IndieNotícias

Análise – Dropsy (Indie)

8
Adventure de abraços
Estranho, feliz e reflexivo, Dropsy resgata a nostalgia do point-and-click, com uma nova experiência repleta de personagens marcantes, cores fortes e muitos abraços.

Dropsy é um game desenvolvido pela Tendershoot e distribuído pela Devolver Digital.

Dropsy é estrelado por um palhaço desencanado, homônimo do jogo. Durante sua aventura, ele vai interagir com um elenco de personagens bizarros e coloridos em um ambiente de mundo aberto – onde ele terá que ajudar pessoas desconhecidas e distribuir vários abraços calorosos.

O game resgata o clássico e antes saturado gênero de “point-and-click” com maestria, trazendo o melhor que esse estilo de jogo proporciona, inovando e não repetindo os erros já cometido no gênero. O jogo de cara causa estranheza inicialmente. Os desenvolvedores apostaram nisso e me fisgaram com o visual retro e uma arte “odd” como eles mesmos apontaram.

Seguimos o palhaço Dropsy, que mesmo após um acidente que fez seu circo pegar fogo, continua morando lá, sendo que em muitos momentos o game dá idéia dele mesmo ser suspeito por ter ateado fogo a tenda.

Dropsy - Screen 1

Dropsy segue a história do jogo (Que não tem diálogos, então muitas vezes interpretativa) ajudando as pessoas, então as missões consistem muitas vezes em entregar objetos a certas pessoas, localizar e explorar, e por fim abraçar.

O abraço é a cereja do bolo aqui, Dropsy conta com o comando “abraço” que pode te render boas recompensas no final.

Dropsy - Screen 6

Talvez um dos pontos fortes do jogo seja a trilha sonora, que emociona, alegra e entristece de certa forma, dando o toque certo em muitas partes do game. Como a história é isenta de diálogos, muitas vezes ela é “narrada” com a música, tornando esse game uma experiência única com certeza.

Estranho, feliz e reflexivo, Dropsy vai te render não só a nostalgia do point-and-click, como uma nova experiência repleta de personagens marcantes, cores fortes e abraços, muitos abraços.

Pedro Kakaz
Últimos posts por Pedro Kakaz (exibir todos)

Comentários