Análises

God Wars: The Complete Legend – Análise

9
Um dos melhores RPGs táticos
Muito bem estruturado, gameplay sólido e estratégico. História leve e gostosa de seguir, dificuldade moderada, personagens carismáticos, ambientação e cenários são super legais naquilo que o game se propõe a entregar.

Um jogo que chegou quietinho, mas chegou chegando: God Wars: The Complete Legend me pegou de surpresa, e é fácil dizer que é um dos jogos mais fenomenais que já joguei na atualidade, embora não seja ausente de alguns probleminhas técnicos, ele se sobressai em praticamente todos os outros aspectos.

Disponível para o Nintendo Switch e PC na Steam, iniciei o game no portátil da Nintendo não botando tanta fé para ser bem honesto e quebrei a cara maravilhosamente ao avançar poucos minutos a dentro no mundo cativante e carismático do nosso querido Nihon.

A Kadokawa Games acertou em cheio com esse fantástico RPG Tático, trazendo aquele feeling de jogar algo tão bonito e bem feito novamente, nos padrões de Disgaea (publicado pela NIS, que publicou este título também) e Final Fantasy Tactics, grandes nomes que carregaram por anos os jogos deste gênero.

Me vi jogando por várias horas, experimentando classes, skills, curtindo a história, fazendo as side-quests e ao ter conteúdo para escrever esta análise, realizei uma pesquisa mais aprofundada e eu descobri que ele é na verdade um compilado de vários DLCs e Extras do jogo original lançado lá na época para o PlayStation Vita, O God Wars: Past Future, com uma grande quantidade de conteúdo e de melhorias técnicas no gameplay, enredo, personagens novos jogáveis, finais múltiplos e até músicas extras, tudo contidos neste pacote rebatizado de Complete Legend.

Se você se empolga com uma temática bem japonesa que envolvem seus folclores e lendas, esse jogo irá lhe agradar muito! Eu sou fãzasso desse tipo de coisa, a cultura oriental é algo que sempre esteve intrínseco comigo durante muitos anos e sempre me interessei bastante sobre as criaturas, ceitas, templos e todo o resto que compõe esse universo tão rico.

A história de God Wars é a trajetória de uma das filhas da deusa Tsukoyoumi que está em busca do seu paradeiro depois de um misterioso desaparecimento 13 anos atrás. Ao oferecer sua filha mais nova como uma oferenda, os deuses da montanha muito irritados cessam o grande caos que estavam causando, oferenda dada a evitar um desastre maior. Junto de Kuma e Kintaro, Kaguya viaja pelo Japão em busca de pistas que levariam a desmistificar os eventos que levou sua mãe a desaparecer. Durante a viagem outras personalidades se juntam a equipe com objetivos particulares, revelando relacionamentos bem maneiros e complexos deixando a viagem bem divertida.

A maneira que a história principal é contada é num estilo “mangá animado”, quando textos garrafais e cheios de expressão, alem de algumas cenas em um legítimo animê.
Infelizmente a dublagem americana é péssima, nível insuportável. Mas felizmente é possível jogar o game inteirinho com áudio japonês, ufa. A trilha sonora é competente mas infelizmente não tem muitos temas diferentes de batalha. Não cansa, mas poderiam ter mais faixas nas missões extras pelo menos.

O jogador percorre por entre campos isométricos, baseando suas ações em turnos, assim a ordem em que os personagens agem é definida pelo atributo de velocidade, organizados numa guia no lado direito da tela. Configuração comum do gênero do jogo.

Repleto de side-quests e missões extras, se aventurar para concluir 100% pode ser mesmo uma jornada bem desafiadora, mas diferente de um jogo monótono e mal feito, ficar forte neste game é super recompensador.

Existem diversos aspectos pelos quais o sistema de batalha fica bem interessante, vou tentar explicar como funciona o sistema de jogo, o ponto principal dele é a maneira como você pode configurar sua equipe.

Cada personagem pode utilizar 3 classes simultaneamente, todas recebendo ao mesmo tempo seus devidos pontos de experiência ao concluir qualquer ação que não seja defender ou ficar em stand-by, agilizando bastante o processo de aprendizado de habilidades na árvore de skills de cada classe, deixando seus aliados versáteis durante uma batalha.

As classe por si só possuem uma gama enorme de habilidades ativas e passivas, das quais podem ser usadas em combate como um golpe carregado, a possibilidade de equipar uma arma que pertence a outra classe (como Priest usar um arco-e-flecha), ou uma skill que aumenta um determinado atributo se você está rodeado da sua equipe ou inimigos, fazendo que o mix-and-match seja bem prazeroso durante as quase 100 horas de jogo, até porque cada skill pode ter isoladamente cerca de 10 níveis em sua grande maioria.

Não existem skills que ficam obsoletas e não existem skills inúteis nesse jogo. Tudo se usa para algum propósito muito importante e se você não usou ainda, pode ter certeza que você vai, até mesmo aquelas skills que fazem seu personagem ganhar “impurity” (atraindo agro dos inimigos para ele) ajudam pra caramba para seus tanques (Kuma, o urso parrudão) a aguentar a chuvarada de flechas e lançadas na frente dos seus magos.

Todos os personagens iniciam as batalhas com 0 de MP, recuperando um valor determinado ao final de cada turno. Para combater esse problema, algumas skills passivas fazem você recuperar mais rápido, ou ainda habilidades e itens que recuperam seu MP também. Um dos focos mais importantes e estratégicos do game é reduzir o MP do oponente com habilidades especiais, deixando-o completamente incapaz de aniquilar sua equipe com skills devastadoras.

Agregado a isso, o posicionamento dos seus personagens no campo de batalha tem influência direta no resultado que um determinado ataque causa. Se você estiver na frente e executar um golpe direto, o dano causado é reduzido, se você estiver em um dos lados, o dano é superficialmente maior, e se você estiver nas costas de seu oponente, o dano é substancialmente maior e a chance de acertar é quase sempre 100%. A altura impacta também favorecendo sempre quem estiver em uma região maior que o alvo, atacando diretamente com uma arma de curto alcance ou um arco-e-flecha, resultando em um dano maior para quem está recebendo ou uma redução expressiva para quem estiver por cima.

God Wars: The Complete Legend é completo de fato, um jogo muito bem estruturado, gameplay sólido e estratégico. História leve e gostosa de seguir, dificuldade moderada, personagens carismáticos, ambientação e cenários são super legais naquilo que o game se propõe a entregar.

Prós

  • Um dos jogos de RPG Táticos mais completos que já joguei
  • As batalhas são legitimamente boas, faz você usar todos os recursos do jogo
  • A dublagem japonesa e o story-telling é muito competente
  • Quase 20 classes para se usar

Contras

  • Poucas faixas de batalha, infelizmente
  • Dublagem americana, é uma das piores que eu já vi
  • Pouca variedade de tipos de inimigos
Fábio Kraft
Últimos posts por Fábio Kraft (exibir todos)

Comentários