Análises

RPG Maker MV

8.5
A ferramenta definitiva para criação de jogos de RPG - Agora nos consoles!
Botar vida nas nossas ideias mais ambiciosas nos games agora é possível, RPG Maker MV é a ferramenta mais completa e divertida que já saiu para um console de jogos caseiro.

Eu acredito que é quase impossível alguém que gosta de video-game nunca tenha ouvido falar em RPG Maker antes, não necessariamente conhecendo a fundo a ferramenta, mas ter esbarrado com um ou outro conteúdo desenvolvido pelo software.

Pois bem, agora a mais nova versão da ferramenta, o RPG Maker MV, chega para o Nintendo Switch e PlayStation 4 trazendo da já popular versão para PC para os consoles, está que é a ferramenta de criação de jogos mais conhecida do mundo.

Esses mapas de mundo estilo 16 bits tem um charme inigualável.

Desde que eu me entendo por gente eu tenho fuçado com RPG Maker, lembro que foi a versão mais antiga que eu mexi pela primeira vez, o RPG Maker 95 lançado para o Windows em meados de 1997, extremamente arcaico porém inovador pra caramba.

Nesta versão poderemos criar jogos num estilo 16-BIT HD, com belíssimas cores, diversificação de cenários possíveis de serem criados tão bem quanto personagens principais, NPCs e eventos de batalha.

Lar doce lar… ou não.

A ideia de você poder colocar suas ideias de mundo, personagens, inimigos e dungeons da maneira que você quiser realmente me deixou bem animado, e partir dele fui experimentando ao longo dos anos todos os updates dessa ferramente, inclusive a do PlayStation 1 que usei muito.

Mas o caminho nunca foi fácil como muitos acreditam ser, mexer com o RPG é um projeto por si só, requer muito estudo, experimentação e leitura para entender o que cada coisa faz ali dentro, principalmente quando lidamos com coisas mais complexas como “switches” e “variáveis”.

Então nem tudo é criar cenário, bonecos e inimigos para as coisas funcionarem ali. Trabalho? Sem dúvidas. Chato? Nem um pouco, muito pelo contrário.

A boa coisa é que todos os jogos seguem a mesma lógica de estrutura para montarmos o esqueleto do jogo, então há amparo online em fóruns, vídeos no YouTube e outros canais de informação para dar uma esclarecida nas coisas, algo que não era muito frequente na minha época, lá no RPG Maker 2000, 2003, XP… Então isso por si só já é uma mão na roda em tanto para começar.

São bastante opções de customização.

Em todos os jogos de RPG Maker temos um negócio chamado “Resources”, que são os recursos que podemos utilizar dentro do nosso pequeno joguinho, recursos que vão desde gráficos de cenário(tile-sets), animações de ataques e magias, músicas,

efeitos sonoros e afins. RPG Maker MV para ambos os consoles vem com uma biblioteca gigantes de recursos já inclusos para podermos brincar de testar as coisas, e diga-se de passagem que são modelos gráficos e sonoros legitimamente bons, principalmente as músicas, depois vou escuta-las com um pouco mais de calma para curtir de verdade já que são muito merecedoras de admiração.

Você não tem desculpa para não fazer aquele RPG que tanto sonhou.

Além de ter a possibilidade de editar praticamente tudo no jogo, as versões de console acabam não permitindo o uso de scripts que dão um upgrade estrutural do sistema já existente da ferramenta, coisas como exceder o número máximo de HP, atribuir comandos de pulo, batalha em tempo real, dentre outros.

Algo que para os jogadores mais avançados pode acabar deixando a desejar, mas digo por mim que sou um cara que tem um conhecimento relativamente grande no RPG Maker, nunca fez diferença gritante o uso de scripts ou não.

Porém, mesmo tudo sendo muito bonitinho até agora, nem tudo é um mar de rosas. Vamos começar com um dos grandes poucos problemas que temos aqui neste título.

Problema número um é a navegação pelos menus, o que era para ser algo resolvível adaptando um mouse e um teclado, isso acaba não acontecendo. O teclado funciona para ser honesto, mas é muito irritante ter que ficar apertando Y ou Quadrado para ir de uma aba para a outra na edição de mapas; já me acostumei, mas é uma falha bem bizarra não poder usar um mouse alí.

A base de dados é detalhadíssima.

O problema número dois é o loading para salvar uma alteração simples, coisas que chegam a durar até perto dos 30 segundos para sair de um “apply” para outra tela, parece um exagero comentar sobre isso, mas quando se faz muita entrada e saída de menus num jogo, acaba incomodando mesmo.

Não obstante, a diversão e a magia do negócio não são prejudicadas de tal maneira que o jogador se frustre e desista dos seus projetos por pequenos delays de interface. A inspiração pode vir do interior de uma pessoa ou até mesmo fazendo-se download dos jogos criados por outras pessoas da comunidade através do serviço in-game gratuito. Esses jogos podem ser jogados e editados, visto como foi feito um determinado evento ou cenário, uma verdadeira engenharia reversa.

Mais clássico que isso, impossível.

RPG Maker MV é uma surpresa em tanto para mim. Sou fã da série desde o início e sempre vou continuar a experimentar as versões subsequentes a esta quando saírem.

Nesse jogo, seus projetos podem realmente tomar vida, mas isso vai depender muito do seu empenho em querer aprender a mexer nele, é quase como um projeto de curso, sem brincadeira. Mas os resultados e os processos de criação são muito legais, recomendo com todas as forças.

Pros

  • Inúmeras maneiras de você editar e criar seu jogo.
  • Gráficos são bonitos, variados e cheios de vida.
  • Trilha sonora é impressionantemente boa.
  • Excelente variedade de recursos editáveis de gameplay, inclusive um sistema de batalha de lado como nos Final Fantasies antigos.


Contras

  • Navegação nos menus são bem lentas.
  • Não poder usar um mouse é muito vacilo.


Fábio Kraft
Últimos posts por Fábio Kraft (exibir todos)