Análises

XCOM 2 Collection – Análise

7.5
Agora o inimigo não é tão desconhecido
A Virtuous fez um ótimo trabalho, como dito anteriormente, mesmo com as limitações do hardware, podemos sim obter uma experiência super satisfatória com o XCOM2

XCOM 2 Collection chega ao Nintendo Switch para a surpresa e alegria dos fãs que foram conquistados originalmente a quase uma década atrás com o XCOM: Enemy Unknown, dessa vez, a continuação direta do game com vários conteúdos novos que poderão ser curtidos no híbrido da Nintendo. Publicado e desenvolvido pela 2K Games, estamos diante de um extenso game.

O jogo se passa 20 anos depois dos acontecimentos do primeiro game, e para ser bem honesto, eu não joguei o primeiro game, então eu confesso que eu não entendi quase nada do que se passou, mas, ao que parece, a humanidade não conseguiu impedir que as forças alienígenas invadisse e tomassem o controle, cujo qual era a missão do final do primeiro game, fazendo que a civilização humana ficasse em “harmonia”, ou seja, sob total controle, com a Advent – a oposição.

XCOM 2 é um game bem escuro, bonitinho graficamente, porém, particularmente não é o tipo de arte adotada que me agrada muito, excesso de sci-fi me incomoda, muito neon e noite por exemplo. Isso puxa para navegações de menus um tanto confusas e informações da tela igualmente nessa situação, aliados a, infelizmente, sequências de loading time bem grandes.

Mas ele entrega um gameplay interessante no final das contas, lembra bastante os RPGs táticos na essência que estou acostumado. Pelo fato que você pode se mover numa grade determinada como em Final Fantasy Tactics, Disgaea, dentre outros, tem uma distancia X para atacar e ser atacado, colocar seus personagens em posições customizadas, possuir turnos, esses sim são pontos bem positivos até agora para um fã de RPG como eu.

Em comparação com os originais, claro que a versão do Switch teve uma redução na qualidade das texturas, resolução e etc, mas nada que fosse determinante para que tornasse o jogo não jogável, muito pelo contrário, a Virtous fez um trabalho primoroso com esse jogo, assim como tem feito com os outros ports que ela tem lançado por aí a fora no Nintendo Switch. É bem legal sim jogar no modo portátil e na doca, a experiência é praticamente a mesma, senão melhor que a original. O jogo roda em sólidos 30 FPS, sem quedas, sem qualquer outro tipo de componente desagradável.

Porém, falando do jogo em si, além dos combates, claro, vamos ficar bastante também gerenciando recursos financeiro para desenvolvimento de equipamentos, pesquisa, armamentos novos para nossa tropa, etc, o gerenciamento é bem complexo e bem divertido, trabalhamos expandindo nosso QG, laboratórios, criação de novos recrutas, equipamentos especiais, tudo que vai colaborar para incrementar as batalhas e deixa-las mais abrangentes. É uma pena que tudo isso acaba demorando demais para dar uma engajada boa, e como aconteceu comigo, deu uma bela desanimada nas primeiras horas até que houvesse o estalo de “agora sim tá bom”.

As mecânicas de stealth e preparações para abordar os inimigos são genuinamente legais, é gostoso poder tomar decisões inteligentes e dominar quase que 100% do conflito só com posicionamento, faz você até sentir pena de alguns inimigos no decorrer do game.
As fases geralmente não duram tanto tempo, mas o que me irritou bastante é que seus aliados parecem que são feitos de papel, morrem muito rápido. Contudo, a campanha principal levará cerca de 40 horas para terminar.

Dentro do pacote que compõe o game, é importante salientar que há a expansão “War of the Chosen”, que além de agregar uma quantidade enorme de extras no quesito gameplay como recursos e adições significativas de sistema de jogo, ele também soma bastante para a trama do game. É uma expansão essencial para quem curtiu o desenrolar da história, essa expansão é tão relevante que ela por si só parece que é algo independente do game original, de tanta coisa particular que ela possui, é muito louco.

A coleção XCOM 2 no Switch é a experiência completa XCOM 2, já que a mesma possui a expansão War of the Chosen. A Virtuous fez um ótimo trabalho, como dito anteriormente, mesmo com as limitações do Hardware, podemos sim obter uma experiência super satisfatória com o XCOM2. Afinal de contas, são mais de 100 horas de jogo caso o jogador opte em fazer tudo o que o pacote há de oferecer.

Pros

  • Gráficos são bons, apesar de eu não gostar do estilo.
  • Customização de personagem bem complexa e cheia de opções.
  • A história é boa, apesar de que fica “inteira” só com a expansão.
  • O combate é legitimamente legal.

Contras

  • Personagens principais, não lembro de nenhum.
  • Variedade de classes é um pouco limitada.
  • Variedade de tipo de cenários também.
  • Menus e HUD.

Fábio Kraft
Últimos posts por Fábio Kraft (exibir todos)