Análises

Super Mario 3D All-Stars

8.5
Super Mario 3D All-Stars traz 3 jogos incríveis em um único pacote
A Nintendo caprichou na escolha dos jogos para essa coletânea, trazendo muita qualidade e diversão para os donos do Nintendo Switch

Uma das coletâneas mais pedidas pelos fãs finalmente foi lançado para o Nintendo Switch. Super Mario 3D All-Stars é um produto desenvolvido em comemoração ao aniversário de 35 anos do personagem mais famoso dos videogames e conta com 3 jogos clássicos em seu pacote.

Antes de falar sobre a coletânea em si, gostaria de convidá-los para uma rápida viagem no túnel do tempo onde iremos voltar para as respectivas épocas de cada um desses 3 títulos, estão preparados? Lá vamos nós!

SUPER MARIO 64 (1996)

Ninguém discorda que esse foi primeiro jogo com movimentação em 3D de forma perfeita. Lembro como se fosse hoje o momento que coloquei meus olhos nele. Foi em uma locadora especializada em jogos da minha cidade, fui pego de surpresa pois nem fazia ideia de que o poderoso Nintendo 64 já havia chego e quando vi o Mario andando por aqueles cenários amplos, coloridos, com texturas filtradas(nem sabia o que era isso na época), pulando que nem um louco pra lá e pra cá… foi surreal.


A primeira aventura 3D de Mario colocou o bigodudo em cada situação…

O dono da locadora fez questão de colocar o console em uma “gigante” TV de 29′ e com o som no talo, chamando a atenção de todos. Na primeira oportunidade que tive, paguei uns 2 reais e fui correndo experimentar por conta própria essa super novidade. Confesso que a maior das novidades, acima de tudo, foi o controle esquisito. Apesar de já ter visto em revistas, nunca pensei que teria que “mentalizar” como iria segurar o controle.

Inicialmente segurei ele na posição “clássica”, como já estava habituado no Super Nintendo e PlayStation, entretanto devido à necessidade do uso do controle análogico, tive que me adaptar. Uns 5 minutos depois já estava controlando Mario e babando litros enquanto andava pela área externa do castelo da princesa Peach. Na minha cabeça se o jogo fosse somente aquele espaço, acho que valeria a experiência, mas um amiguinho rato de locadora como eu me disse para ir até a ponte.

Chegando na tal ponte, após a introdução de Lakitu(o cameraman, hehe), vejo que posso adentrar no castelo. Lá descubro que o jogo nem começou e as fases de fato estão dentro de quadros espalhados por toda à parte. Quando entro na primeira fase, Bob-Omb Battlefield, é que minha mente de fato explodiu… fiquei maravilhado com tantas possibilidades, tenho certeza que jamais vou sentir uma coisa dessa com jogo novamente. Quem viveu aquilo sabe o quão insano era ver tamanha liberdade, algo normal hoje em dia, mas em 1996 os jogadores estavam habituados com outra realidade.


“So long Bowser!”

Voltei pra casa completamente maluco e praticamente perdi a vontade de jogar meu Super Nintendo. Joguei Super Mario 64 mais algumas vezes na locadora, sempre do começo afinal os clientes viviam apagando os saves, mas isso não importava pra mim, queria ver mais e mais. Foi somente em 1998 que pude comprar meu Nintendo 64 e claro que Super Mario 64 seria um jogo obrigatório. Joguei até cansar, fiz de tudo, peguei as 120 estrelas e não me cansava de voltar pra ele só para explorar aqueles mundos e curiosamente até aquele ponto no tempo não havia sequer um jogo que fizesse frente ao Mario, foi só depois que a Rare lançou Banjo-Kazooie, mas isso é história pra outro dia.

Mas então, agora nesse ano de 2020, como foi jogar Super Mario 64 novamente? Para mim continua sendo um excelente jogo, com controles precisos, movimentos diversos, fases criativas e músicas bonitas. Evidentemente que muita coisa mudou de 1996 para cá, mesmo na própria geração do Nintendo 64, porém nenhum dos “modernismos” afetou a diversão que tive com esse jogo em Super Mario 3D All-Stars. Os veteranos podem ficar sossegados que a magia continua presente, já para os novos jogadores, aconselho experimentar com paciência, o jogo às vezes não explica muito bem os objetivos e em uma geração onde existe setinha mostrando o que fazer, em Super Mario 64 podem eventualmente acabar se frustrando.

SUPER MARIO SUNSHINE (2002)

Também conhecido como o “jogo que nunca tive”, Super Mario Sunshine foi uma das experiências mais doidas que a Nintendo já proporcionou, ainda mais se tratando de Super Mario. Em 2002 praticamente já não existia locadoras de jogos na minha cidade e meu contato com Super Mario Sunshine foi através de um primo que decidiu optar pelo GameCube. Como assim “optar”? Então, eu tinha um PlayStation 2 na época e para que nós pudessemos jogar de “tudo”, ele escolheu o GameCube como seu console de 6ª geração, foi uma sacada inteligente, admitam!


Mario não tem paz nem em suas férias.

Confesso que estava bem ansioso pra jogar, ainda mais baseado nos elogios que ele tecia. Algumas semanas depois ele me empresta o GameCube junto do Super Mario Sunshine e após iniciar o jogo vejo coisas inimagináveis para um título da série. Cenas de animação com dublagem? Mario na cadeia? Pensei que a Nintendo tinha ficado maluca.

Ela ficou, de fato. Maluquice que se refletiu em um jogo com design de fases genial, ufa! O jogo em sua essência lembra bastante Super Mario 64, com Delfino Plaza servindo como uma versão mais ampla e caribenha do castelo da Peach. Não tenho como continuar descrevendo esse jogo sem mencionar o F.L.U.D.D., uma espécie de “mochila” de água que Mario deve usar para erradicar a sujeira causada pelo Shadow Mario, que foi o motivo dele ter sido preso… prefiro esquecer que existiu esse plano de fundo.

O F.L.U.D.D. é a base para toda a gama de novos movimentos do Mario. Ele infelizmente perdeu diversas habilidades do Super Mario 64 como o pulo-longo, porém o novo apetrecho permite que ele faça coisas impensáveis como usar jato de água para se impulsionar, flutuar no ar por alguns segundos e muito mais. O controle do GameCube parecia ter sido feito pensando nesse jogo, tanto que a adaptação para com ele foi praticamente instantânea, diferente do que passei no Nintendo 64.


Delfino Plaza é um dos lugares mais originais da série Super Mario.

Me diverti muito com Super Mario Sunshine… mas também me frustrei muito, o jogo é disparado o mais difícil Mario 3D de todos os tempos. Ele exige precisão praticamente o tempo inteiro e em muitas das vezes terás que arriscar tudo. Logo na primeira fase, Bianco Hills, já temos uma curva de dificuldade super acentuada, lembro de como tive trabalho para guiar Mario até a caverna onde residia uma Shine. Nesse “episódio”(assim que é chamado aqui), o enorme lago de Bianco Hills está envenenado(ou sujo, que seja) e Mario precisa chegar em uma caverna.

Parece super simples, porém você precisa ir com ele até em cima de uma enorme folha e de lá se dirigir até a caverna. Disparando água para o sentido contrário, faz com que crie impulso para a direção desejada… até aí tudo bem, só que como o lago está sujo, a tal folha começa a se deteriorar, obrigado a mudar para outra folha. Só esse processo já é trabalhoso, acredite e ainda depois com a nova folha correr até uma tora que fica na base da caverna, pule na tora e depois na caverna… mais fácil falar do que fazer. E pessoal, isso é só a PRIMEIRA fase do jogo, os desafios posteriores são bem piores!

Consegui terminar o jogo na época e pude devolver o GameCube para o meu primo, concordando com todos os elogios que ele tinha dito. Super Mario Sunshine na minha opinião é um jogo incompreendido e jogando hoje vejo o quão à frente do seu tempo ele foi.

SUPER MARIO GALAXY (2007)

Tenho uma história curiosa com esse jogo, por alguma razão nessa época eu simplesmente não dei importãncia alguma pra ele, não sei se foi por culpa do meu desinteresse momentâneo no Nintendo Wii ou qualquer coisa, mas não fui muito atrás. Certo dia tive a oportunidade de jogar na casa de um amigo e ainda assim não captei a tal “magia” que tanta gente havia dito, tanto jogadores quanto as publicações.


I’m a rocket ship on my way to Mars
On a collision course
I am a satellite, I’m out of control

Em meados de 2009 compro meu Nintendo Wii e com ele, adivinhem? Super Mario Galaxy junto. Apesar de ter jogado muito videogame fora de casa, seja em Arcades, locadoras ou casas de outras pessoas, nada é como sentar no sofá do nosso lar e ligar o nosso console.

Nem preciso dizer que me apaixonei profundamente por Super Mario Galaxy de imediato. Os controles perfeitos, visual incrível e aquela trilha sonora me fizeram jogar sorrindo, nem via o tempo passar e em pouco tempo há havia explorado todo aquele universo brilhante que a Nintendo criou.

Por se tratar do jogo mais moderno da coletânea, ele é com certeza o mais polido e caprichado de todos. A dificuldade é na medida, muito mais fácil que o Sunshine, porém algumas missões vai deixar você de cabelo em pé. Minha recomendação para com ele é que deixe-o para o final, jogue os outros 2 jogos antes… vai por mim, você vai apreciar ainda mais o pacote como um todo.


Apesar de fácil, essa luta contra o Bowser é demais!

SUPER MARIO 3D ALL STARS

Com 3 jogos desse nível acho que não precisaria de mais nada, certo? Errado. Para ficar bonito nas televisões atuais, a Nintendo deu uma caprichada no visual de cada um deles, só confesso que fiquei levemente decepcionado por manter Super Mario 64 em formato 4:3, não seria nada complicado expandir a imagem para uma tela wide.

Na minha opinião o jogo que mais se beneficiou desse trabalho de melhorias foi o Super Mario Sunshine. Agora rodando em 16:9, as informações da tela ficaram mais espalhadas, no original era muita informação em um pequeno espaço, fazendo com que o jogador perdesse um pouco de visibilidade, já aqui temos um alívio visual tremendo, isso sem considerar os demais upgrades no gráfico em si, como texturas e alguns efeitos especiais.

Além dos 3 jogos, a Nintendo colocou a trilha sonora dos 3 para nosso deleite. Todas as 3 trilhas possuem músicas incríveis, especialmente Super Mario Galaxy que possui diversas faixas tocadas por orquestras de verdade, ouça a música da fase Gusty Garden Galaxy para ter uma ideia do nível, é um espetáculo.

Algo que não posso deixar de mencionar foi a decisão estranha da empresa para com a distribuição desse jogo. Ele ficará disponível para compra somente até o dia 31 de Março de 2021, após essa data ele será removido da eShop e quem não comprou, infelizmente terá que ir atrás de uma cópia física que no presente momento já está ficando rara, devido à demanda.

VEREDITO

Eu fiquei imensamente feliz de poder ter revivido jogos tão queridos em uma coletânea que veio em uma hora perfeita. O Nintendo Switch é o console ideal para ter recebido esse título e apesar de alguns problemas como a questão da distribuição dele e a falta de alguns extras, todo fã de Mario tem a obrigação de ter Super Mario 3D All-Stars na coleção.

Essa cópia de análise foi cedida gentilmente pela Nintendo.

Pros

  • São 3 jogos incríveis que valem a pena jogar até hoje
  • Poder ouvir as trilhas sonoras fora dos jogos foi um belo extra
  • A adaptação dos controles para o Nintendo Switch ficou muito bem feita

Contras

  • Distribuição por tempo limitado
  • Super Mario 64 precisava de um modo em wide-screen

David Signorelli

Comentários