Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR | 19 de maio de 2019

Ir para o topo

Topo

Sem Comentários

Dragon’s Dogma: Dark Arisen – Análise Switch

Dragon’s Dogma: Dark Arisen – Análise Switch
David Signorelli

Review

Nota
8.5
8.5

Dragon's Dogma portátil

Um grande RPG da Capcom com o melhor que o gênero tem a oferecer numa bela conversão. Você terá dificuldade em encontrar aventura mais dinâmica e atmosférica no Nintendo Switch

Dragon’s Dogma foi uma bela surpresa na geração passada, a Capcom trouxe para os consoles da época um RPG de ação bem diferente do que estávamos acostumados e com isso conseguiu obter um relativo sucesso. Pouco tempo depois ela lança uma versão “expansão” chamada Dark Arisen que adiciona ainda mais conteúdo ao original e agora em 2019 o Nintendo Switch recebe um excelente port desse game.

Se você ainda não teve a chance de conferir Dragon’s Dogma, não há motivo para não comprar esta edição. Você tem o jogo principal, o conteúdo pós-jogo, todo o DLC para o jogo principal e a Bitterblack Isle como uma nova área. Não há muitas alterações feitas no jogo original em Dark Arisen, há alguns pequenos ajustes feitos com itens disponíveis nas lojas (não é mais necessário comprar o Airtight Flask), mas em geral as mudanças não são tão significativas que as que os jogadores normais dificilmente irão notar qualquer alteração.

A TERRA ESTRELADA

Bravos aventureiros totalmente armados e enormes criaturas selvagens a serem domados à força, são os ingredientes fundamentais de Dragon’s Dogma, um título que, embora amplamente inspirado por outros produtos já no mercado, mostra ter uma identidade bem definida.

O enredo desse RPG da Capcom é o mais canônico que se pode imaginar para um gênero clássico como o de fantasia: em um mundo onde ciclicamente, após centenas de anos, um enorme dragão se manifesta trazendo consigo milhares de monstros de todos os tipos, um herói chamado Arisen se levanta para defender os habitantes de Gransys.

Para ajudar o herói (o clássico escolhido preso por eventos sem ninguém pedindo sua opinião), há a raça dos Pawns, criaturas em todos os aspectos semelhantes aos seres humanos, mas totalmente sem vontade. Esses personagens pitorescos podem ser encontrados em todo o mundo, ou interagindo com as pedras encantadas de Faglie que conectam o universo de Arisen ao de outro Arisen, representado por cada jogador do Dragon’s Dogma conectado à internet.

A Inteligência Artificial que regula as ações dos companheiros de aventura do Arisen foi de fato realizada com muito cuidado. Mesmo durante as batalhas mais difíceis (e há várias, posso garantir), você nunca sente que precisa se comprometer se multiplicar para compensar as deficiências dos aventureiros controlados pela CPU.

BEM VINDO À GRANSYS

Durante as primeiras dez horas, Gransys pode ser um lugar punitivamente difícil e brutal, então você precisará de todas as vantagens que puder reunir até se acostumar com o fluxo do jogo. De fato, o DD se recusa a segurar sua mão muito além dos primeiros quinze minutos, e lança numerosos conceitos e mecânicas em você com pouca preocupação com sua sanidade. No entanto, andando de um lado para o outro e vagarosamente trabalhando para entender os detalhes de um título tão assustadoramente longo, você logo encontrará um equilíbrio de um jogabilidade brilhantemente trabalhada que o manterá entretido por horas a fio.

Quanto mais você se aprofundar no mundo de Gransys, mais difícil será se afastar. A exploração é facilmente a maior atração do jogo, e é especialmente difícil não ficar engajado na paisagem campestre pitoresca que a Capcom criou de forma tão caprichada. Embora não seja nada que não tenhamos visto antes – colinas verdejantes, estradas de montanha traiçoeiras e florestas densas e escuras – há uma atmosfera imponente que o mantém constantemente envolvido.

Talvez seja por causa da ameaça sempre presente de monstros que poderiam comê-lo vivo, ou a emoção de tropeçar em grandes quantidades de saque. Seja qual for o motivo, é difícil pensar em um jogo que forneça uma compulsão maior para explorar todos os cantos e recantos.

Somando-se ao já excelente senso de aventura, o combate é de primeira qualidade. Embora não seja tão refinado ou cheio de ação como você encontraria em um jogo como Monster Hunter: World ainda é bem acima da grande maioria do gênero. É baseado em ação, então você estará pulando, correndo, cortando e subindo até a eventual vitória em uma variedade de criaturas brilhantemente projetadas.

O combate tem muita profundidade graças a um sistema de classes que recompensa a experimentação. Todos os elementos básicos estão aqui: o lutador empunhando a espada e o escudo, o mago impetuoso da equipe e o “strider” com adaga dupla. No entanto, ao contrário de muitos RPGs, cada classe – ou vocação – parece completamente diferente da última. Todos eles possuem suas próprias habilidades únicas que podem ser aprendidas através da negociação de pontos de disciplina conquistados em batalhas, e aplicá-los ao seu próprio personagem e principal Pawn coloca uma grande ênfase na customização. Encontrar as habilidades que funcionam melhor juntas e a vocação com a qual você se sente mais confortável é uma alegria devido à diversão do combate, fazendo com que ambos os sistemas se sintam perfeitamente compatíveis. Isso é complementado por uma mecânica básica de nivelamento, que aumenta suas estatísticas dependendo da sua vocação atual.

MELODIA DOLOROSA

Dark Arisen é um sucesso triunfante não apenas por causa de sua natureza extraordinariamente sombria, mas também por causa de como mantém a jogabilidade de Dragon’s Dogma perfeitamente intacta, enquanto ainda permanece fresca e estimulante.

Se houver alguma queixa com o conteúdo adicional, é que as coisas se tornem um pouco mais difíceis no futuro. Todos nós podemos apreciar um desafio de vez em quando, mas combinações problemáticas de inimigos combinadas com pouco tempo para relaxar podem levar a alguns encontros desnecessariamente frustrantes.
Tanto em termos de design estético quanto de áudio, Dragon’s Dogma: Dark Arisen brilha com o polonês. Apesar de ser um RPG medieval, seu estilo se presta ao realismo. A paleta de cores é sóbria, mas combina perfeitamente com a sensação do jogo, enquanto os efeitos de iluminação são alguns dos melhores que já vi na plataforma.

Enquanto isso, a música é usada com moderação, mas com grande efeito quando a situação surge, sendo o destaque uma melodia orquestral que toca depois que uma fera particularmente poderosa foi morta. Para completar, todo efeito sonoro que acompanha um ataque é brilhantemente pronunciado e realmente dá a impressão de ataques poderosos e destrutivos.

VEREDITO

Dragon’s Dogma: Dark Arisen não é para todos. É um título demorado e muitas vezes brutal, e suas falhas originais ainda permanecem – mas a inclusão de Dark Arisen é apenas o suficiente para impulsionar o grande RPG da Capcom com o melhor que o gênero tem a oferecer. Você vai ter dificuldade em encontrar uma aventura mais recompensadora, dinâmica e atmosférica no Nintendo Switch

Pros

  • Sistema de combate estimulante e divertido
  • Jogo realmente incentiva a exploração
  • Graficamente muito bom para o nível do console

Cons

  • Música poderia ser mais presente, às vezes chega a dar um pouco de sono
  • Alguns tutoriais mal explicados
  • Fast-travel burocrático
David Signorelli

David Signorelli

Amante de jogos japoneses, foi responsável por derrotar os Weapons de Final Fantasy VII que iriam afundar a Ilha da Rainha da Morte, conhecida como Florianópolis. Se arrepende disso até hoje.