Análises

Brigandine: The Legend of Runersia – Análise

8
Jogos de estratégia continuam forte no Switch
Brigandine: The Legend of Runersia foi uma bela surpresa, ninguém esperava que fossem reviver um jogo da época do PlayStation original e ainda feito com bastante carinho.

Brigandine: The Legend of Runersia é o mais novo RPG tático para o Nintendo Switch. Ele foi desenvolvido pela Matrix Software, desenvolvedora responsável pelo clássico Alundra, o remake de Dragon Quest V e muitos outros. Este jogo é considerado uma sequência do jogo de PlayStation chamado Brigandine: The Legend of Forsena.

Se você jogou o jogo original, você se sentirá em casa com a mecânica implementada – embora não haja sobreposições em termos de personagens ou enredo (pelo menos pelo que eu vi), então você poderá pegar com segurança esse jogo sem tendo jogado o primeiro. Ele também lembra bastante Dark Wizard, do Sega CD, que foi meu primeiro contato com o gênero.

Em Brigandine, você deverá escolher uma das seis facções para iniciar sua conquista da Runersia na tentativa de acabar com todas as guerras. Cada área conquistada restaurará uma página das há muito perdidas, Legends of Runersia, revelando o verdadeiro passado das nações do continente. As 6 facções são as seguintes:

Reino de Norzaleo

O reino está em uma grande ilha a noroeste do continente.
Estabelecida pela heroína Adessa, que veste a Brigandine of Justice, a nação também valoriza a justiça e o trabalho duro.

A facção é liderada pelo príncipe Rubino (Dublador: Soma Saito).

República de Guimole

O local de nascimento auto-proclamado dos Rune Knights, abrigando o Brigandine of Glory .
Quando a antiga fé de Deus Rune se dividiu em duas facções, a República de Guimoule adotou a fé da seita Mohana.

A facção é liderada por Eliza Uzala, filha do 15º presidente, atualmente acamada. (Dublador: Reina Ueda)

Tribo Shinobi

Ocupando a profunda fortaleza florestal da antiga nação Hazamu, esta tribo escolheu um caminho de auto-governo apenas para mulheres. Para se sustentar, eles trabalham como mercenários para outros governantes, mas desejam o dia em que estarão verdadeiramente livres das principais nações.

A facção é liderada pela filha do chefe Talia, que veste a Brigandine of Freedom da tribo. (Dublador: Minami Tanaka)

Teocracia de Mana Saalesia

O principal país do continente que contém a zona especial Zai, que se diz ser a “Mana Spring”, que deu origem às cinco Mana Stones. Auto-proclamados verdadeiros seguidores do Deus Rune e fornecedores da seita Zai, o país hospeda o Brigandine of Sanctity .

A facção é liderada por Rudo Marco, o falecido filho (e assassino) da Santa Sé Romanov. (Dublador: Takeuchi Shunsuke)

Ilhas Unidas de Mirelva

Uma nação aliada de sete pequenas ilhas ao sul do continente e os descendentes de piratas que vivem lá.O presidente da aliança é escolhido dentre os líderes das ilhas e comanda o Brigandine of Ego.

A facção é liderada pela capitão pirata de sangue quente Stella Hammett (Dublador: Chinatsu Akasaki).

Império Sagrado Gustava

Há muito tempo, em uma área pobre e desolada do norte privada das bênçãos de Mana, Asid Gustav liderou um grupo de andarilhos deslocados por outros países, formando uma nação agora governada pelo clã Gustav que herdou sua vontade.

A facção possui nenhuma Brigandine e é liderada por Tim Gustav (Dublador: Takuya Eguchi).

HORA DE ATACAR!

Escolher sua facção determinará sua posição inicial no mapa, o que influenciará bastante suas opções e riscos de ataques. Também influenciará com que cavaleiros e equipamentos você começará, bem como os monstros que você pode convocar e sua reserva de mana (com base no número de bases que você já tem controle).

Você joga como sua facção escolhida, tentando unificar o continente de Runersia sob seu domínio. Na dificuldade “Fácil”, você tem o tempo que deseja alcançar sua meta – as dificuldades “Normal” e “Difícil” limitam a quantidade de “temporadas” disponíveis para você na campanha. Uma temporada consiste em uma “Fase de organização” e uma “Fase de ataque”.

Durante a Fase da Organização, você pode:

  • Mover Rune Knights – após a mudança, esses cavaleiros e suas tropas ficarão indisponíveis na Fase de Batalha a seguir!
  • Convocar Monstros – Monstros podem ser convocados em uma base usando Mana, que regenera a cada temporada, dependendo da quantidade de bases que você mantém e da manutenção que você já paga pelas suas tropas existentes. Monstros convocados podem ter bônus e bônus estatísticos aleatórios! Monstros precisam ser designados a um Rune Knights como uma unidade de tropas para participar da batalha.
  • Troque seu equipamento – Rune Knights e monstros podem equipar equipamentos. Existem bônus para equipar um conjunto correspondente em um Rune Knight.
  • Vá em Missões – Rune Knights podem ser enviados em missões para ganhar EXP ou ter a chance de encontrar itens e recrutar novos Rune Knights. Ir em uma missão significa que o Rune Knights não será capaz de se mover ou participar da Fase de Batalha.

Durante a Fase de Ataque, você pode:

  • Iniciar um Ataque – Você pode atacar bases adjacentes com até 3 Rune Knights posicionados nessa base.
  • Assuma o controle de bases indefesas – Se uma base adjacente não for ocupada por nenhum Rune Knights, você poderá assumi-la sem lutar.
  • Veja ataques recebidos – Vixe, espero que você esteja preparado para isso.

Para entender o sistema de batalha, vamos falar sobre os dois principais tipos de unidades com as quais você está lidando, os Rune Knights e os Monstros.

Rune Knights são suas unidades de comandante. Ao contrário dos monstros, eles ganham Proficiência de Classe ao subir de nível, o que lhes permite aprender permanentemente habilidades que podem ser transferidas nas mudanças de classe.

Os Rune Knights podem receber um número de monstros como sua tropa – isso depende da “Magic Pool” do cavaleiro, pois cada monstro custa uma quantidade fixa de magia para atribuir. Há também um número máximo de 6 monstros que um Rune Knight pode liderar.

Fique de olho no “Command Range” dos seus Rune Knights. Os monstros de sua tropa que saírem do seu alcance de comando terão suas estatísticas diminuídas em 30%, portanto, mantenha-os próximos aos seus respectivos comandantes.

Quando um Rune Knight é derrotado em um batalha, todos os monstros em sua tropa também serão removidos.Tenha isso em mente quando estiver lutando, pois você pode querer se concentrar nos Rune Knights inimigos para se livrar rapidamente de suas tropas.

Rune Knights não podem ser convocados como monstros – você tem uma chance aleatória de recrutar novos Rune Knights através de missões.

Monstros podem ser convocados em bases no nível 1. Como Rune Knights, eles ganham experiência em batalhas e podem subir de nível. Eles também podem trocar de classe e usar equipamentos especiais para monstros, semelhantes aos Rune Knights. Ao contrário de Rune Knights, você pode até reviver monstros caídos após uma batalha usando um recurso raro chamado Revival Stones.

Assim como Rune Knights, Monstros têm habilidades específicas. Sua mudança de classe depende do seu nível e, às vezes, precisa de itens específicos (pense em pedras da lua Pokemon e outros), mas eles não ganham uma proficiência de classe.

As batalhas são baseadas em turnos e travadas na base atacada em uma grade hexagonal.
Cada unidade da tropa de um Rune Knight pode se mover sozinha – a ordem de movimentação das tropas é determinada pelo nível do comandante Rune Knight, com níveis mais altos em primeiro lugar. Como iremos passar boa parte do jogo em batalha, os desenvolvedores se trataram de deixar ela o mais divertida e acessível possível, antes do lançamento oficial uma demo foi disponibilizada na eShop e através dela os desenvolvedores tiveram acesso a feedback de jogadores para melhorar a experiência.

Visualmente Brigandine se destaca mais pela arte maravilhosa, enquanto possui gráficos relativamente simples, mas suficientes para um jogo de estratégia. A parte sonora também tá bem interessante, o compositor é o Tenpei Sato que ficou conhecido pela trilha da série Disgaea(outro SRPG famoso) trouxe faixa mais sérias e épicas, se distanciando da trilha quase circense dos seus trabalhos anteriores.

VEREDITO

Brigandine: The Legend of Runersia foi uma bela surpresa, ninguém esperava que fossem reviver um jogo da época do PlayStation original e ainda feito com bastante carinho. Os donos de Switch possuem agora mais um excelente SRPG que vai proporcionar pelo menos 60 horas de diversão.

Pros

  • Mecânicas de combate muito bem elaboradas
  • Arte fabulosa, jogo bom para usar o recurso de tirar foto do Switch!
  • Fator de replay imenso, são 6 facções diferentes que irão garantir horas de diversão

Contras

  • Visual in-game ficou a desejar, não parece que evoluiu muito do original
  • Dublagem boa, porém só em japonês e tem horas que não combina
  • Não é um jogo muito de boa de enxergar no Switch Lite

David Signorelli