Análises

Disgaea 4 Complete+ – Análise

10
Rei dos RPGs táticos
O game mais completo do gênero com todos extras DLC e recursos dos games mais novos implementados nesta versão, deixando tudo ainda melhor. Indispensável na coleção de qualquer amante de RPG que tem por aí

Disgaea 4 Complete + é um RPG tático desenvolvido e distribuído pela NIS inc para o PlayStation 4 e Nintendo Switch e é com certeza um dos games mais completos do gênero “Tactics”.

Eu sou um cara bem vivido já nesse universo de jogo, joguei muita coisa, vim de uma época em que a pessoa que me vendia os jogos de videogame falava que Final Fantasy Tactics era para te ensinar a jogar Final Fantasy VII, dentre muitas outras pérolas. E foi precisamente nessa época eu conheci meu primeiro RPG Tático de verdade, que me fez abrir os olhos e pensar “o que diabos estou comprando?” e o resultado ao jogar poucos minutos foi um completo desastre; não sabia nada o que eu estava fazendo, era tudo muito diferente, jogar em mapas isométricos, finalizar cada turno, posicionar os personagens corretamente no mapa, ver o que é medida de movimento, salto – praticamente um projeto de faculdade, mas crianças tem paciência para as coisas, e criança brasileira não desiste nunca.

Acabei criando gosto pela coisa quando eu pude jogar a versão em inglês do game, estando um pouco mais velho já, e desde então eu tenho curtido pra caramba o gênero, eu e as empresas que vieram nesse hype que precede FFT inclusive, com Tactics Ogre para o SNES, mas que se popularizou de verdade por causa do sucesso da SquareSoft. Contudo, não tenho como deixar meu fanboísmo de Final Fantasy Tactics falar mais alto enquanto jogos como Disgaea são lançados por aí, porque essa série como um todo traz os jogos definitivos para esse gênero. Disgaea 4 Complete + melhora o que já era muito bom quando saiu, pois agora todos os recursos dos jogos mais novos foram implementados nesta versão, incluindo até um super conveniente auto-save após a conclusão de algum mapa.

Disgaea é uma série de RPGs Táticos que começou sua história lá no PlayStation 2, trazendo ao longo dos anos mais de 10 títulos considerando os ports e remakes, sempre com uma trama bem cômica, textos absurdos e hilários, personagens memoráveis, somados a um gameplay de RPG Tático sólido, polido, extenso e viciante que incentivará você elevar seus personagens ao level 9999 para se concluir todos os desafios do jogo.

O game tem seus lados bem exagerados, mas é um exagero tão bem feito que o jogador acaba tendo total controle do que está fazendo, trabalhando nas aptidões de cada classe individualmente sem que haja um demérito das demais – tudo é importante nesse aspecto, proficiência com as armas, skills passivas (evilties) e todo preparo que é feito antes de um combate.

Existem tantas possibilidades de montar sua equipe e progredir no game que vai fazer você ficar horas só organizando as coisas, tanto nas classes quanto nas conquistas do submundo, que dentre elas estão várias classes disponíveis com até 6 níveis evoluíveis cada, guerreiros, magos, healers, gente especializada em lança, atiradores, ladinos, alem de poder recrutar ou criar qualquer monstro que você já tenha derrotado antes também.

As batalhas do jogo acontecem em cenários isométricos como um jogo de tabuleiro. Os turnos do jogo são entre o jogador e a CPU, fazendo que o jogador faça todos os seus movimentos primeiro para depois a CPU fazer o mesmo, não sendo definida a ordem pela velocidade dos personagens. Durante as batalhas você poderá realizar diversas ações que envolvem o cenário como manipular objetos chamados de GeoSymbols, que enquanto posicionados em cima de um painel colorido, vão servir para diferentes propósitos, seja para fortalecer uma área, aumentar o ganho de experiencia, etc., segurar e arremessar seus amigos para um local mais distante ou mais alto, ou até mesmo jogar um inimigo em cima do outro para eles fusionarem e somarem os níveis, se tornando uma criatura nova e potencialmente perigosa, mas com os riscos, vem as recompensas também.

O game é dividido por mais de 10 capítulos da história principal com cerca de, em média, 6 estágios dentro capitulo. Além dos episódios da história principal, o game tem muitas outras missões secundárias que são realizadas no pós crédito geralmente, missões que vão servir para recrutar um personagem novo na maioria das vezes, mas haverão dungeons com os tradicionais superbosses (E ponha super nisso, porque são realmente desproporcionalmente fortes) no final delas também.

Segundo as informações do site oficial, as principais diferenças dessa versão para o Disgaea 4 original são:

  • Todos os personagens e cenários adicionais das versões anteriores do Disgaea 4.
  • Opções para áudio em inglês ou japonês.
  • Opções para texto em inglês ou francês.
  • Inclui magias no nível Peta de Disgaea 4: A Promise Revisited.
  • Inclui recursos de Quality of Life que podem parecer familiares para quem jogou o Disgaea 5, como o Cheat Shop, o Visualizador de Eventos, a Aparência de Armas, o Armazém Inocente e o sistema de Bribe para subornar os senadores para mudar seus votos na assembléia.
  • Inclui recursos de internet, como Edição e Upload de Mapas, Edição e Upload de Piratas, Duelos de Piratas e Ministros das Relações Exteriores.
  • A resolução foi atualizada para 1920 x 1080p.
  • Agora você pode reposicionar os personagens enquanto visualiza as áreas de acerto das skills com maior dinamismo.
  • A velocidade das animações das habilidade podem ser ajustadas entre x2, x3 e x4.
  • Agora você pode obter uma visualização gráfica da arma Magichange que sua classe de monstros se torna, visualizando-a na tela Status.
  • Depois de vencer uma batalha, o jogo agora será salvo automaticamente quando você retornar à base.

Minhas lembranças com Disgaea 4 são super positivas, eu me diverti tanto com a história principal do game junto com toda sua excentricidade dos personagens como o herói do game, Valvatorez e suas sardinhas, Desco se referindo como final boss, ou o Axel dando chiliques entre eles, além do retorno de gente como o Laharl, Flonne e tal, uma verdadeira mistura de sentimentos que foram me levando a um estado de sintonia incomparável, seguindo horas e horas através das longas dungeons do item-world.

Dungeons que evoluem o nível dos seus itens individualmente até um possível level 200 dependendo da raridade do mesmo, enquanto escutava as canções da série no random playlist que o próprio jogo disponibiliza. Músicas como A Song For You, Heaven’s Garden, White Tiger, My Comrade, compostas pelo incrível Tenpei Sato, dentre muitas outras, evocando lembranças que atravessam os anos.

E como não vou recomendar um jogo tão bom desses depois de tudo? É praticamente um crime não jogar isso, e essa versão de Disgaea 4 (que na minha opinião é o melhor da série) é perfeita. Joguei no Nintendo Switch esta versão e tudo está lá, rodando 200%, sem tirar e nem por nada, cheiinho de detalhes que são meramente visualmente cosméticos, mas que arrancam um sorriso em consideração ao carinho e o trabalho da equipe para entregar essa obra de arte. Os gráficos estão cristalinos, sprites super bem animados, grandes de altíssima qualidade, com muita vida, trilha sonora e trabalho de dublagem fenomenal tanto em inglês quanto em japonês, post-game que rende uma vida toda praticamente sem enjoar.

Com novos recursos como a de criação de fases online que você disponibiliza para a galera aumenta ainda mais o replay value do game, ou até mesmo jogar as fases do pessoal, batalhar equipes de outras pessoas de toda parte do globo com os navios piratas, ver os absurdos que a galera consegue com esse modo é muito maneiro.

Disgaea 4 Complete + já está disponível fisicamente e digitalmente para o PlayStation 4 e o Nintendo Switch e eu acho que é indispensável na coleção de qualquer amante de RPG que tem por aí. NIS tá de parabéns, que jogo maravilhoso.

Pontos Positivos

  • Todo conteúdo extra de DLCs
  • Recursos dos games mais novos foram implementados nesta versão
  • Personagens carismáticos retornam com missões especiais
  • Cheat Shop disponível para habilitar desafios nas fases
  • MagiChange tá mais balanceado
  • Item World continua sendo um dos melhores momentos do jogo

Pontos Negativos

  • Não tem suporte ao touch-screen do Switch

Fábio Kraft
Últimos posts por Fábio Kraft (exibir todos)

Comentários