Análises

DRAGON QUEST XI S: Echoes of an Elusive Age – Definitive Edition

9
Fechando a geração com chave de ouro

Grande classico da saga Dragon Quest que ainda por cima traz diversos elementos de Dragon Ball de Akira Toryiama.

Os prazeres mais nostálgicos que os jogadores de JRPG dos anos 80 e 90 viveram estão de volta neste clássico atemporal! Dragon Quest XI S: Echoes of an Elusive Age simplesmente tem tudo combinado.

(Análise feita com código cedido pela Square-Enix no console Xbox One S)

As memórias frescas de Dragon Ball em sprites de toryama, as luzes de néon em quase todas as grandes cidades (que se assemelham muito ao FF VII), os gráficos incrivelmente polidos de mapas, masmorras, cachoeiras, paisagens e as roupas também.

Serena, Erik, Veronica e o nosso herói percorrendo cenários fantásticos!


E, além disso, eles adicionam recursos DQ anteriores, como o puff-puff (pegadinhas pseudo-sexuais) em vários locais e variações. A versão Xbox ONE S(usada nessa análise) ganhou um recurso exclusivo – o modo 2D que imita a experiência dos anos 90, podendo ser alterado a qualquer momento para 3D. Eles ainda adicionam uma vila atemporal onde vivem criaturas especiais e podem reescrever a história em todos os jogos de busca do dragão.

Nada como um fiel cavalo para percorrer os imensos cenários.

Movendo para a jogabilidade, movimentos fáceis, muitos NPCs marcados com pontos vermelhos ajudando a lembrar missões ou pontos de virada para jogadores mais novos. Morrer é um problema, mas os JRPGs sempre são assim, mesmo que seja difícil aumentar o XP cultivando slimes de metal no deserto de Galópolis. Além disso, o jogo conta com PEP COMBOS que concedem exp extra, itens e slimes de metal gigantes, e então aumentam várias vezes o ganho de exp.

Esse é o nível de amizade que você tem nesse jogo.

O equipamento de forjamento é incrível, e a única falha é que você não pode reciclar engrenagens mais velhas e fracas para usar materiais especiais em engrenagens mais fortes. Então você só pode moer ou pagar ouro pela falta de materiais.
Tomando um tempo para apreciar uma animação CGI emocionante, temos um momento emocionante quando eles liberam os vaga-lumes (almas dos pais falecidos do Herói e do povo do reino).

Inimigos clássicos da série estão presentes em peso.

Quando se trata da história de fundo, a semelhança com o goku sendo adotado por um ancião e seus pais sendo mortos com todo o seu povo adiciona esse sentimento nostálgico também.

Quem disse que gráficos em 16 bits não tem seu charme?

Simplificando, o jogo é incrível, ele conecta os sentimentos com o novo remake DQ DAI ADVENTURE, se relaciona com todos os jogos DQ anteriores, tem semelhanças com o primeiro toryama dragon ball, a música ainda é um recurso clássico com muita orquestra, gráficos estão mais polidos e suaves do que nunca.

Mais Dragon Ball que fusão não existe.

Apenas as desvantagens são o normal, você pode grindar muito para obter experiência, se você for um jogador obsessivo por equipamento / status, você pode ficar frustrado porque há muitos equipamentos inúteis, e alguns que são úteis dependem muito de materiais agrícolas ou peças.

O jogo possui animações de tirar o fôlego.

Por outro lado, se você é um jogador hardcore que adora a densa tradição que Toryama e Dragon Quest têm, provavelmente perderá +200 horas e ainda sentirá prazer em fazê-lo.

Se for encarar os desafios de Draconian, se prepare.

Para quem viveu a era de ouro do RPG e JRPG é um ótimo momento para ainda estar vivo e reviver cada momento da nossa infância! DQ XI é outro presente que o Japão nos dá novamente.

Pros

  • Músicas excelentes
  • Gráficos / sprites suaves
  • Mecânica de combate fácil e dinâmica
  • O jogo é fácil de progredir no modo de história


Contras

  • Materiais de 1 item não podem ser reciclados e entediante fazenda para novos / melhores equipamentos
  • No início / meio do jogo requer muito trabalho para aumentar o nível


Últimos posts por Rômulo de Francisco (exibir todos)

Comment here