Análises

Yakuza Remastered Collection – Análise

9.5
Pacotão Yakuza da alegria
A SEGA fez um trabalho primoroso aqui e não tenho como recomendar mais. Vale muito mais do que ele custa, são 3 jogos excelentes em sua melhor forma e que vão lhe manter entretido por dias (ou meses).

É com muita alegria que vejo a SEGA dando valor para uma das suas melhores franquias aqui no ocidente. Não são muitos que lembram, mas houve uma época que a série teve um certo hiato entre os lançamentos em terras ocidentais, isso logo após o lançamento de Yakuza 4.

Yakuza 5 foi um título que por muito pouco não ficou exclusivo do território asiático, porém nos acréscimos ele recebeu uma versão em inglês, só que apenas digital, evidenciando uma certo pessimismo quanto a receptividade do público.

Tudo veio a mudar com o lançamento de Yakuza Zero em 2017. A empresa resolveu apostar mais uma vez na série e deu muito certo, o jogo foi um sucesso de vendas e crítica, fazendo os fãs pirarem e no embalo trazendo novos fãs na brincadeira. Desde então a SEGA decidiu que iria levar a franquia a sério, localizando todos os jogos subsequentes, com foco na plataforma da Sony.

Com o lançamento de Yakuza Remastered Collection, podemos dizer que o PlayStation 4 possui em sua biblioteca todos os jogos da série e isso é simplesmente fantástico. Se me falassem a uns anos que eu poderia jogar a aventura completa de Kazuma Kiryu em um único console, provavelmente daria risada. E hoje dou risada sim, só que com um tom completamente diferente de um deboche.

Quanto a remasterização em si, todos os jogos agora rodam a 1080p e a 60 quadros por segundo, possuindo uma qualidade de imagem excelente. Não houve adequação de texturas para o salto de resolução, porém isso pouco interfere na experiência. Enfim, sem mais delongas, lá vai um pouco de cada uma das aventuras de Kiryu-chan! *Majima-mode on*

YAKUZA 3 – Aventuras em Okinawa

Após os acontecimentos envolvendo Ryuji Goda e as demais tragédias, Kazuma resolve sair de Tokyo e ir cuidar de um orfanato na cidade de Okinawa, no sul do Japão. Uma das localidades mais legais da série sem sombra de dúvidas, mudando drasticamente da selva de concreto de Kamurocho para algo mais paradisíaco, algo que a série estava pedindo.

Esse jogo foi o primeiro da série a implementar uma câmera livre, algo que foi possível pelo salto de gerações na época, o PlayStation 3 já conseguia mostrar visuais bem bonitos e tudo isso foi mantido nesse remaster. Algo bem interessante dessa versão em específico foi de terem resgatado várias atividades que foram cortadas na versão original, como por exemplo o Hostess Club, já característico da série. Ou seja, agora finalmente, nós ocidentais, poderemos curtir a versão completa de Yakuza 3, junto com uma nova localização que deixa o trabalho ainda mais primoroso.

Yakuza 3 por si só é um excelente jogo e possui uma das trilhas sonoras mais marcantes da série, com destaque para a música “Fly” que é o tema da batalha final, simplesmente eletrizante

YAKUZA 4 – Kazuma e os 3 Mosqueteiros

Agora com 4 personagens jogáveis, Yakuza 4 mostra que a série não depende somente de Kazuma para funcionar. A SEGA apostou em uma aventura com 4 pontos de vista diferentes, mas que no final tudo leva a um único destino e essa escolha foi revigorante para a série. De volta à Kamurocho, tudo rola no distrito da luz vermelha de Tokyo dessa vez, mostrando diversas novas áreas em um território já conhecido.

Se tem algo que gosto muito de destacar sobre Yakuza 4 é o personagem Shun Akiyama, o personagem que começamos ao iniciar o jogo. Akiyama é uma figura completamente diferente de Kazuma, ele não chega a ser louco como Majima, mas possui uma personalidade tão marcante que o fez ser um dos personagens mais queridos pelos fãs. Ele é bem na dele, “estilão” desencanado e no combate possui movimentos baseados em Taekwondo, mas segundo ele mesmo, seu estilo não tem influência de nenhuma outra arte marcial.

Os demais personagens são Taiga Saejima, um brutamontes que usa um estilo de luta-livre; Tanimura, um policial que domina o Jujutsu(Jiu-Jitsu como conhecemos melhor) e Aikido, somado a alguma técnica de defesa padrão da polícia e claro, Kazuma.

O jogo é épico e seu desfecho está entre os melhores da série, dá para imaginar que algo envolvendo esses 4 personagens não poderia ser diferente.

YAKUZA 5 – Quanto Mais, Melhor

Você achou 4 personagens jogáveis em Yakuza 4 pouco? Tome essa! Agora temos 5. Sim, cinco! Kiryu, Shun Akiyama, Taiga Saejima, Haruka Sawamura(isso mesmo que você leu) e Tatsuo Shinada.

Não basta ter um personagem a mais em relação ao anterior, agora cada um protagoniza sua aventura em uma cidade diferente. Sem sombra de dúvidas, acredito que até hoje, Yakuza 5 é o maior jogo da série. A quantidade de coisas que tem para fazer nesse título é algo impressionante, só nesse pacote chuto que tem um valor embutido de pelo menos 350 horas somando os 3 jogos.

Voltando a falar dos personagens, dessa vez a SEGA quis diversificar bastante também a parte de jogabilidade do jogo, não limitando-se a estilos de luta diferentes. Exemplo, Taiga Saejima pode caçar animais em meio as montanhas usando uma arma de fogo e possuindo um controle estilo os jogos atuais de tiro em terceira-pessoa, bem louco. Haruka então… claro que ela não iria lutar, aí decidiram que ela se tornaria uma Idol(uma artista fabricada, explicando a grosso modo) e do nada o jogo se torna um Dance Dance Revolution da vida, é bem engraçado e fofo ao mesmo tempo.

Para variar os eventos finais são emocionantes e às vezes não sei como o time desenvolvedor da série consegue alinhar de forma tão perfeita tantas situações envolvendo muitos personagens. Em 2012 esse era disparado o melhor jogo da série, só que para nossa felicidade, a SEGA resolve lançar mais um título…

BONUS ROUND ~ YAKUZA 0

O melhor jogo da franquia. O início de tudo. Kazuma e Majima. A obra-prima da SEGA. Se pareço empolgado é porque estou mesmo, Yakuza 0 é a melhor maneira de conhecer essa série. O jogo se passa bem antes dos eventos do primeiro Yakuza, nele iremos conhecer Kazuma bem novinho e entender melhor porque sua vida tem sido tão difícil e reconhecer os traços de personalidade evidenciados em seu futuro.

Apesar de Kazuma ser um personagem fantástico, ouso dizer que é Majima, o insano Majima, que de fato brilha aqui. Ele e Kazuma são os protagonistas de Yakuza 0, vivendo em cidades diferentes com realidades totalmente distintas em um Japão dos anos 80 tomado por uma economia fortíssima, onde a população tinha bastante poder aquisitivo e as pessoas que já eram ricas, se tornaram ainda mais poderosas.

Voltando a falar de Majima, sua história em Yakuza 0 é maravilhosa, bem escrita, com uma trama que faz o jogador tremer na base. Só de presenciar a cena inicial de uns 15 minutos, você já terá uma ideia do que esperar.

Yakuza 0 é um jogo obrigatório, ele traz o que há de melhor na série e ainda serve como um ponto inicial para todas as aventuras subsequentes no universo da máfia japonesa. O jogo agora também estará disponível para o Xbox One, mostrando que a SEGA quer que mais jogadores conheçam uma de suas melhores franquias.

Confira minha análise completa de Yakuza 0 aqui.

VEREDITO

Yakuza Remastered Collection vale muito mais do que ele custa, são 3 jogos excelentes em sua melhor forma e que vão lhe manter entretido por dias(ou meses!). A SEGA fez um trabalho primoroso aqui e não tenho como recomendar mais. Pode ser palavra de um fã, concordo, porém esse fã que vos escreve um dia já foi bem cético em relação a Yakuza e bastou alguns minutos nessa Tokyo fictícia para me fisgar!

Não deixe também de conferir Yakuza 0, além de ser tudo aquilo que mencionei nessa análise, ele dá uma base excelente para os demais títulos.

Pontos Positivos

  • 3 jogos de qualidade em um único pacote
  • A nova localização deu uma cara nova aos jogos
  • Akiyama

Pontos Negativos

  • Ter que aprender Mahjong e derivados para poder fazer 100% continua sendo uma chatice

David Signorelli

Comentários