Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR | 20 de julho de 2019

Ir para o topo

Topo

Sem Comentários

The Legend of Heroes: Trails of Cold Steel II – Análise

The Legend of Heroes: Trails of Cold Steel II – Análise
Fábio Kraft

Review

Nota
10
10

Um dos melhores JRPGs da geração

Trails of Cold Steel 2 é um jogão, não tem como alguém que goste de JRPG ficar sem jogar a série toda.  Os 3 primeiros games estão todos na Steam, são super levinhos de rodar e são fantásticos!

Trails of Cold Steel 2 é uma experiência impar, sem igual, como todos os jogos da série desde os arcos mais importantes que iniciaram-se no Trails in the Sky. Sendo este o quinto jogo da série moderna, Cold Steel 2 é a continuação direta dos eventos do antecessor.

Desenvolvida pela Falcom e distribuída pela XSEED aqui no ocidente, o PS4 é contemplado com um dos melhores títulos de RPG já lançados nos últimos tempos. Eu diria que ele é o Suikoden dos dias atuais.

Cold Steel 2 é um RPG de turnos muito competente, com uma pegada de tactics pois você pode posicionar seus personagens no campo de batalha para encaixar um golpe de área ou pegar um buff em um determinado local, lembra um pouco a série Grandia nesse sentido.

Por ser um jogo de PS3, ele não graficamente estupendo, apesar de ser bem bonito. As texturas foram melhoradas nessa versão também, mas é pouca coisa que conseguimos notar de diferença técnica, além de, claro, a resolução e os constantes 60 quadros por segundo.

A diferença em outros aspectos da versão do PS3/Vita para a do PS4 são notáveis, dentre elas estão cerca de 100 itens para baixar gratuitamente, um turbo mode para acelerar a exploração e as batalhas, suporte a resolução 4k para o PS4 Pro e 60 quadros por segundo, e também não menos importante, a inclusão de cerca de 5000 linhas de textos dublados em inglês, e dual-audio para dublagem em japonês, ausentes na versão anterior! Muito massa!

O game também dá suporte para resgatar seus saves do PS3 e Vita também, não limitando-se apenas ao anterior lançado recentemente. Embora não seja necessário você ter jogado o jogo anterior, todo o clima do game melhora muito caso o tenha feito, senão, é possível revisar os acontecimentos dele no menu principal antes de dar um start nele (até porque não faz sentido algum sem entender o primeiro antes).

Logo após a última batalha, Rean e Celine escapam por pouco com Valimar para terras distantes as custas do sacrifício de seus amigos que ficaram para trás para dar-lhe um tempo considerável de fuga.

O local cujo nosso herói acorda é na região montanhosa perto de seu vilarejo natal, e com o sentimento de incapacidade, um feixe de esperança nos olhos de Rean faz acreditar que seus amigos estejam bem e na sequência, parte em busca deles por toda região de Erebonia.

A história do game fica com um ar mais pesado porque tudo o que estava prestes a estourar no primeiro game, acaba estourando com tudo na continuação. Os conflitos políticos e militares, o acordar dos outros cavaleiros lendários e o empoderamento de uma figura que estava dada como morta.

A jornada é uma redescoberta do passado de cada integrante da equipe, dando valor a todos os personagens que são super bem construídos com seus devidos backgrounds, gostos, afinidades, e também a inclusão de novos membros da equipe para agregar o time. O fim da desconfiança entre eles e a formação de um elo afetivo e definitivo da Class 7 que é bonito demais.

Um dos focos principais também é no relacionamento de Rean e seu Ashen Knight que tem muito peso nos eventos do game, e também em boa parte das batalhas decisivas. Customizar Valimar agora é possível também, deixa-lo com mais HP, mais forte, equipa-lo com uma arma decente e por aí vai. Essa mecanica é muito boa, muito bem feita e instigante como tudo nesse jogo.

Rean agora pode ir e vir livremente a cada um dos lugares antes visitados ao invés da linearidade do game anterior, fazendo que o jogador possa optar por recrutar um membro ou outro antes sem uma ordem específica. Apesar de que tudo acaba culminando para um ponto centralizado aonde a história toca em frente.

Revisitar os locais do game anterior acaba não se troando uma mesmisse pois muito de sua geografia foi alterada por conta do que acontece no universo do jogo, locais novos dentro das regiões são muito variados também, alem de que conversar com os NPCs antigos são bem legais, os textos são super bem escritos e parece que cada personagenzinho mínimo tem uma vida própria, então o jogador vai ficar viajando muito nos diálogos que ficam sempre atualizados a cada progressão na trama.

O sistema do jogo continua o mesmo, você tem algumas melhorias no seu ARCUS no entanto, a possibilidade de colocar novos tipos de magias nele também, habilitar mais slots, deixar tudo consideravelmente mais forte que o ARCUS antigo.

A maneira que os personagens que não estão relacionados ao Rean através dos Links também sofreram algumas mudanças, pois agora para ficar mais intenso e eficiente, certos pares são selecionados para desafiar um boss próprio para eles, e assim, desenvolver o nível do link gerado. E essas batalhas são bem dificeis, talvez sejam os desafios mais complicados de lidar no game, mas orquestrados por uma trilha sonora de tamanha qualidade, sempre dá um ânimo a mais para tentar superar as dificuldades..

E, falando em trilha sonora, não preciso nem comentar o quão perfeita ela é. Eu pago pau mesmo para JDK Band e compositores da Falcom porque eu dificilmente escuto algo que eu não goste de autoria deles. A galera que fez a trilha sonora deste jogo fez também a de Y’s, Tokyo Xanadu, dentre outros clássicos. As músicas de batalha são sempre um forte pra todos os jogos de RPG na minha opinião, mas as canções da série são muito bonitas também, Kanako Kotera tem um vozeirão,

Para evitar spoilers do enredo, vou deixar apenas essa introdução para que vocês tirem suas próprias conclusões, e se não jogaram o anterior, recomendo que o faça o quanto antes, porque o terceiro game da série está quase saindo em inglês já.

Trails in Cold Steel 2 pode ter seu save anterior importado, recuperando o level, itens, suas magias no ARCUS, equipamentos e etc, ou você pode começar com um pre-set mais básico que o jogo disponibiliza caso opte por não dar o slate.

Por ser uma continuação, seus personagens já começaram com um level mais alto e com umas magias de nível superior, então não estranhe se você ver seu heroi com level 40 ou 50 de início. Isso acontecia também com todos os jogos do arco do Trails in the Sky também. A parte final do game é um mind-blow sem limites, é tão inacreditável que me fez parecer um bobalhão com o controle na mão após os créditos… com um último trecho de gameplay impressionante, principalmente para os amantes da série.

Finalizando, Trails of Cold Steel 2 é um jogão, não tem como alguém que goste de JRPG ficar sem jogar a série toda, eu não consigo compreender como ainda existem pessoas que não puseram as mãos nessa série ainda. Os 3 primeiros games estão todos na Steam, é super levinho de rodar e é fantastico! Compre todos eles, faça esse favor pra você mesmo, todo mundo merece viver essa experiencia, prestigiar o trabalho desse pessoal.

Prós

  • História fantástica
  • Personagens lindos e marcantes
  • Sistema de batalha maravilhoso
  • Extras de se respeitar
  • Final incrível
  • Batalha final de tirar o folego

Contras

  • O joguinho de Snowboard
Fábio Kraft

Fábio Kraft

Um jogador de RPG e amante de batalhas finais e odiador de joguetes bugados sem fim e com música tosca.