Análises

Sword Art Online: Alicization Lycoris

5
Com problemas técnicos graves, o jogo decepciona os fãs de JRPGs
Realmente não foi dessa vez que vimos um jogo da série Sword Art Online realmente especial. O jogo tem bastante diversão, mas rodando dessa forma parece um produto inacabado, parece que feito nas coxas.

Sword Art Online: Alicization Lycoris é o mais novo RPG de ação desenvolvido pela Aquria e publicado pela Bandai Namco. Ele lembra bastante o Hollow Realization do começo da geração, mas trouxe algumas novidades bem quentes.

A versão dessa análise é a de Xbox One, que até o presente momento não havia recebido o mais recente patch que promete corrigir alguns bugs e questões de performance, recado dado.

HISTÓRIA

Nosso famigerado herói, Kirito, é transportado para um mundo defasado tecnologicamente e logo no início encontra Eugeo, um garoto que tem por missão de vida derrubar uma árvore que, segundo ele, é amaldiçoada.

Parece uma história genérica de RPG, mas para quem não sabe, Sword Art Online retrata a realidade de um MMORPG e nele Kirito está no Underworld, um mundo virtual. Ao se deparar com um ambiente hostil e desconhecido, logicamente ele tenta dar logoff, porém não consegue. A história num geral é bem interessante e é contada com cenas não interativas com gráficos do jogo, somado a cenas estilo visual novel, com artworks em altíssima qualidade na tela em diálogos intermináveis.

Eu pessoalmente achei a história do jogo anterior, Fatal Bullet, infinitamente mais interessante e infelizmente parece que Alicization Lycoris deu mais passos para trás, do que para frente.

GAMEPLAY

Antes de mais nada, preciso dizer que a produtora cometeu uma falha grotesca em seu game design. Vou explicar de uma maneira simples, logo no início temos uma boa liberdade em explorar os cenários do jogo, porém com algumas restrições extremamente mal explicadas. Umas 10 horas de jogo depois, nós precisamos ir até uma cidade onde os personagens irão fazer parte de uma espécie de faculdade militar.

Boa parte dos jogadores com certeza vai desistir do jogo nessa etapa da aventura pois serão muitas horas de praticamente nada de gameplay, só conversas com uma luta ou outra aqui, fora alguns eventos que acontecem somente no anime, ou seja, se quiser uma experiência completa terá que se submeter a assistir o anime, um absurdo.

Quando essa parte finalmente termina, o jogo se abre e finalmente temos acesso aos modos online, várias novidades do sistema como um todo e pode-se dizer, que de fato o jogo começa. Sim, o jogo literalmente começa depois de umas 15 horas e meu amigo… não é que o jogo é MUITO bom? Pena que existe uma barreira inicial absurda que impede o jogador de realmente ver tudo que Alicization Lycoris oferece.

O sistema de combate aqui é divertido e viciante, nós controlamos até 4 personagens e apenas 1 de forma direta, podendo dar ordens para os outros aliados a qualquer momento, às vezes até parece um RPG de turno, mas digo que se você der chance para esse jogo, irá encontrar combates eletrizantes. Apesar de alguns sistemas serem porcamente explicados, com um pouco de prática dá para entender alguns nuances mais escondidos da obra.

Controlar Kirito e seus amigos pelo mundo é bem satisfatório, tanto na batalha quanto no campo, eles são bem ágeis e felizmente não possuem fadiga, podendo correr infinitamente, só quando estamos na água que a barra de Stamina aparece pra encher o saco, porém não é nada que vai atrapalhar a jogatina.

Andando pelos enormes cenários é possível realizar algumas atividades como coletar materiais e como em todos os JRPGs da história, pescar! A pescaria aqui no entanto é a mais simples de todas que já vi, você só aperta um botão e espera vir o peixe, não tem mini-game nem nada do tipo, tudo vai depender do teu nível de pescaria e onde está sendo realizado a atividade.

Pelo que andei vendo, a Bandai Namco está disposta a fazer o jogo sempre atualizado e por ter um modo online, é possível que a longevidade do título seja ainda maior, isso que o jogo já tem bastante conteúdo por si só.

TECNICAMENTE FALANDO…

Quando vi as primeiras imagens do jogo em seu desenvolvimento eu confesso que fiquei bem impressionado com a qualidade gráfica, realmente um salto enorme em relação ao Fatal Bullet. Pena que quando joguei a versão final, pelo menos no Xbox One, a decepção foi gigantesca. O jogo não é feio, mas não é nada que o PlayStation 3 não faria e pra piorar, a taxa de quadros é uma coisa lastimável.

Ele não deve chegar a 30 FPS em momento algum, o que já é um absurdo, mas se prepare pra quando chegar na primeira cidade… Deus do céu, mesmo na versão 1.03 que é a mais atual da data dessa análise, a taxa de quadros faz parecer que estou vendo um anime pixelado em um slide-show, sem exageros. Chega a ser ridículo em alguns momentos pois fica difícil fazer qualquer coisa na cidade e existem diversos NPCs para interagir, eu pensava honestamente que meu console estava quebrado.

Não tão problemático quanto acima, mas a interface também não ajuda em nada. Os menus são esquisitos, quase impossível de se acostumar e decisões como informações de Quests fica na aba do mapa, não dá pra entender como erram em algo tão simples. 

Ainda sim, nem tudo está perdido. Alguns efeitos nas lutas são bacanas de assistir e as cutscenes animadas dão pro gasto, é evidente que se trata de um jogo feito em orçamento reduzido.

SOM

Aqui temos uma dublagem 100% em japonês e para quem gosta, não há do que reclamar, os atores são impecáveis. Já a trilha sonora deixa a desejar demais, uma música mais genérica que a outra, acho que só o tema de abertura se salva.

Pelo menos os efeitos sonoros ajudam a dar vida aos combates, sons de golpes cortantes, magias e afins da melhor qualidade.

VEREDITO

Realmente não foi dessa vez que vimos um jogo da série Sword Art Online realmente especial. O jogo tem bastante diversão, mas rodando dessa forma parece um produto inacabado, parece que feito nas coxas. Se você conseguir ignorar a performance de Alicization Lycoris, é provável que se divirta bastante pois existe uma luz no final do túnel, porém infelizmente muitos não são fãs de Power Point.

Pros

  • Sistema de batalha bem elaborado e divertido
  • Exploração funciona de forma inteligente, sempre tem alguma coisa pra fazer nos imensos cenários
  • Artworks legais embelezam a obra


Contras

  • Performance horrível, chega a doer os olhos
  • Graficamente poderia ser bem melhor
  • Músicas genéricas, pouco inspiradas
  • 15 horas pro jogo realmente começar, é demais né?


David Signorelli