AnálisesIndie

Book of Demons – Análise

RPG de mesa nos PCs
Book of Demons remete aos clássicos agradando aos fãs de RPG, que vão se deparar com uma interface simples e uma mecânica divertida!

Book of Demons é um game de rpg em point-and-click com visão isométrica desenvolvido e distribuído pela Thing Trunk, disponível para Xbox One e PC no Steam.

A história do jogo é um clássico dos RPGs de mesa (Dungeons & Dragons, 3D&T, GURPS e outros). O aventureiro andarilho retorna a sua cidade natal após algumas aventuras e se depara com o local completamente destruído e dizimado, com um clima demoníaco no ar. Ele descobre que alguém realizou rituais satânicos na igreja do local, acordando um mal terrível. Pronto, o enredo está formado sem mais delongas, com um objetivo simples e carismático que se desenvolve com o decorrer do game.

Não só a história é baseada em RPGs como todo o conceito do game. Você inicialmente vê três classes disponíveis, mas apenas o Guerreiro pode ser selecionado. O Arqueiro e o Mago ainda não estão disponíveis para os iniciantes. O guerreiro começa com o HP mais alto que a mana, ataca de certa distância e se move nem rápido nem lentamente. Todas essas movimentações que foram citadas são realizadas com cliques no mouse (o game também pode ser jogado via gamepad e vai do gosto de cada um já que é bem adaptado pro controle). Você clica para se mover, clica e segura no personagem para ele parar, clica nas criaturas para atacá-las, etc. O jogo consiste em explorar masmorras que eventualmente vão chegar na igreja onde os rituais foram realizados e por fim em uma espécie de inferno onde o mal supremo reside.

O personagem se movimenta por corredores, como num jogo de tabuleiro. A movimentação é um pouco limitada sim, mas logo acostumamos e isso passa ser apenas um detalhe. Você não consegue customizar o personagem e apenas seu nome é da escolha do jogador.

A mecânica do game também é baseada em cartas, como em um card game. As poções, habilidades, magias e atributos especiais são realizados por cartas com uma mecânica semelhante a build normal de um rpg, mas com um “carisma” a mais. Inicialmente o guerreiro consegue segurar três cartas consigo. Eu por exemplo combino sempre um slot de carta de poção, um slot de carta de escudo contra flechas e uma carta com uma habilidade especial que me permite soltar uma rajada de poder no inimigo, arrancando o HP.

O sistema de nível também é muito interessante e a cada nível que jogador avança todos os inimigos perdem um coração do HP total. A caveira que antes tinha três corações no nível 1, agora possui apenas dois corações e o jogador ainda pode escolher se aumenta seu HP total ou sua mana. Novos níveis são atingidos por matar criaturas e avançar no game e o jogador também pode dar upgrades no personagem e comprar cartas novas através do gold que ele encontra nas masmorras.

bod_screenshot_03

Quanto mais você descer os níveis da masmorra, mais difícil ficará. O game ainda conta com um modo “Daredevil“, que consiste em morrer e perder o personagem definitivamente. Esse modo te permite entrar em um “Hall da Fama”, além de deixar o jogo muito mais interessante e assustador.

Os gráficos são bonitos e os desenvolvedores optaram por um visual único onde o personagem parece ser feito com dobraduras de papel, enquanto o cenário é variado e bem detalhado. Os efeitos de luz e magias são impecáveis e as criaturas são bem características e passam a ideia que deveriam. Tudo remete a o clássico dos RPGs de mesa, assim como a trilha sonora que dá o clima certo.

Infelizmente senti falta de um menu e legendas em português. Isso é algo que pesa contra devido a tantos títulos legendados e até dublados hoje em dia.

Book of Demons é um game que remete aos clássicos, pegando os fãs de rpg e agradando também os novatos, que vão se deparar com uma interface simples, uma mecânica divertida e um jogo ótimo!

bod_screenshot_02

Prós

  • Jogo extremamente divertido
  • Gráficos bonitos e únicos
  • Mecânica de RPG bem usada

Contras

  • Falta das legendas em português
  • Animações simples
Pedro Kakaz

Comentários