Análises

Granblue Fantasy Versus – Análise

Granblue Fantasy :Versus é essencialmente um jogo de luta muito competente, surpreendentemente divertido, simples de pegar e jogar, com diversos elementos de RPG no seu modo história e totalmente traduzido para nosso português brasileiro(textos e menus).

Repleto de personagens carismáticos, a aventura de Granblue é muito gostosa, mas infelizmente ela não é uma experiência 100% completa para a maioria dos usuários, e vou explicar o porquê disso.

Desenvolvido pela CyGames e a Arc System Works e publicado pela XSEED Games e Marvelous USA para o PlayStation 4, de início é muito comum perceber as semelhanças no estilo gráfico adotado no jogo, faz lembrar muito Guilty Gear Xrd para quem já conhece, personagens poligonais super bem detalhados, animados e repuxados para um charmoso traço de anime de altíssima qualidade – o toquezinho clássico da ArcSys.

Sério, as animações de introdução dos personagens e golpes especiais são muito cabulosos, assim como todo o trabalho incrível que foi feito na diversificada trilha sonora e uma produção impecável de dublagem de primeira.

O jogo tem alguns modos habilitados para se experimentar, dentre eles o clássico Versus Mode com mais de 8 personagens disponíveis para dar uma brincada online ou localmente, o training para conferir e praticar a lista de golpes e combos, e o “RPG Mode”, que é o modo história onde controlamos o herói Gran, um jovem guerreiro que não se descola de seu fiel amigo/mascote alado, o Vyrn, em buscas de respostas para saber o que houve exatamente com sua companheira de viajem, Katalina, a garota de armadura que empunha uma Rapier, que aliou-se à força conflitante. Você e seus amigos embarcarão numa viagem por entre ilhas voadoras, muita pancadaria e mistérios para chegar ao fundo desse problemão.

Este é o modo cujo você vai seguindo uma linha de missões principais e sub-missões enquanto evolui seu personagem e equipamentos ao longo do desenrolar da trama.

As batalhas num modo geral se assemelham muito a alguns beat em’ up ao avançar nos estágios de “exploração”, aparecendo alguns soldados ou monstros de todos os lados forçando você usar as habilidades mais adequadas, focar em defesas e esquivas e achar o melhor momento para o contra-ataque, e para avançar, basta derrota-los para dar prosseguimento para a próxima tela.

Os combates de chefe são como as batalhas de um jogo de luta normal pois os inimigos possuirão uma barra de vida maior e serão consideravelmente mais agressivos também.

Seus ataques especiais podem ser ativados com uma combinação de botão para uma direção correspondente, por exemplo, você pode executar uma habilidade ao pressionar R1 + Frente, R1 + Baixo, ou se optar por executar os ataques com comandos direto, assim como um Hadouken (meia lua pra frente e soco), seu ataque terá o seu “cool-down” reduzido podendo fazer uso da mesma habilidade mais rápido do que a alternativa inicial.

Ao longo da aventura, você coletará armas que possuirão atributos elementais, isso fará que você tenha certas vantagens sobre uma missão em particular, missão que lhe avisará claramente qual elemento se usar (No início do jogo, claro).

Geralmente ao completar um ou mais requisitos das missões, o jogador receberá um bônus de acordo com cada sub-objetivo concluído, como por exemplo causar uma determina quantia de dano máximo ou marcar 10 hits.

Porém, o modo história já começa no meio de um grande rolo, com os personagens já familiarizados e algumas nomenclaturas e cidades postas ao jogador que, em tese, acredita-se que o mesmo já tenha algum tipo de conhecimento prévio e pré-estabelecido antes de iniciar essa jornada, mas, na realidade, até eu jogar este game eu não fazia ideia que havia uma série em animê com duas temporadas (cerca de 30 episódios) ou até mesmo um jogo para celular, que foi lançado inicialmente em 2014 na abertura do projeto Granblue, e meu único contato com Granblue foi aquele demo no qual a heroína Katalina perambulava por cavernas e vilarejos verdantes, mas que acabou caindo no meu esquecimento por contas dos rumores de desistência da Platinum com relação a esse projeto, até que a CyGames oficialmente tomou frente.

Granblue, na verdade, é a terceira instalação da série já. Seguindo inicialmente de Granblue Fantasy, o game para smartphones e o Granblue Fantasy: The Animation, então tendo isso dito, pessoas como eu e muitas outras pessoas vão boiar um pouco no desenrolar da trama… Pelo menos, até eu criar coragem para sentar e assistir o desenho animado. E isso acaba afetando negativamente a experiência? Nem tanto, o jogo tem um glossário e vários outros meios de você se inteirar, até porque é um jogo focado na batalha e nem tanto na história. O principal mesmo é o gameplay nesse caso.

Eu adorei Granblue Fantasy Versus do início ao fim, não tenho muito o que reclamar tirando o fato de que você só tem a experiência completa de verdade com as outras etapas que foram lançadas.

Mas ele receberá diversos DLC de personagens ao longo dos próximos meses e sabe-se lá quais outros conteúdos ainda virão. Muito bom mesmo, de verdade, é um jogo de luta que você e seus amigos conseguirão curtir por muito tempo, até porque tem muito replay por conta do modo online inclusive.

Pontos Positivos

  • Simples e fácil de jogar
  • Combate intuitivo, dinâmico e limpo
  • Navegação dos menus excelente
  • Departamento de áudio-visual mandou muito bem
  • Muita variedade de objetivos
  • Personagens bem construídos
  • História linda

Pontos Negativos

  • Fácil demais
  • Precisa assistir o animê para ter a experiência total

Fábio Kraft
Últimos posts por Fábio Kraft (exibir todos)

Comentários