Análises

Astral Chain – Análise

9
Melhor jogo de ação do Switch
Com excelente gameplay, sistema de batalha competente e direção de arte da Platinum, Astral Chain é um jogão e tem que fazer parte da biblioteca de todos que possuem um Nintendo Switch

Astral Chain é certamente um dos games que eu pude dizer: ainda bem que eu comprei um Nintendo Switch. Desenvolvido pela Platinum Games e distribuída pela Nintendo, Astral Chain é um estouro de ação cinematográfico do inicio ao fim, com uma pegada de investigação noir, sci-fi, anime e muita adrenalina em tudo que abrange o gameplay deste título.

Tem vários momentos nesse jogo que você não consegue acreditar como o Nintendo Switch é capaz de processar tanta coisa ao mesmo tempo sem ter o mínimo de perda de desempenho, as batalhas mais para o final do game começam a ter uma proporção gigante e é possível de ver que o aparelho está rodando no talo para fazer tudo isso ser exibido com tanta perfeição.

Tecnicamente o jogo é graficamente lindo e detalhado demais, cheio de locais diversificados, diferente do que eu imaginava que ficaria muito no cinza de cidade moderna, ruas e tal. Sem contar que a trilha sonora do jogo é primorosa e de tirar folego. O compositor Satoshi Igarashi que trabalhou em Bayonetta 2, NieR Automata e Xenoblade Chronicles 2: assinou embaixo firmando a qualidade das faixas do game. Cada batalha de chefe em especial é praticamente um teste de nervos e que por fim, ao vencer o conflito, a finalização das batalhas é muito gratificante, principalmente quando se tira um rank maneiro no final.

Isso é algo que eu sempre vou pagar muito pau para Platinum Games – os mestres nestes estilo de jogo, games como Bayonetta e NieR Automata foram percursores para deixar Astral Chain do jeitinho que os desenvolvedores queriam, eu suponho. Executar com maestria e beleza e fazer com que tudo funcione e seja perfeitamente controlável pelo jogador, sem fazer forçação de barra ou algo parecido. Astral Chain é daqueles jogos que aparecem raramente e marcam momentos para serem lembrados por vários anos a diante.

Em, minha experiência com o game, 70 horas de jogo passaram como se fossem nada e ainda falta coisa para concluir. Definir o gênero do game é difícil, eu diria que é um Action RPG do que um jogo de ação como Bayonetta no final das contas. Existem muitos elementos que fazem ele adentrar neste gênero. Astral Chain é game dividido por capítulos e “dungeons” com uma “cidade hub”, que é o departamento de polícia, sede da NEURON – local que você pode fazer de tudo, comprar itens, treinar, dar upgrades das suas armas, curar seus personagens, testar roupas diferentes e etc.

O jogador poderá mudar o visual de seu personagem com os acessórios que são obtidos ao concluir um ou outro objetivo ou encontrados nas fases, poderá também interagir com os personagens para conhecer melhor o background deles e partir para as missões quando dado o prompt para tal.

Existe um tipo de lista de objetivos que você vai concluindo recebendo alguns itens como recompensa, e essa lista é super extensa com mais de 120 “troféus” para coletar, coisa que inclui catalogar todos os inimigos, causar uma quantidade X de dano com uma das 3 armas possíveis do game, o “batton” (espada curta, vamos dizer assim, porque é o que parece), a fiel pistola para inimigos distantes e uma espada de duas mãos que foca em quebrar a defesa e dano concentrado, juntar uma quantidade X de dinheiro, comprar e registrar os itens, realizar Rank máximo nas missões principais, e por aí vai.

O sistema de batalha de Astral Chain joga-se bem parecido com os outros jogos da softhouse. Você tem um “witch time” que permite contra-atacar o inimigo esquivando no momento em que o oponente desfere um golpe contra o jogador. A medida que o jogo avança, você consegue conectar os counters com outros combos e golpes, estendendo-os numa chuva de massacre devastadora – claro, se o jogador conseguir acertar o tempo de emenda dessas skills – que é desafiante pra caramba no calor da batalha.

A boa coisa é que o jogador poderá refazer todas as missões a qualquer momento que ele escolher, e sempre que refizer algo, você vai acumulando mais experiência para você e seus monstros. Tendo isso dito, não existe malefício algum em tentar buscar um rank maior (Rank que só é contabilizado caso opte por uma dificuldade maior, não obrigatória) no final de cada estágio.

A única coisa que eu recomendo é que habilite todas as skills de exploração antes de fazer backtracking nas fases porque para fazer 100% isso acaba sendo uma exigência. As skills de exploração incluem poder saltar distancias longas, empurrar pedras pesadas, apagar barreiras de fogo, escavar e etc. Então a dica é que faça a história até conseguir a última habilidade de exploração para evitar re-trabalho posterior.

Sem dar o mínimo de spoiler do jogo porque o enredo é muito bom e seus “amigos” que lhe acompanham são delicados de se falar num review, mas contudo, no ano de 2078 você estará na pele de um dos irmãos sob supervisão do capitão Max, seu pai e capitão da equipe de operações especiais da polícia – a NEURON. A última linha de defesa da humanidade contra aberrações que tomaram o planeta inteiro, fazendo que o que restou da humanidade fossem migrados para uma ilha artificial para na última cidade: The Ark, monstros de outra dimensão chamados de Chimeras, cujo quais só podem ser derrotados com um armamento anti-chimera, utilizado exclusivamente por uma equipe especializada da qual você faz parte no game.

É possível escolher entre a garota (que você pode nomear) ou o rapaz Akira, escolhendo um ou outro as mudanças na história são bem poucas, mas possuem sim certo charme que instiga a re-jogar com o personagem oposto. Vai do gosto de cada um inicialmente.

Com um excelente conteúdo para replay, um sistema de batalha muito competente e tendo a direção de arte da galera da Platinum Games, é bem difícil dar errado, né? Astral Chain é jogão sim, tem que fazer parte da biblioteca de todos que possuem um Nintendo Switch, é muito desperdício deixar um game de tamanha qualidade passar batido.

Recomendo fortemente para quem ama gosta de jogos com muita ação e uma dificuldade moderada-difícil.

Prós

  • Um dos melhores jogos de ação para a plataforma
  • Desafiador e divertido na medida certa, agradará quem quer algo mais leve e para quem quer sofrer um pouco também
  • Trilha sonora, dublagem e áudio são impecáveis
  • Personagens ricos, carismáticos e autênticos
  • Grande quantidade de extras e coisas para coletar

Contras

  • Os planos astrais são repetitivos
  • O sistema de ranking é bem frustrante, como de costume
Fábio Kraft
Últimos posts por Fábio Kraft (exibir todos)

Comentários