Análises

Imp of the Sun

7.5
Se você gostou de Ori, não deixe de conferir essa aventura!

É um Metroidvania que, apesar de problemático em alguns pontos, é bonito, tem quebra-cabeças interessantes, é direto ao ponto, apresenta um desafio moderado e é muito acessível.

Após mais de dois anos de desenvolvimento desde seu anúncio no Claro Gaming MasGamers Festival 2020, a Sunwolf Entertainment lançou Imp of the Sun, seu primeiro videogame no estilo metroidvania, tendo como referência outras produções líderes do gênero, além de capturar uma visão inovadora sobre a civilização quéchua, que se consolidou como o maior império da América pré-colombiana.

Os criadores do jogo são do Peru e a influência de suas raízes culturais no mundo do entretenimento digital e a paixão com que buscam se firmar em uma indústria tão competitiva é claramente perceptível.

O estudo em questão está sob a batuta de José Varón, que tem experiência anterior em composições musicais e cinematográficas, que conseguiu adaptar no segmento de lazer interativo. Menção especial merece a participação da equipe latino-americana também chamada Red Animation, encarregada da cinemática 2D.

Sua aventura começa exatamente aqui!

De acordo com declarações anteriores do próprio José Varón, o planejamento em que se baseou a concepção de Imp of the Sun atende às expectativas. Dada a operação de uma mão de obra extremamente pequena, prioriza-se um design minimalista e de baixo custo que não implique riscos por utilizar tecnologia de ponta e busca detonar com originalidade. O jogo não teria sido possível sem o financiamento do Grupo San Antonio, empresa local em território peruano, já que em nenhum momento se cogitou a obtenção de recursos monetários por meio de uma campanha no Kickstarter.

ORI E A CULTURA INCA

Imp of the Sun é um título de metroidvania que não pode negar sua inspiração de Ori and the Blind Forest e Ori and the Will of the Wisps. Para começar, o nome de seu protagonista, Nin, também tem três letras como criação de Moon Studios. A mobilidade e os poderes lembram Ori em todos os momentos, dando como exemplo os movimentos rápidos ou a escalada de paredes, para citar alguns. No entanto, Imp of the Sun mantém sua própria essência e apesar de sua semelhança com a referida propriedade intelectual, poderíamos considerá-lo uma experiência semelhante a Guacamelee!, no sentido da imersão que o jogador tem com a civilização Inca e todas as referências associadas com isso.

Nem sempre teremos a presença do sol.

A cultura Inca, também conhecida como Quechua, esteve presente em vários países da América Latina, incluindo Peru, Bolívia, Equador, Chile, Argentina e Colômbia, por isso todos os cenários, personagens, iconografia e contexto de fantasia acontecem nesse universo. Para essa civilização, o sol, mais conhecido como Deus Inti, era sua principal divindade, pois essa estrela era o marido da lua, tinha o poder de curar as pessoas e governar as plantações. Desta forma, explica-se porque este é o centro das atenções de toda esta colorida aventura.

UMA PARTE DO SOL PARA CONQUISTAR

O jogador assume o papel de Nin, um demônio emanado da última centelha do sol, que representa a única esperança para a população, embora inicialmente os habitantes não acreditem em suas habilidades. O enredo desta aventura gira em torno de um eclipse que ofuscou o sol no reino e é necessário derrotar quatro demônios para recuperar a luz da estrela. O mapa é composto pelo mesmo número de regiões que os chefes que os protegem: montanhas, selva, deserto e submundo, que possuem seu respectivo design inimigo. Em cada um dos locais você pode interagir com um fantasma que permite melhorar suas habilidades, salvar o jogo e se transportar entre as áreas mencionadas. Uma vez que esses demônios sejam vencidos, você poderá enfrentar o chefe final.

A exploração de níveis é divertida, enquanto o combate inimigo é por vezes muito básico e pode ser repetitivo, mas é nivelado pela diversidade de tarefas e quebra-cabeças que você tem que resolver para ativar elevadores e abrir portas com tempo limitado. Embora as habilidades de Nin sejam inicialmente extremamente limitadas, isto não é motivo de preocupação, pois tanto a história quanto a seqüência de aquisição de habilidades adicionais são simples e intuitivas. De certa forma, há uma curva de aprendizado equilibrada que o manterá em andamento, mas você não desesperará que as atualizações sejam intermináveis.

Esse é um dos cenários mais lindos do jogo.

JOGABILIDADE, ATUALIZAÇÕES E COLECIONÁVEIS

Imp of the Sun oferece uma jogabilidade simples onde, como qualquer título desse gênero, você realiza um deslocamento linear, obtém novas habilidades, podendo melhorá-las, além de aumentar sua vitalidade e energia solar. Este último é fundamental para sua aventura, permitindo que você execute poderes específicos, mas principalmente para se curar. O conceito de que a barra solar só é carregada quando há luz é muito original e se você entrar em uma caverna, ela não recarregará mais, assim como se você passar por uma cachoeira, ela se desligará. Ao longo de sua jornada, você poderá acender tochas, o que o ajudará a recarregar com mais frequência.

Ao derrotar inimigos ou encontrar bolas de fogo, você ganhará pontos que poderá trocar para aprimorar suas habilidades. Da mesma forma, existem vários colecionáveis ​​baseados em objetos reais da civilização Inca, que contêm um valor de troca e você terá um motivo adicional para devolver por eles. Em termos de jogabilidade e como referido nas linhas anteriores, há uma grande semelhança com a saga Ori, mas é diferente porque para avançar em certas fases é necessário derrotar todos os vilões, no mais puro estilo de Guacamelee!

Chefes? Lógico!

A dinâmica vista em Imp of the Sun não oferece elementos extraordinários ou recursos nunca vistos antes, mas não decepciona nas principais mecânicas que convergem, como plataformas e resolução de quebra-cabeças, que estão acima do combate. No final da história principal, um novo modo de dificuldade é desbloqueado para que você possa aproveitar a história novamente com um desafio maior. Vale ressaltar que a dificuldade não é muito bem equilibrada, pois há trechos extremamente fáceis e outros que exigem maior habilidade, mas em nenhum momento vão te deixar frustrado ou irritado.

DESENHOS À MÃO E DESEMPENHO ACEITÁVEL

Os personagens, animações e paisagens são feitos à mão e mostram um estilo simples cumprindo sua missão, embora em algumas ocasiões apresentem deficiências, principalmente em questão de espaçamento entre linhas. A música é relaxante, divertida e envolvente, pois foi gravada com instrumentos da região peruana. Esta análise foi realizada no PlayStation 5 e o desempenho foi bastante estável, com algumas exceções em que houve problemas de taxa de quadros.

VEREDITO

Imp of the Sun não é um jogo longo – completá-lo cem por cento pode levar em torno de seis a oito horas – e seu nível de dificuldade está abaixo da média do gênero, no entanto, é uma experiência agradável que se adapta muito bem. tanto novos jogadores quanto jogadores mais hardcore. Algumas inconsistências nas transições de imagem são compensadas pela jogabilidade fluida e responsiva em quase todos os momentos, tornando divertido encontrar todos os poderes e colecionáveis.

Pros
  • A cultura da América Latina sendo representada em um jogo lindo como esse? Fantástico!
  • Visuais incríveis
  • Trilha sonora de tirar o fôlego
  • Jogabilidade precisa
Cons
  • Em alguns momentos os cenários parecem embaçados, é difícil explicar
  • O jogo infelizmente é meio curto
David Signorelli
Últimos posts por David Signorelli (exibir todos)