Análises

Shenmue III – Análise

8.5
Valeu a pena a espera
Um ótimo retorno para a série, com Yu Suzuki se mantendo fiel ao que ele pensou há 20 anos atrás. Para os fãs, é ótimo poder continuar a aventura de Ryo de uma maneira fiel ao legado dos primeiros jogos.

Anunciado originalmente na E3 de 2015 como um projeto de Kickstarter, Shenmue III agora é uma realidade. Pegando exatamente onde a franquia Shenmue parou em 2001, Shenmue III é uma obra de persistência e visão. Continuando a busca de Ryo Hazuki por vingança contra Lan Di, o principal antagonista da série, você pode finalmente explorar a vila chinesa em que Ryo chegou brevemente no final do segundo jogo, ao lado de Shenhua Ling.

Embora exista um vídeo de resumo para permitir que os jogadores compreendam (ou relembrem) o que houve nos 2 jogos anteriores, Shenmue III pressupõe que você esteja intimamente familiarizado com o jogo anterior e de onde parou. É claro que qualquer pessoa ansiosa para jogar Shenmue em 2019 provavelmente já está com tudo engatilhado.

O LUGAR ONDE O SOL SE PÕE

Depois de se acostumar com a vila de Bailu, você começará a fazer perguntas sobre o pai desaparecido de Shenhua. Isso o leva a caçar pedreiros, o que eventualmente acaba se envolvendo com vários bandidos ligados a Lan Di. Eles estão todos atrás do Phoenix Mirror, um artefato místico que Ryo encontrou durante os eventos do primeiro jogo. Esses pedreiros estão ligados à criação do artefato, e resolver seu desaparecimento leva Ryo a um passeio por vários locais chineses e a confrontos com personagens do passado de Shenmue.

Embora pouco de sua história se destaque, ela serve como um plano fundo inofensivo e sólido para todos os personagens que você conhecerá e tarefas estranhas que você fará. Pode demorar um pouco para começar e quem já estava acostumado com o ritmo da série vai entender.

Os fãs verdadeiramente dedicados que colaboraram com esse sonho louco encontrarão exatamente o que estão procurando com o Shenmue III, desde o diálogo até a narrativa. Este é um jogo de Dreamcast que viaja para o futuro, sem muito daqueles típicos padrões da nossa era moderna. É uma experiência puramente para um jogador que leva tempo com diálogos, exploração e praticamente tudo que você imagina ter em um jogo da série. Possui peculiaridades estranhas, como as vozes em inglês e as bizarras mensagens de tutoriais. O diálogo ainda é uma tradução direta, fazendo com que pareça um filme chinês dublado daqueles da pior qualidade.

Infelizmente o enredo em si não avança muito, até chegar na segunda cidade dá a impressão que praticamente nada de substancial aconteceu, dando a impressão que todo esse tempo foi realmente gasto para produzir o “esqueleto” da aventura, deixando o roteiro em segundo plano.

TERRA SEM LIMITES

Shenmue III é um jogo moderno sim, mas toda a sua essência nos lembra em todos os momentos dos dois primeiros jogos lançados no final dos anos 90 e início dos anos 2000. E se dissermos que a essência ainda está intacta, é porque seus desenvolvedores quiseram assim, sem negligenciar qualquer detalhe.

Desde o estilo de combate, os menus, a maneira de interagir com os personagens, os cenários, os minigames … Tudo ainda está presente neste terceiro jogo, que continua fiel à essência original do título, mesmo que repetindo virtudes e defeitos igualmente.

Você pode assumir trabalhos como cortar madeira ou procurar ervas ou peixes. Além disso, você precisará treinar constantemente o Kung Fu de Ryo para mantê-lo pronto para o combate. Isso faz com que você crie um tipo de plano para cada dia. Você acorda, diz bom dia para Shenhua, corre até o Martial Hall para algum treinamento, corta um pouco de madeira e passa o resto do dia investigando e consequentemente avançando na história.

Shenmue III cria um tipo fascinante de domesticidade na sua primeira metade entre Ryo e Shenhua. Enquanto o casal vive junto, quase parece que Ryo se instala na vida no campo. À noite, você pode conversar com Shenhua e aprender mais sobre ela, o que a leva a perguntar coisas sobre Ryo.

À medida que o par se aproxima, as cenas e as interações à noite e pela manhã se tornam mais íntimas. Por exemplo, no início do jogo, Shenhua acordava Ryo todos os dias, chegando à porta e dizendo que era manhã. Mas, ao longo de 20 horas, ela começou a entrar na sala, chegando a Ryo para cutucá-lo acordado.

São pequenos detalhes como esse que dão vida ao Shenmue III, e a atenção da equipe aos detalhes é realmente impressionante. Dizer que Shenmue III é um “slow burn” seria um eufemismo, já que essa história pode rastejar às vezes. Existem vários pontos em que você recebe um enorme obstáculo em termos de dinheiro, forçando-o a trabalhar e a se envolver em atividades paralelas em grande quantidade.

Obviamente, isso visa reforçar esse sentimento de mundanidade e vida cotidiana, mas ainda pode ser frustrante. Há um monte de coisas indo e vindo enquanto você tenta encontrar personagens ou itens. Não existe um sistema de viagem rápido, o que significa que você o encontrará em todos os lugares.

Além da história, mini-games e exploração, a luta é o ponto forte e a grande chave para Shenmue III ser consagrado como um título excepcional. Portanto, este terceiro capítulo não para de fazer as coisas de forma bem feita e nos oferece um jogo completo e rico em termos de possibilidades de combate onde o Kung fu é um grande protagonista e é representado com maestria nos detalhes.

Nesse sentido, os momentos de combate do Shenmue III não se tornam um simples jogo de apertar botões loucamente, mas nos forçam a pensar em cada movimento, cuidar da nossa barra de energia e saúde e ainda analisar os estilos de luta de cada inimigo. UM ENCONTRO REALIZADO

Visualmente o game não é o mais impressionante do mercado, mas a Ys Net mostra a estética estilizada do jogo, tornando tanto Bailu quanto a cidade de Niaowu lindas de se ver. A pequena vila chinesa de Bailu está repleta de folhagens e flores, e realmente parece um refúgio rústico escondido nas montanhas. Você aprenderá rapidamente o layout da cidade, onde certos NPCs passam o dia, os melhores pontos de ervas e por aí vai.

Enquanto você é livre para acompanhar a história de Shenmue III, até certo ponto, o jogo incentiva a exploração. Você pode encontrar side-quests explorando, o que permite ajudar os aldeões estranhos e malucos a atender seus pedidos. Você pode jogar em corridas de tartarugas ou Lucky Hit. Você pode jogar jogos como Whack-a-Mole ou basquete no fliperama.

O mundo está cheio de coisas para ver e fazer, e você absolutamente terá tempo enquanto segue a história. Claro, também tenho que mencionar os poucos problemas de desempenho e controle que o Shenmue 3 pode ter às vezes. Embora nada importante, a taxa de quadros pode cair e, se você mover Ryo para terrenos acidentados, há uma chance de ele ficar preso.

O jogo controla muito melhor do que Shenmue e Shenmue II, mas Ryo ainda pode parecer um tanque às vezes, e mover-se por áreas apertadas pode ser irritante.

VEREDITO

Shenmue III é um ótimo retorno para a série, com Yu Suzuki se mantendo fiel ao que ele quer que a série seja até quase 20 anos depois. Para os fãs, é ótimo poder continuar a aventura de Ryo de uma maneira que parece fiel ao que veio antes: que a equipe tenha conseguido pregar tão completamente a sensação de uma série que era, de várias maneiras, um produto de seu tempo e tê-la ainda permanece como um jogo de aventura agradável por seus próprios méritos é notável.

Pontos Positivos

  • Shenmue III é essencialmente Shenmue e é isso que os fãs querem
  • História continua interessante
  • Lindo demais, é como viajar para a China

Pontos Negativos

  • Musicalmente deixou um pouco a desejar
  • A história não dá passos largos
  • Alguns NPCs são feios demais

David Signorelli

Comentários