Análises

Análise – Dragon Quest Builders

Ótima alternativa ao Minecraft
Dragon Quest Builders vai agradar tanto os fãs da série quanto os mais fissurados por Minecraft com uma combinação de construção e RPG que deu muito certo.

Dragon Quest Builders é um RPG de ação estilo sandbox onde o jogador é transportado para Alefgard, o mundo do primeiro jogo da série, e tem como objetivo reconstruir o mundo destruído por Dragonlord.

As semelhanças com Minecraft e Terraria (jogos famosos com elementos de construção) são visíveis, mas Dragon Quest Builders consegue manter uma personalidade forte e os elementos de RPG criam um grande diferencial.

História

A trama é baseada num final paralelo do Dragon Quest original. Antes da batalha final, o herói aceita a sugestão do Dragonlord onde cada um dominará metade do mundo. Mas isso é uma armadilha e o herói é eliminado. Como consequência o mundo foi dominado por monstros no reinado de Dragonlord. Com o passar do tempo, um novo herói acorda neste novo mundo devastado e ele precisa coletar materiais para reconstruir a terra de Alefgard do zero.

dragon_quest_builders_screen_12

Com o tempo pessoas começam a chegar nas terras construídas pelo herói e começam a ajudá-lo nisso criando micro-histórias lembrando os jogos da série principal. Os NPCs são muito carismáticos e dão bastante vida ao mundo. Isso sempre foi praxe na série e por sorte Dragon Quest Builders conseguiu manter essa característica.

Gráficos

Os artistas da Square-Enix conseguiram com exatidão transplantar a arte clássica de Dragon Quest para o mundo “quadrado”(voxels) de Alefgard mantendo o charme da série.

Tecnicamente não chega a impressionar pois a geometria do jogo é simples em comparação com o mais recente título  da série (Dragon Quest Heroes II: The Twin Kings and the Prophecy of the End, 2016) ou mesmos outros jogos da empresa.

O que se destaca mesmo são os pequenos detalhes como efeitos de luz das tochas, o aspecto “redondinho” das personagens, transição do dia para noite e a ótima modelagem dos tradicionais monstros da série.

dragon_quest_builders_screen_08

Eles não puderam ir muito longe graficamente por causa das versões VITA e PlayStation 3 mas é nítido que a versão PlayStation 4 foi usada como base. O maior problema gráfico é a falta de v-sync. A tela “corta” quando a câmera faz movimentos bruscos e ocorrem alguns slowdowns quando as coisas ficam mais caóticas porém num geral é um belo jogo com uma performance satisfatória.

Som

Como sempre, nos spin-offs da série Dragon Quest nunca podemos esperar músicas novas e infelizmente é o caso dessa versão. Dragon Quest Builders conta com músicas de todos os jogos da série em versões orquestradas (isso é bacana) mas bem que podiam ter feito um trabalho original ou mesmo colocar uma música de Dragon Quest XI como um preview. Infelizmente a equipe preferiu ficar num plano seguro dessa vez.

Os efeitos sonoros também estão na mesma situação apresentando nada muito sofisticado, apenas reciclando efeitos das outras versões.

O jogo não possui dublagem, ficando apenas aqueles sons de caixa de texto. Os puristas não vão reclamar, mas depois da excelente dublagem de Dragon Quest VIII: Journey of the Cursed King, é algo que deixa a desejar.

dragon_quest_builders_screen_09

Gameplay

Dá para dizer que o jogo é dividido em 2 segmentos, o de construção e a parte do RPG. A parte de construção é o coração da jogabilidade e é o que o jogador fará na maior parte do tempo.

Para construir é claro que você precisará de materiais e eles são encontrados de várias formas, seja destruindo pedras no caminho ou mesmo derrotando monstros. A quantidade de materiais disponíveis no jogo surpreende.

O céu é quase que literalmente o limite (você pode construir uma escada até as nuvens se quiser!) e mesmo que não seja tão robusto quanto os jogos o inspiraram, os jogadores mais criativos vão se deliciar com as possibilidades encontradas em Dragon Quest Builders, ainda mais que depois de terminar o game, as mecânicas são expandidas justamente para incentivar a construção livre e não precisar ficar só reconstruindo com as plantas.

dragon_quest_builders_screen_04

O controle é excelente, preciso e sem lags. A interface dos menus é muito intuitiva e a câmera funciona muito bem (uma exigência mais alta nesse tipo de jogo). Ela só apresenta alguns problemas em cenários mais fechados como uma caverna.

Durante a parte mais voltada a elementos de RPG dá pra dizer que o jogo é um Dragon Quest Heroes lite, sem combates frenéticos e upgrades menos arbitrários visto que não existe Level UP ou árvores de habilidade e todas as melhorias são feitas com itens.

Veredito

Se você procura um jogo divertido, bonito e tranquilo mas que trabalhe a massa criativa do seu cérebro Dragon Quest Builders vai agradar tanto os fãs da série quanto os mais fissurados por Minecraft. Foi uma combinação diferente mas que deu muito certo.

Prós

  • Arte bonita e excelente performance
  • Jogo muito divertido, pode viciar os mais criativos
  • Apesar de não original, a trilha sonora é estupenda

Contras

  • Câmera em lugares fechados é um problema
  • Seu personagem poderia ser um pouco mais ágil
  • Desafio baixo
  • Falta de sincronização vertical quebra a tela em alguns momentos
David Signorelli

Comentários