Análises

Metroid Dread

9
Aquele gancho da Samus é tão satisfatório quando acerta!

Um jogo excelente para se curtir a todo momento... a todo momento que você quiser tomar um mega susto daqueles robôs.

Metroid Dread é, incrivelmente, o primeiro jogo que eu joguei pra valer da franquia. Ironicamente, um dos meus gêneros favoritos de jogos é Metroidvania. Vou lembrar de botar em dia os meus Metroids depois de eu ter experimentado esse fantástico jogo para o Nintendo Switch, que viagem!

Desenvolvida pelo estúdio Mercury Steam e publicado pela Nintendo, essa é mais uma adição maravilhosa para a biblioteca do console híbrido da Nintendo, vem comigo que vou falar um pouco da minha experiência com esse jogo, segue a linha!

Que jogo lindo, não?

Se eu fosse definir um termo apenas para o que eu senti ao jogar esse título, no lado bom da coisa, eu diria: Pânico. É assustador mesmo o negócio de você ser perseguido o jogo todo por um monstro que escuta você, anda super rápido, sobe paredes, escala qualquer coisa para te alcançar e te matar, e acredite, você vai morrer muito.

Metroid Dread tem início logo após os acontecimentos de Metroid Fusion, aquele do GBA. O jogo fará um bom trabalho resumindo tudo para não ficarmos boiando na história do game. Após perderem contato com os robôs que foram enviados para sondar as intermediações, Samus é mandada para descobrir o que houve afinal de contas. Péssima ideia, pois nossa heroína Aran vai encarar a aventura mais ferrada que ela já esteve em toda sua história.

Este título é cheio de mecânicas interessantes e super fáceis de pegar para jogar, mas de longe isso torna o jogo essencialmente fácil. A jogabilidade é tão bem feita que fará o jogador ter total controle dos movimentos de Samus por estes labirintos claustrofóbicos que ela percorre, enquanto usa-se de miras a laser, saltos duplos, deslizadas, air-dashes e outras habilidades que conseguimos ao longo do jogo. Alguém já jogou Clock Tower aqui? Tem super um feeling de Clock Tower esse jogo, sustos inclusos.

Por sorte a Samus é super ágil, caso contrário…

O jogo também é bem versátil no modo de se lutar contra os monstros, tendo um jeitão interessante até de counter e outros macetes com timmings e etc. Você terá que ficar bem atento aos objetos no cenário, pois as coisas acontecem num flash de segundo, exigindo com que o jogador desenvolva reflexos bem rápidos para sair de situações complicadas que o jogo vai te colocar, com toda certeza.

Samus terá um arsenal de habilidades e armas na medida certa, deixar o jogo mais enxuto foi uma decisão muito boa que foi tomada pela desenvolvedora, alguns Metroidvanias acabam tendo recursos demais que nunca são usados, e neste título 100% das coisas que obtemos são úteis em todos os momentos. Isso chama para outro ponto bem positivo do game que é a questão da exploração em si, e isso precisa ser exaltado pois o level design é absurdamente bem feito e bem montado, mesmo em cenários que são mais fechados não transformam a jogatina em algo cinza ou monótono.

Cenas como essa serão constantes se você não se cuidar!

Falando dos cenários, o planeta ZDR tem vários ambientes diferentes e criaturas bizarras que permeiam cada cantinho, mas nada é tão assustador quanto os robôs E.M.M.I que te perseguem por tudo que é canto que vamos, tomamos cada susto que que é de quase jogar o Switch na parede, hehe. É uma pena que quando tentamos fazer algo que foge um pouco da linearidade do jogo, infelizmente somos penalizados de alguma maneira, o que não nos permite ter tanta liberdade assim para fazermos o que quisermos no jogo, ficando a sensação de estar em um experimento científico.

Esse efeito granulado em algumas cenas deixa tudo muito atmosférico!

Começamos a ficar um pouco mais cuidadosos no início do jogo pois não temos muitos recursos para lutar, mas depois de vários upgrades que vamos coletando, o jogo vai se tornando menos árduo e as dungeons se tornam mais tranquilas, até mesmo quando somos perseguidos. Eu particularmente adorei enfrentar todos os chefes desse jogo, são batalhas muito legais e os monstros são enormes! As batalhas nunca ficam limitadas a simplesmente atirar para causar danos, é necessário bolar estratégias de verdade para superar alguns deles, até porque gestão de recursos é algo bem necessário nesse jogo. Gratificante demais derrotar os bosses e curtir aquela ceninha de vitória, muito top!

Temos aproximadamente 9 mapas para se aventurar em Metroid Dread e apesar de seu tamanho relativamente curto, é um jogão bem estruturado com uma jogabilidade perfeita e uma trama bem construída. Eu gostei demais. As coisas da Nintendo precedem de uma qualidade quase que inalcançável. Kudos para Hanubia e Ferenia que são as minhas fases favoritas.

As batalhas contra chefes são incríveis!

O jogo pode ser terminado em menos de 10 horas com todos os extras, muita gente reclamou do tamanho, mas eu acho que ele é bem aproveitado. Legal para a galera que gosta de fazer speedruns também como yo. Muito bom, sem dúvida um dos melhores games da plataforma até os dias atuais.

Pros
  • Jogabilidade impecável Variedade bem grande de cenários
  • Batalhas de chefe são muito boas
  • Level design de primeira.
Cons
  • Combates são bem punitivos, frustrantes inclusive.
  • Poderia ser um pouco mais longo. 
David Signorelli
Últimos posts por David Signorelli (exibir todos)

Comment here