Análises

Danganronpa Decadence

9
"Onde quer que haja esperança, definitivamente haverá desespero."

No final das contas, Danganronpa Decadence é um jogo obrigatório, mesmo se você não se considera um fã de Visual Novels.

Danganronpa Decadence contém os três títulos principais da franquia de mesmo nome, Danganronpa: Trigger Happy Havoc Anniversary Edition, Danganronpa 2: Goodbye Despair Anniversary Edition, e Danganronpa V3: Killing Harmony Anniversary Edition, e também apresenta o novíssimo título Danganronpa S: Ultimate Summer Camp, um jogo inédito.

Já adianto que esse pacote é de um valor imenso, são pelo menos 100 horas de diversão garantidas e a melhor maneira de conhecer essa franquia tão maluca! Sem mais delongas, vamos ao review.

Danganronpa: Trigger Happy Havoc Anniversary Edition

Danganronpa: Trigger Happy Havoc é um jogo estranho. É ao mesmo tempo brilhante e irreverente, mas sombrio e mortalmente sério. É um jogo em que recortes de papelão de estereótipos exagerados de anime se matam brutalmente. É um jogo em que os julgamentos de homicídio são conduzidos por um ursinho de pelúcia robótico e os criminosos são executados no local. Danganronpa é, senão outra coisa, único.

Acho que ela tá querendo um presente sim!

O conceito original do jogo era criar um jogo no estilo Ace Attorney, completo com investigações da cena do crime e julgamentos nos quais assassinatos elaborados são reunidos, mas com julgamentos em ritmo mais rápido. Foi uma boa ideia, e como não há nada como Ace Attorney, outra série de mistério de assassinato baseada em tribunal seria bem-vinda. Como tal, eu tinha grandes esperanças para o jogo e, embora ele não corresponda aos jogos que imita tão claramente, Danganronpa é um jogo interessante por si só, e faz o suficiente para diferenciá-lo que geralmente não eu me sinto como um advogado de defesa inferior.

Essa galera não tá pra brincadeira.

Sendo um visual novel, Danganronpa é, claro, muito textual, e aqueles com aversão a horas de leitura devem evitar este jogo. Por outro lado, aqueles que gostam de se enrolar com um bom livro, especialmente um mistério de assassinato no estilo de Agatha Christie’s And Then There Were None, se sentirão em casa com Danganronpa.

Danganronpa 2: Goodbye Despair Anniversary Edition

Às vezes vejo as pessoas perguntarem: “Posso pular o primeiro jogo Danganronpa e apenas jogar este?” E a resposta é … não. Quer dizer, este jogo tem um “2” no título por um motivo. Além disso – na minha opinião – o primeiro Danganronpa é melhor do que este (apenas um pouco.), Então se você pular você estará se privando de um ótimo jogo.

Clima mais alegre o aguarda em Goodbye Despair… mas não tanto.

Não vou me incomodar em descrever a jogabilidade básica de Danganronpa 2, porque se você jogou o primeiro jogo sabe exatamente o que esperar dele. Você joga como um estudante do ensino médio inteligente, seus amigos são assassinados, você investiga, tem um julgamento, condena seus colegas à morte, blá blá blá. E

A maior diferença entre este jogo e Danganronpa 1 é que este se passa em uma ilha. Não parece uma grande diferença, mas acredite em mim, o contraste entre andar ao redor da escola de assassinato escura e bolorenta do primeiro jogo e a ilha tropical paradisíaca deste jogo é bem grande. Claro, pessoas ainda estão sendo mortas, mas o fato de estar nesta ilha brilhante e alegre realmente faz com que o tom do jogo pareça mais brilhante também. E eu sinto que os desenvolvedores escreveram a história para acomodar essa mudança de local.

Chiaki é muito fofinha, dê um presente para ela.

Danganronpa 1 não foi de forma alguma o jogo mais sombrio de todos os tempos, mas a sequência definitivamente parece mais leve. Monokuma ainda é um psicopata, mas ele se sente menos no controle e um pouco mais como um personagem de alívio cômico neste momento. Não estou fazendo nenhum julgamento sobre a mudança de tom – não me importei – mas se você gosta de seus jogos sombrios, pode não ser um fã da direção que os desenvolvedores seguiram aqui.

Danganronpa V3: Killing Harmony

Danganronpa V3: Killing Harmony é um reboot da franquia clássica Danganronpa. A ideia básica é esta: 16 alunos são trazidos para uma escola e informados de que só há uma saída. Para escapar, o aluno deve matar com sucesso um colega de classe e escapar impune. Depois que um assassinato ocorre, um “julgamento em classe” é realizado para determinar quem é o culpado. É como uma versão mais sombria e estranha de Ace Attorney como disse anteriormente.

A arte dos jogos é incrível.

Para ser honesto, Killing Harmony se parece muito com os jogos anteriores. É apenas mais Danganronpa. Para ser justo, existem muitas maneiras de repensar a estrutura comprovada da franquia. No entanto, ao se apegar ao esqueleto central da franquia, os desenvolvedores perderam a oportunidade de inovar as premissas básicas de Danganronpa. Talvez eu esteja apenas insensível ao quão ridículo Danganronpa acaba sendo, mas Killing Harmony definitivamente parecia uma recauchutagem da maioria dos temas centrais de seu predecessor. Dito isso, os novos jogadores provavelmente acharão o V3 tão alucinante quanto eu achei.

Counter!

Dito isso, ainda existem algumas partes genuinamente importantes da história. Killing Harmony inclui várias reviravoltas radicais na trama, o que provocou minha surpresa já no primeiro capítulo. No meio do jogo, os desenvolvedores fizeram um ótimo trabalho mudando os ambientes do jogo para manter as investigações interessantes. O capítulo final foi particularmente maluco. Embora o final em si tenha sido surpreendente, ainda não tenho certeza de como me sinto sobre isso. Não vou falar muito sobre isso aqui, mas parecia que havia uma disjunção entre o final e o resto do jogo.

Danganronpa S: Ultimate Summer Camp

Danganronpa S: Ultimate Summer Camp é uma experiência estranha para recomendar porque sua inclusão no Danganronpa Decadence o torna acessível a todos os compradores do pacote. Além disso, seu preço base autônomo de $ 19,99 é justo, mesmo que seja apenas para fãs hardcore do gênero passarem um pouco mais de tempo com esses personagens. Aqueles que encontraram diversão no minijogo Ultimate Talent Development Plan encontrarão uma experiência familiar, mas não há nada aqui para mantê-lo envolvido fora de um jogo de tabuleiro inferior com sistemas gacha.

Danganronpa virou RPG?

Veredito

O Switch é o console perfeito para esse jogo e quando falo “esse”, me refiro ao pacote como um todo. Vale muito a pena ter em sua coleção caso você curta ler bastante. Danganronpa Decadence é um dos melhores Visual Novels que já joguei na vida e pensando bem, não foram poucos! Ponto para a Spike Chunsoft.

Pros
  • Os 3 jogos que fazem parte da trilogia principal são excelentes e valem a pena se jogados
  • A arte dos jogos é incrível
  • O que seria um bom visual novel sem uma trilha sonora marcante? Aqui temos!
  • O Switch acaba sendo perfeito para o estilo de jogo de Danganronpa
Cons
  • O jogo bônus não é dos melhores, mas também não é descartável
David Signorelli
Últimos posts por David Signorelli (exibir todos)

Comment here