, com ótimos efeitos de iluminação e principalmente de texturas. Em especial nos closes durante a ação, como logo no começo do game onde um cachorro robotizado de alguns metros tentando te mordiscar enquanto você escapa por entre dois canos.

wolfenstein new order (13)

Jogabilidade

The New Order resgata um pouco a essência dos antigos jogos em primeira pessoa, com uma jogabilidade sem muitas inovações: você encontrará comandos para disparar, pular, agachar, mudar armas e ataques corporais. E aí está a simplicidade de sua jogabilidade, com comandos que respondem bem para esta proposta.

Tanto é que o jogo tenta implementar um sistema de cover, mas de forma muito simples e até um tanto problemática. Acontece algumas vezes de você tentar acionar a mira/zoom e ele interpretar como cover (isso você estando escondido atrás de uma barra de cano), o que acaba mais atrapalhando que ajudando.

wolfenstein concepts (2)Além disso, o jogo trás o velho esquema de você vasculhar o mapa procurando uma chave ou mesmo um botão para acionar alguma passagem. Tudo muito direto, sem nenhum puzzle no meio do caminho para solucionar. Isto também reflete nos itens a disposição como kits médicos e pratos de ração para recuperar vida, munição, armadura, etc.

Pra quem acompanhava os trailers antes do lançamento, a Machine Games deixava claro que você poderia abordar o jogo de uma forma mais ‘stealth’, ou seja, se esgueirando e sem chamar muito a atenção dos inimigos, e outra mais bruta, empunhando duas armas e deixando a carnificina rolar. Isso realmente está presente no jogo, mas a inteligência artificial (a falta dela, na realidade) dos inimigos atrapalha bastante na experiência de se jogar da primeira forma, o que acaba frustrando um pouco o jogador que optar pela furtividade.

No mais o jogo utiliza um sistema chamado ‘perk system‘ que destravará algumas habilidades dependendo das ações realizadas durante a partida e intimamente ligadas ao estilo optado pelo jogador. Assim, por exemplo, jogando de uma maneira mais furtiva, utilizando principalmente a faca para assassinatos silenciosos garantirão alguns benefícios no uso desta arma. E isto vale para todos os outros equipamentos.

wolfenstein new order (11)

Som

Neste quesito o jogo não compromete, você encontrará efeitos sonoros condizentes com um jogo de tiro que transmitem a sensação de você estar empunhando armas de grosso calibre, ao mesmo tempo que traz pequenos detalhes como o som de gás escapando ao atingir uma tubulação.

A trilha sonora é competente, acompanhando o ritmo frenético da ação. Mas não espere ficar cantarolando as músicas do jogo após terminá-lo.

wolfenstein new order (9)

Resumo da ópera

Wolfeinstein: The New Order traz um roteiro interessante, com uma ótima jogabilidade para o que se propõe: um jogo direto e que se apóia na nostalgia dos primeiros jogos de tiro em primeira pessoa. Todavia não é um jogo para aqueles que procuram inovações ou um gostinho da nova geração. Recomendado para aqueles que buscam diversão direta e simples.

E para finalizar, a análise foi realizada jogando na dificuldade ‘Hard’, o que garantiu um desafio na medida para não causar maiores preocupações e frustrações.

Ricardo Machado
Últimos posts por Ricardo Machado (exibir todos)

Comentários