Análises

Biomutant

7
Mesmo com problemas, Biomutant diverte

Por mais que não supere todas as expectativas, Biomutant traz uma experiência satisfatória e consegue divertir

Desde o seu anúncio, Biomutant tem gerado muitas expectativas e uma certa curiosidade nos jogadores. O jogo, que é o primeiro projeto da Experiment 101, empolgou pela sua proposta, já que o mesmo é um RPG de mundo aberto com elementos de kung fu em seu combate, e com a trama se passando em um universo pós-apocalíptico.  

Porém com o lançamento de Biomutant, a comunidade gamer acabou se dividindo em relação ao game. Enquanto alguns elogiaram o mesmo, vários outros não o aprovaram muito, afirmando que o hype não valeu a pena e trouxe apenas decepção. Mas será que Biomutant realmente é decepcionante, ou ele consegue trazer uma experiência divertida? É isso que vamos descobrir na análise de hoje!  

Uma história incomum com um final incomum 

Após anos sumido, você retorna para a região em que viveu durante sua infância, que por sinal não foi a mais feliz. O local, onde todo mundo vivia em paz e harmonia, não é mais o mesmo. Após a morte da sua mãe, a tribo que a mesma liderava se separou em várias outras, que iniciaram diversas guerras por conta de buscarem objetivos diferentes e por diversas divergências de ideias. 

Mas há um problema ainda maior, uma praga está tomando a Árvore da Vida (que traz a biodiversidade para a região) e devastando a terra, assim como quatro Devoradores que não deixam a população em paz, trazendo caos e medo a todos. E é aí que você entra! Você poderá escolher o caminho da luz, restaurando a paz entre as tribos e colaborando com a Árvore da Vida, ou então escolher o caminho da escuridão e ir para um lado um pouco mais maléfico. 

Logo de cara é perceptível que a trama é simples e não se propõe a ser complexa, nem nada do tipo. A mesma chega a ser até mesmo um pouco arrastada no início, demorando por volta de duas a três horas para realmente começar a engrenar, mas acredite, quando chega esse momento, a narrativa consegue interessar e fazer com que o jogador queira continuar progredindo para ver o que acontecerá a seguir. 

O mundo não tem mais paz!

Toda a trama das facções também foi muito bem inserida no game. Logo no início de Biomutant você terá duas a sua disposição, sendo que uma delas te leva para o lado da luz, enquanto a outra prioriza mais a escuridão. Após se juntar a uma das duas, a facção escolhida terá uma boa importância na trama, trazendo diversas missões que vão influenciando a sua progressão na jornada, algo muito bacana e que agrega muito ao mundo do game e a jogatina no geral. 

Pelo fato das facções daquele mundo serem rivais, ao representar uma delas você poderá dominar postos avançados das outras, sendo que quando todos os postos são tomados você pode derrotar os líderes das facções, liberando assim a opção de unir-se com ela ou então fazer com que os seus membros virem prisioneiros, moldando assim o seu nível de escuridão ou luz. Tudo isso traz uma boa variedade durante a jogatina, e lembra bastante outros games de mundo aberto muito conhecidos. 

Os Devoradores também são um ponto muito positivo de Biomutant. Esses seres são basicamente os únicos “chefões” do game, e cada consegue ser única da sua maneira. Todos apresentam maneiras únicas de serem derrotados e são inseridos de uma maneira orgânica e muito bacana, pelo fato de que cada um se difere bem dos outros e não trazem aquela sensação de repetição entre cada um, mesmo existindo pouquíssimos Devoradores por todo o game. 

Tente não ser devorado…

Mas nem tudo são flores no quesito das missões. Os personagens que aparecem durante o desenrolar da trama não são nem um pouco carismáticos, e a grande maioria acaba sendo muito mal aproveitada. Ao iniciar uma quest principal de um personagem, eu sempre esperava que o mesmo teria um bom aproveitamento para o enredo, e que o mesmo teria ao menos um pouco de carisma, mas eu sempre quebrava a cara, já que todos acabavam sendo esquecíveis. 

As missões secundárias também não empolgam nem um pouco. A grande maioria envolve coletar uma determinada quantidade de itens, sendo que apenas algumas envolvem side quests de personagens. Em diversos momentos, ao ver que a missão secundária envolvia coletar itens, eu ficava totalmente desanimado, já que não são poucas e acabam ficando um tanto quanto repetitivas.  

Assim como a grande maioria dos RPGs, Biomutant permite que o jogador escolha uma classe para o seu personagem. Aqui acaba sendo até mesmo um pouquinho diferente, já que você pode escolher entre diferentes espécies, cada uma contendo atributos diferenciados, trazendo assim uma boa variação entre essas diferentes espécies. A personalização vai ainda mais além, com o jogador podendo escolher até mesmo quais atributos estarão em destaque no personagem, como a vida ou então o ataque. Toda essa customização foi muito bem implementada no game, e consegue agradar facilmente.  

A personalização de Biomutant consegue facilmente agradar.

Mas é claro que a personalização não para por aí, e você pode continuar customizando o seu personagem no desenrolar da jogatina. Conforme você vai jogando, vai também desbloqueando diversos pontos que podem ser usados para adquirir novas habilidades e ataques, ficando assim cada vez mais forte e colaborando mais para o seu progresso na jogatina. 

O combate também é algo que deve ser destacado, já que consegue ser um dos pontos mais divertidos do game. Por mais que a jogabilidade não seja tão complexa quanto outros games do gênero, ela consegue prender o jogador com movimentações fluídas e diversificadas, ainda mais por conta de atributos que podem ser adquiridos, trazendo assim uma variação ainda maior de ataques. Além do combate corpo-a-corpo, você também possui armas de fogo ao seu dispor, algo que faz com que a gameplay se molde para cada jogador, já que cada um pode escolher uma maneira diferenciada de combate. 

Um dos pontos que mais estava chamando a atenção dos jogadores nos diversos trailers era o mundo aberto pós-apocalíptico, e devo dizer que o mesmo consegue ser belo e único. O mapa possui diversas regiões que se diferem bem umas das outras pelos mais diversos aspectos, sejam por inimigos ou até mesmo ambientações, indo desde áreas radioativas até outras que são de cair o queixo, e podem deixar o jogador contemplando por um bom tempo. 

A ambientação do game é fenomenal!

Os gráficos ainda complementam bem toda essa questão do mundo aberto, já que são belíssimos. Biomutant não tenta trazer uma ambientação totalmente realista, mas em vários momentos o nível de detalhes dos cenários é surreal. Tudo é muito bem feito e consegue trazer a sensação de realmente estar naquele mundo pós-apocalíptico. Já a trilha sonora, mesmo não sendo um dos pontos de maior destaque do game, consegue ser competente ao trazer boas músicas para cada momento do game, desde os calmos até os mais frenéticos. 

Mas ainda existem alguns pontos negativos que não podem passar despercebidos. Jogando em um Xbox One S, pude perceber diversas quedas de frames durante toda a minha jogatina, tanto que certos momentos ficavam quase injogáveis e acabavam prejudicando e muito a jogatina, isso se juntarmos a alguns crashes que também aconteceram. O preço também não é nem um pouco justo para Biomutant, já que o valor do game varia de 200 a 330 reais pelas plataformas em que o mesmo está presente. Acaba ficando até mesmo um tanto quanto inviável, já que diversos games AAA ainda nem chegaram nessa faixa de preço. 

Veredito

Biomutant pode até não ser tudo o que estávamos esperando, mas definitivamente entrega uma experiência satisfatória e muito divertida. Por mais que o game comece um tanto quanto arrastado, a trama logo fica interessante e vai prendendo o jogador. Além da trama, a jogabilidade de Biomutant é simples mas muito divertida, isso se não contarmos diversas outras características do game, como seu visual e o mundo aberto espetacular. Definitivamente não vale R$ 300, mas quando entrar em promoção é sem sombra de dúvidas uma ótima opção.

Pros

  • Trama interessante e que prende o jogador
  • Combate simples, mas divertido
  • Customização do personagem variada
  • Mundo aberto fenomenal

Contras

  • Side quests e personagens sem emoção
  • Diversos problemas técnicos
  • Preços absurdos

Comments (1)

  1. Bem, a história é fraca, a narrativa é chata e entediante, o sistema de lutas é bonito, mas é só isso, pois a jogabilidade é ruim. O jogo realmente gerou muita expectativa, mas está decepcionante. Instalei em um dia e desinstalei no outro sem nenhuma vontade de continuar o jogo. Resumindo: Não vale a pena e nem adianta dourar a pílula.

Comment here