Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR | 16 de julho de 2019

Ir para o topo

Topo

Sem Comentários

Análise – Hitman

Análise – Hitman
David Signorelli

Review

Reboot digno

Apesar dos loadings demorados, Hitman é um excelente jogo com boa trama, jogabilidade e gráficos. Esperamos que o game mantenha a qualidade nos próximos episódios.

O nome “Agente 47” é apenas um sussurro nos labios dos mortos…. porque se ele vier chamando por você… você nunca saberá… até ser tarde demais. Assim, como um fantasma, ele irá desaparecer. O espectro. A lenda. Mas o que irá acontecer se a lenda for finalmente exposta como um fato… e o alvo frio da morte estiver mirando nele?

Hitman é um jogo misto de ação, espionagem e aventura desenvolvido pela IO Interactive e publicado pela Square-Enix. Mesmo se tratando do sexto jogo da série ele é um reboot tanto que leva apenas o nome de Hitman ou como provavelmente irá se popularizar, Hitman 2016.

Tendo isso em mente é seguro dizer que novatos na série poderão experimentar o jogo sem se preocupar tanto com os acontecimentos anteriores visto que é um recomeço e com toda certeza uma bela aposta da produtora. Hitman agora é dividido por episódios como se fosse uma série no maior estilo The Walking Dead da produtora Telltale e o primeiro episódio (de 7, sendo lançado 1 por mês) se passa em Paris em um palácio onde será o palco dos primeiros assassinatos.

Hitman_(2016)

História

Você é o Agent 47 e tem a missão de executar 2 alvos em Paris, no palácio onde estarão as vítimas está acontecendo uma espécie de leilão de obras de arte e um desfile de moda. Cada um dos alvos tem relação com os fatos da noite porém nada fica muito claro, cabe a você decidir como será os últimos momentos dessas duas vítimas.

Por se tratar de um jogo episódico, pouco é revelado da trama deixando muitas perguntas no ar mas por hora não espere que algo grandioso aconteça pois irás se decepcionar.

hitman (18)

Gráficos

Nada menos do que incríveis; graficamente Hitman impressiona por seu nível de detalhe estupendo (pare para reparar nas estatuas, estatuetas e quadros por exemplo), iluminação extremamente competente e uma quantidade realmente alta de NPCs na tela sem prejudicar o desempenho.

O jogo inclusive consta com uma opção de fixar a taxa de quadros por segundo em 30 caso o jogador prefira uma experiência mais uniforme pois caso desligado ele se mantém boa parte em 60 salvo casos de explosões ou processos simultâneos como diversos NPCs passando na frente de um espelho, etc..

A representação de Paris ficou maravilhosa. Por mais que você não se adentre na cidade propriamente dita, é possível ver as construções famosas da cidade da luz de longe como a torre Eiffel e o rio Sena, onde há uma passagem interessante no jogo por sinal.

hitman (16)

Poderia passar o dia inteiro falando dos pequenos detalhes desse episódio de Hitman, desde taças com vinho translúcidas ao invés de opacas, passando por efeitos de partículas no sotão do palácio até os detalhes do show de luzes da passarela. O jogo é um colírio para os jogos e espero que o padrão gráfico desse capítulo continue nos subsequentes. Ah, não vi um NPC igual ao outro e se há, conseguiram disfarçar muito bem.

A interface poderia ser um pouco mais amigável, e existe um delay notável muito parecido com outro jogo dessa geração publicado pela Square-Enix, o Just Cause 3.

Som

Efeitos sonoros e dublagem de qualidade aqui, nada a reclamar. Pena que a trilha sonora ficou tão abatida. A música de quando você está sendo caçado é extremamente repetitiva e as outras poucas não chamam atenção. Podiam ter usado alguma música licenciada na parte do desfile (algo estilo o reboot de Goldeneye onde toca Deadmau5), ficaria mais autêntico do que aquelas batidas genéricas.

Me recordo de em Hitman: Blood Money tocar Ave Maria (Johann Sebastian Bach) na tela de título e isso deu um toque legal, ainda mais contrastando com um jogo violento como os da série Hitman.

2976053-hitman_beta_tease_clean

Gameplay

Você está numa grande festa em um palácio em Paris e precisa executar duas pessoas. Como que irás realizar essa façanha? Isso fica por sua conta.

O jogo te coloca numa situação e terás que se livrar dela do jeito que achar melhor. As possibilidades são praticamente infinitas e existem inúmeros objetos com os quais você pode interagir, muitas armas letais e não-letais, disfarces e tudo realmente crível, não existe nada fora do normal e faz o jogador realmente usar a cabeça na hora de pensar na próxima investida.

Antes de mais nada o jogo coloca o Agente 47 numa missão em um barco fictício com o propósito de “lembrar” de como se faz suas tarefas ardilosas, agindo como um excelente tutorial. Tudo é muito bem explicado sem fazer com que o jogador pareça um ser desprovido de inteligência.e permitindo que logo de cara já consiga gerar suas próprias estratégias mesmo sendo levemente guiado. Após o tutorial do barco ainda terá mais um estágio numa base da KGB em Cuba onde será introduzido mais alguns sistemas, nada obtuso.

Dentro do cenário principal além da missão você ainda poderá se divertir com os Contratos que são missões menores de assassinato de diversos alvos, lembrando que cada alvo tem sua própria rotina fazendo que o jogo nunca fique cansativo ou previsível. Essa é a parte que eu mais gostei em Hitman, a cada recomeço é uma experiência totalmente diferente visto que devido a aleatoridade das situações fica quase impossível “prever” os movimentos do adversário forçando jogador a criar improvisações, o que pode dar certo ou muito errado, resultando numa morte certa.

E é nessa parte da “morte” que o jogo infelizmente deixa a bola cair e decepciona. Toda vez que for dar load ‘se prepare para pelo menos 1 minuto de carregamento o que parecerá uma eternidade, ainda mais se tiver em uma situação complicada.

hitman (4)

Mesmo diante de um jogo competente em todos os aspectos, essa questão do loading deixa uma mancha na qualidade do mesmo. É extremamente frustrante e espero que corrijam isso nos próximos patches.

Veredito

Mesmo com loadings enormes, Hitman é um excelente jogo e achei muito bem sacada essa experiência episódica. A Square-Enix arriscou uma modalidade de negócio onde poderá conquistar novos fãs mais facilmente mas para isso precisa manter a qualidade desse episódio nos subsequentes.

Extremamente recomendado!

David Signorelli

David Signorelli

Amante de jogos japoneses, foi responsável por derrotar os Weapons de Final Fantasy VII que iriam afundar a Ilha da Rainha da Morte, conhecida como Florianópolis. Se arrepende disso até hoje.