Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR | 16 de julho de 2019

Ir para o topo

Topo

Um Comentário

Metro Exodus – Análise

Metro Exodus – Análise
Danilo Morim

Review

Nota
9
9

Encerra a trilogia com excelência

Excelente jogabilidade, história densa e ambientação impecável. Um dos melhores FPS dessa geração ao lado de Doom, Wolfenstein 2 e Titanfall 2.

Metro: Exodus é o terceiro jogo da série que é baseada em um famoso romance russo. O game foi desenvolvido pela 4A Games e publicado pela Deep Silver para PS4, Xbox One e PC e posso dizer com certeza que foi um dos melhores FPS que joguei nessa geração.

DISTOPIA

Para quem não conhece a série, Metro é um jogo de tiro em primeira pessoa, ambientado em uma distopia pós apocalíptica com bastante foco em narrativa e em ambientação. Os jogos anteriores eram menores e menos ambiciosos com campanhas bastante lineares e alguns elementos leves de sobrevivência. Dessa vez a desenvolvedora apostou em um design mais abrangente, que mistura sequências de jogo lineares com mundo semi-aberto, lembrando bastante o reboot de Tomb Raider e suas sequências.

A história é muito boa e merece ser aproveitada desde o inicio e por isso eu recomendo quem puder jogar os anteriores que inclusive foram remasterizados para essa geração. Exodus é uma sequência direta e continua a história do protagonista Artyom em sua busca por uma vida melhor para os sobreviventes da guerra nuclear.

O jogo conta histórias a todo instante e tudo que acontece faz sentido. Os personagens são marcantes e muito bem desenvolvidos durante toda duração do game. Um dos pontos mais altos do game é sua ambientação tensa e caótica, que a todo momento mostra como a humanidade e algumas situações podem ser ruins e piorar em vários sentidos.

DESLUMBRE

Os gráficos espetaculares do game acompanham a ambientação e oferecem um dos visuais mais bem trabalhados e marcantes dessa geração. O único game que consigo colocar no mesmo patamar técnico, e talvez um pouco acima é Red Dead Redemption 2.Os efeitos sonoros são um espetáculo e a trilha sonora é tensa e marcante. O game também oferece suporte a Dolby Atmos, então recomendo aproveita-lo com um bom sistema de áudio ou headset de qualidade.

Eu joguei o game inteiro no Xbox One X e testei um pouco da versão de PC e não encontrei grandes problemas técnicos em nenhuma das plataformas. O game roda nativamente em 4K no console da Microsoft e tem uma implementação excelente de HDR. O que mais me incomodou foram alguns bugs, principalmente na inteligência artificial e Crashs ocasionais no Xbox. O game também tem um load inicial bem longo e isso pode incomodar alguns.

DEFUNÇÃO

A jogabilidade de Metro é bem hardcore e brutal, principalmente nos níveis mais difíceis. É possível morrer com apenas um tiro dependendo da arma e erros no game raramente são perdoados. O jogo é justo e sabe recompensar a exploração dos mapas semi-abertos, seja com quests opcionais muito bem desenvolvidas ou melhorias para o Artyom e suas armas e equipamentos.

Atirar em campo aberto sem silenciadores pode não ser a melhor estratégia porque se algum tipo de mutante estiver perto pode atrair uma horda inteira para sua localização. Às vezes é melhor abordar o game com mais cautela, para não gastar sua preciosa munição ou mesmo pagar com sua vida.

O game tem uma mecânica simples de recursos e criação de itens que é bem intuitiva e serve para criar diversos itens úteis e até munições. Todas as armas são completamente customizáveis e dão várias opções de abordagem aos diversos tipos de jogador. Um exemplo é que seu 38tão pode virar um rifle de precisão ou uma pistola silenciosa com apenas alguns ajustes.

Espere bastante conteúdo além da história normal, mas você vai precisar vasculhar os mapas para ter acesso as mais interessantes. Inclusive alguns upgrades só ficam disponíveis se você procurar os locais ao realizar essas missões secundárias. Metro não tem indicadores visuais de nenhum tipo e para acessar o mapa ou seu inventário, a ação não é pausada.

O level design do jogo, seja nos mapas abertos ou nas sequências lineares são excelentes e oferecem experiências de jogo igualmente acima da média. O único problema que realmente me incomodou são alguns bugs na IA que fazem ela se comportar de forma completamente burra e algumas vezes causarem problemas que quebram um pouco da tensão do combate, principalmente nos níveis abertos.

INVERNO ATÔMICO

Eu já gostava da série, mas Exodus levou ela a um novo de patamar. Um jogo visceral, que nas dificuldades mais difíceis não perdoa erros, mas sabe como recompensar o jogador. A adição dos mapas abertos deu uma evoluída forte na formula da série e as clássicas as sequências lineares do game oferecem ainda mais qualidade que seus antecessores. Um jogo que me apresentou novidades durante as quase 25 horas que joguei, merece destaque.

Com excelente jogabilidade, uma história densa e ambientação impecável Metro Exodus é um dos melhores jogos de tiro dessa geração e fica ao lado de gloriosos jogos de tiro como Doom, Wolfenstein 2 e Titanfall 2, que também fiz as análises.

Para quem curte jogos de tiro e não quer o mamão com açúcar padrão que a indústria tem empurrado goela abaixo, esse é o seu jogo e eu recomendo fortemente você a jogar, principalmente em alguns meses quando o preço ficar melhor e os bugs e glitches forem consertados.

Prós

  • Gráficos absurdos, um dos jogos mais bonitos da geração
  • Ambientação é um dos pontos mais fortes do game, que quase só tem pontos fortes
  • O design de fases, sejam as partes abertas ou as fechadas são espetaculares
  • História, narrativa e personagens excelentes
  • Jogabilidade hardcore e brutal

Contras

  • Alguns Crashes ocasionais
  • Alguns Bugs/glitchs na IA
  • Load inicial nas partes aberta é grande
Danilo Morim

Danilo Morim

É Rhazo como um Pires ou A Voz da Rhazão? Trabalha como gamer e dorme com o controle na mão.