Análises

Mortal Kombat 11 Ultimate (Switch)

8
Nunca achei que iria ver o Robocop dando porrada no Coringa.

A versão portátil do já bom Mortal Kombat 11!

Mortal Kombat 11 Ultimate para o Nintendo Switch é um dos ports mais bacanas, completos e impressionantes que eu pude jogar em nosso console híbrido da Nintendo.

Desenvolvido pela NetherRealm Studios e publicado pela Warner Bros Interactive, os amantes de jogos de luta agora poderão desfrutar de mais um título de peso em sua coleção. Este título contém vários pontos positivos que acabam sendo interessantes para os donos do Switch, a primeira coisa é que é possível jogar localmente com um único par de JoyCons, não é a coisa mais confortável do mundo, mas garante de certeza vários momentos de diversão para quem optar por jogar localmente.

Raiden tá monstrão mesmo nesse jogo, em?

Falando ainda de multiplayer, o modo online é bem legal, funciona bem pra caramba. A coisa que me faz ficar um pouco triste é que realmente dependemos muito de um adaptador para cabo de rede ethernet pelo fato que é possível observar alguns lags, independente da velocidade de conexão via wi-fi. É possível jogar casualmente (após 3 batalhas de teste) ou ir para as missões ranqueadas para elevar o seu nível na comunidade como um jogo competitivo que encontramos por aí a fora.

Graficamente o jogo é impressionante, eu sempre vou ficar de cara quando eu posso jogar, mesmo que as custas da resolução e das taxas de quadro. Os modelos são super fiéis aos dos demais consoles e da versão de PC e não consegui notar diferenças notáveis que incomodam, para ser bem honesto.

Apesar dos objetos dentro do jogo serem muito bonitos, a interface em si me desagradou, a resolução dos menus e textos num geral são meio incoerentes. Observei que esse tipo de coisa acontece também em outros jogos por algum motivo, para quem gosta de RPGs esse mesmo problema é bem visível em The Legend of Heroes: Trails of Cold Steel 3, mas, vida que segue, isso não torna o jogo menos pior também.

Get over here! Ou melhor, CHEGA MAIS!

O pessoal do departamento de áudio que realizou a dublagem e a localização para o português brasileiro está de parabéns, que dublagem boa! É super cômico na maioria das vezes durante as batalhas (Robocop é sacanagem, cara!) e sério durante o modo história do game, muito talento, vida e carinho aplicado aí, gostei muito.

Falando em Robocop, o que podemos esperar dessa versão com relação ao gameplay? Eu diria que acaba sendo um “mais do mesmo” de seu antecessor com um toque de melhorias aqui e ali, mas essencialmente é Mortal Kombat moderno. Com cerca de 25 personagens jogáveis, as batalhas podem ser bem variadas e desafiadoras num todo.

Bagulho eletrizante.

Cada personagem possui características bem especiais que os diferenciam bastante um dos outros que vão de golpes básicos a combos ligeiramente complexos, além do fator “dane-se” colocando uma galera como o Coringa e o Rambo para quebrar o pau, dei muita risada, e a dublagem ainda ajuda muito. Na real, esse jogo parece mesmo que o pessoal decidiu tacar tudo num liquidificador e ver no que iria dar.

Temos ainda os fatalities super brutais, os “x-rays“, krushings e tudo aquilo que faz da franquia algo bem único e sanguinário. Podemos jogar no modo clássico de torre como nos antigos, partidas online e um modo história bem longo, podendo ultrapassar fácil umas 10 horas de jogo para concluir, o que é muito massa de se ver em jogos de luta.

Cutscenes do jogo estão bem top.

Se você realmente deseja uma versão portátil de Mortal Kombat moderno, esta é uma ótima experiência sem dúvida alguma. Precisaria ser melhorado em alguns aspectos? Talvez, mas garanto que isso não é decisivamente ruim na hora de pegar e jogar. Eu que não sou tão fã de Mortal Kombat achei que essa versão ficou sim perfeitamente jogável e recomendável.

Pros

  • Diversão garantida em qualquer lugar.
  • Dublagem, localização e áudio PT-BR de primeira.
  • Acervo decente de personagens, novos e clássicos.

Contras

  • Questões técnicas como resolução e taxa de quadros debilitadas.
  • Krypt ficou meio (muito estranho).
  • Dificuldade elevada em excesso nos últimos chefes.

Últimos posts por Fábio Kraft (exibir todos)

Comment here