Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

vgBR | 25 de agosto de 2019

Ir para o topo

Topo

Sem Comentários

Senran Kagura: Peach Ball – Análise

Senran Kagura: Peach Ball – Análise
Fábio Kraft

Review

Nota
5
5

Pinball "furry" apelativo

Traz momentos de desconforto visual com muita apelação e algumas boas risadas. Quem gosta de jogos de pinball e de meninas vestidas de animais antropomórficos talvez vá curtir

Senran Kagura: Peach Ball é um jogo no mínimo curioso. Logo no primeiro contato percebemos que é um dos poucos games para o Nintendo Switch que tem a avaliação acima de 18 anos (Mature), e por uma boa razão.

É um título que vai agradar bem o público alvo que ele propõe-se atingir, mas talvez não faça muito o estilo dos demais jogadores pelo simples fato que o game é um praticamente um pinball adulto com meninas vestidas de bichinhos repleto de grunidinhos e nya~nya, e outras sonoplastias que vocês podem imaginar. O conjunto que, como diriam os mais íntimos e especializados: “ecchi”, ou “furry”, ou os dois.

Tive um pouco de dificuldade para juntar a minha imparcialidade com os fatos que este game traz para tentar explicar da melhor forma possível sobre o que estamos lidando aqui, eu sou cara que jogou muita coisa que se aprofundou nos mais profundos kinks japoneses, mas esse jogo se superou.

Desenvolvido pela Honey Parade Games e distribuído pela Marvelous/ XSEED, Senran Kagura chega ao Nintendo Switch para agregar a sua já versátil biblioteca de games.

Tecnicamente falando o jogo é super detalhado, muito polido mesmo, os personagens são bem vivos e as mesas de pinball recheadas de várias coisas acontecendo ao mesmo tempo sem que haja uma poluição excessiva. A navegação pelos menus e a interface são de muito bom gosto.

O áudio é todo em japonês apenas, o que não me incomoda nem um pouco, só me deixou meio desconfortável de jogar perto de outras pessoas pelo uso gigantesco de gemidos sensuais das meninas. Mas o storytelling é bom, a parte aonde não há gritaria dá para curtir legal assim como um visual novel normal. Dubladores japoneses são especialistas em interpretação e mestres de por a alma nos personagens.

Tendo isso dito, Senran Kagura: Peach Ball é game muito divertido, desafiador e competente de pinball virtual, de verdade! Protagonizados com os personagens da animação japonesa de onde se origina, claro. Desta vez, Haruka fez uma experiencia misteriosa em seu laboratório: O Arcade da cidade, fazendo com que as heroínas se transformassem em diversos bichos, modificando sua personalidade de acordo com o respectivo animal.

Cabe a você, o herói, desfazer a traquinagem que deu errado transformando o elenco de volta a sua forma humana utilizando-se de uma máquina de pinball como intermédio e instrumento, porém como esperado pelos conhecedores da série, o game traz altíssimos níveis de apelo sexual durante a jogatina toda, apesar da história ter uma pegada bem leve e inocente.

Praticamente todos os extras são pesados, principalmente os que envolve o dressing room e caricias nas meninas pobremente vestidas já que você pode dar tapinhas, molhar e agarrar as… mãos e outras partes das garotas. Eu achei mesmo que não conseguiria me emocionar num jogo como esses, mas tem vários momentos na história que derretem um pouco o coração, acredite se quiser.

O jogo possui alguns modos para se experimentar, dentre eles um modo história composto por apenas 5 estágios – que é bonitinho e com um enredo completamente sem sentido algum, no entanto é bem engraçado, a história é contada no melhor estilo visual novel, também temos um modo arcade para praticar nas duas únicas mesas do game que, apesar de terem um grau de complexidade relativamente alto com vários tipos de eventos acontecendo e sub-missões para se concluir, acabam cansando rápido pela falta de diversidade ao alterar entre os personagens, mas isso também não tira o feeling de simular a experiência de jogar numa máquina de verdade pois todo aquele aparato de mexer a mesa para movimentar a bola, apertar o botão das laterais com mais força é massa pra caramba. Por fim, um dressing room para equipar sua garota com acessórios, roupas (ou a falta delas), cabelo e etc, para deixar ela pronta para tomar bolada nas “pernas”.

Para vencer, o jogador precisará acumular pontos e concluir as missões chamadas Peach Missions, que envolve acertar determinadas partes do corpo da personagem, entrar nas passagens secretas, derrubar a garota, fazer combos e por aí vai.

Quando o jogador acumular uma quantia X de pontos, ele poderá alcançar uma das 3 etapas principais para passar de fazer, os “Sexy Challenges” que são uma espécie de bônus com alavancadores de pontuação e finalizações no melhor estilo ecchi. Repetindo o processo 2 vezes, na terceira você alcançará o “Super Sexy Challenge”, aonde da-se o final do estágio, e por onde você pode conseguir despir uma das 5 pobres coitadas caso jogue muito bem.

Finalizando, Senran Kagura: Peach Ball me gerou bons momentos, fui até o fim e concluí o amor devidamente. É um game que se finaliza rápido, não tem muita coisa para prolongar a jogatina, mas ele traz momentos de desconforto visual e boas risadas, para ser bem honesto. Quem gosta de jogos de pinball e de meninas vestidas de animais antropomórficos, esse jogo é pra você.

Prós

  • As duas mesas são bem feitas, é legitimamente divertido jogar nelas
  • Gosto dos personagens, então pra mim é um bônus positivo
  • As músicas cantadas são legais também
  • Gameplay fluído
  • Bastante coisa para coletar para o dressing room

Contras

  • Duas horinhas para concluir a história
  • Dois mapas apenas
  • Cinco personagens jogáveis
  • Não é um game que pode ser jogado com outras pessoas perto, como num ônibus
Fábio Kraft

Fábio Kraft

Um jogador de RPG e amante de batalhas finais e odiador de joguetes bugados sem fim e com música tosca.