Análises

God of War Ragnarök

9
A aventura mais épica de Kratos e isso não é pouca coisa!

God of War Ragnarök é com certeza um dos melhores jogos de 2022 e de verdade, dificilmente vai desagradar aos fãs ou aos que jogaram o primeiro game. Ele deixa o futuro da franquia em aberto e isso é emocionante.

God of War Ragnarök é a continuação direta do premiadíssimo e considerado, por muitos, o Game of the Year de 2018. O game foi desenvolvido pelo Santa Monica Studio e publicado pela PlayStation Studios para PS4 e PS5.

O Fimbulwinter

Após os acontecimentos de God of War 2018, Atreus e Kratos voltam para sua antiga casa, onde evitam invasores e outros seres, além de se protegerem do Fimbulwinter (um longo inverno na mitologia nórdica), causado por suas ações no game anterior, enquanto Kratos prepara seu filho para provável retaliação dos Deuses Aesir. O jogo tem início de forma bem parecida com o primeiro game, onde Kratos e Atreus interagem em um momento de caça e paz, mas logo são surpreendidos com uma sucessão de eventos que os levarão ao evento mais famoso da mitologia nórdica e que da nome ao jogo, o Ragnarök.

Prepare-se para ver tudo congelado… ou quase!

GoWR faz uso das crenças Vikings e da curiosidade de Atreus para contar uma história maior, ainda mais dramática e lotada de personagens memoráveis e folclóricos, representados de forma sublime, quase que perfeita.

O roteiro uniu os escritos de Edda com a história de Kratos e seu filho, criando provavelmente uma das melhores representações e narrativas, dentro desse tema que já foi usado e reusado por séculos. Acredito que poucas coisas são mais batidas que a mitologia nórdica, mas Cory Barlog e sua equipe conseguiram criar algo realmente especial.

Minhas únicas críticas quanto a história do jogo, são relacionadas a coisas muito pessoais, como uma carga melodramática maior, um pouco de previsibilidade no roteiro, por não arriscarem muito e a um final morno. Um problema que acho que pode ser mais agravante é que alguns momentos parecem filler, com carinha de encheção de linguiça e isso pode comprometer um pouco da experiência, de quem é mais objetivo. Mas nada disto deve atrapalhar a experiência de jogo da maioria.

As lutas de chefe são simplesmente incríveis.

O que com certeza, é quase impossível de não gostar, são suas set-pieces incríveis e emocionantes. Os jogos da PlayStation Studios, tem sempre grande excelência em momentos épicos de ação cinematográfica, e isso acontece durante boa parte do game, com certeza a maior parte dos jogadores vai ficar de boca aberta nesses momentos, que inclusive acompanham algumas lutas contra chefes.

Leviathan, Blades of Caos e muita escudada na cara

God of War (2018) foi um delicioso refresh na franquia. Kratos já estava cansado do quadrado, quadrado, triângulo e trocou suas correntes com lâminas por um machado que voa na cara da bandidagem.

Eles uniram elementos da fórmula antiga, com mecânicas de jogos tão bons quanto, como Zelda, Metroid e Souls, e criaram algo muito bem executado, variado e delicioso de jogar. Combate, exploração, colecionáveis e puzzles, são uma fórmula boa nos videogames desde que a Nintendo lançou The Legend of Zelda: A Link to the Past nos anos 90 e cementou o isso no Game Design 3D com Ocarina of Time. Eu particularmente tenho AVP em jogos com esses elementos.

Tá com certeza rolando uma discussão entre Kratos e Atreus.

Ragnarök expande as possibilidades do que vimos no antecessor, mas não traz muitas novidades para quem se atreveu a rachar o crânio das Valquírias. O único problema que vejo nisso é que a similaridade com outros jogos e o sabor de mais do mesmo, pode ser cansativo para alguns perfis de jogador. Eu particularmente fiquei com sabor de quero mais e eu não vejo motivos para mudar drasticamente algo que deu certo, mas esperava um pouquinho mais de novidades, e algumas que colocaram não me agradaram tanto.

O combate segue a mesma linha, os botões R1 e R2 são os ataques, L1 defende com o escudo, L2 mira a sua arma. X ou O podem ser alternados, mas funcionam como botão de ação e esquiva, dada sua escolha. O formato de controle bem inspirado em jogos da From Software, não sofreu muitas alterações e isso é bom, na minha opinião.

O level design, exploração e puzzles funcionam da mesma maneira que o antecessor, existem vários segredos nos mapas lineares e nos cenários mais abertos. O jogo conta com ainda mais missões e conteúdos secundários e os sistemas de progressão são simples e efetivos. Os anões melhoram seus equipamentos e a XP recebida em combate e ao finalizar quests servem para liberar mais habilidades das armas e melhorar outras habilidades de combate, como as runas que dão skills para as armas.

Lindo, não?

Joguei o game por várias horas nos 5 níveis de dificuldades, escolhi o Hard como meu principal. Em 2018 fiz a escolha errada ao jogar no Give me God of War, que na minha opinião é desbalanceado e não condiz com as habilidades de Kratos como um Deus, mas ele existe e está lá para quem curte sofrimento e desbalanceamento. O nível Quero História foi feito para quem não quer combater, o jogo se torna extremamente fácil, o nível Não Quero Desafio é um pouco mais punitivo, você ainda pode morrer se vacilar e dormir no ponto. O Quero equilíbrio é uma dificuldade bem balanceada e vai servir a maior parte dos jogadores, e a Quero Desafio é para quem está acostumado com jogos desse tipo e gosta de um bom desafio.

Freya não deixará Kratos em paz.

Eu joguei aproximadamente 35 horas de Ragnarok, terminando na faixa das 30. Não fiz todos os extras, que continuam bem parecidos com os do primeiro jogo, alguns mais elaborados e interessantes e outros mais genéricos, funcionando como fetch quests para explorar as regiões. O game conta com várias opções de acessibilidade e outros elementos que podem customizar sua experiência, como HUD e até funções da câmera.

De Asgard a Helheim

Ser uma obra prima artística e trazer uma variedade grande de cenários seria o suficiente para colocar o game entre os jogos mais bonitos já produzidos, mas ele também brilha na parte técnica e entrega uma experiência de jogo com qualidade de imagem impecável no PS5, com direito a 60 FPS praticamente cravados e resoluções altíssimas. As cutcenes aumentam ainda mais a qualidade dos assets produzidos pela Santa Monica, e em todos os aspectos o game exala superprodução.

O jogo começa exatamente assim.

O modelo de Kratos está ainda mais absurdo, sendo provavelmente o melhor ingame que vi na vida. A trilha sonora e efeitos de áudio acompanham a qualidade. O jogo claramente foi pensado no PS4, pois o loadings disfarçados de escaladas e caverninhas continuam no game. Raramente vi alguns problemas em texturas, que acredito serem glitchs de loading, comum em jogos de porte tão grande.

O jogo oferece diversos tipos de configuração visual para os jogadores, mas as principais são 4K à 30 FPS ou Resolução Dinâmica à 60 FPS no PS5. No PS4 o jogo é Full HD com 30 FPS e no Pro tem Resolução Dinâmica com framerate destravado. Ainda existem outras opções para quem TVs com VRR que podem deixar o game com até 120FPS. Eu particularmente prefiro modos sem VRR que dá uma deteriorada na qualidade de imagem, e God of War é querendo ou uma experiência narrativa que se beneficia desse elemento.

Arte-chave que simboliza a aventura.

De toda forma, junto a Horizon: Forbidden West e A Plague’s Tale: Requiem, temos por enquanto, os três jogos mais bonitos de 2022. Ainda falta o lançamento de Callisto Protocol, que promete muito visualmente e esses provavelmente, serão os games que precisarão ser superados nos próximos anos.

Ragnarök

God of War Ragnarök é com certeza um dos melhores jogos de 2022 e de verdade, dificilmente vai desagradar aos fãs ou aos que jogaram o primeiro game. Ele deixa o futuro da franquia em aberto e isso é emocionante.

No geral achei o jogo superior ao primeiro em praticamente tudo, mesmo com alguns momentos cansativos e questões pessoas com a narrativa. Acredito que esse será o maior páreo para Elden Ring nas premiações de final de ano, mesmo acreditando que a From Software fez mais para merecer o título. De toda forma não vejo a hora de poder voltar aos nove reinos e tentar limpar o conteúdo extenso do jogo que deve passar das 50 horas.

Mais que recomendado, Ragnarök é um dos poucos jogos modernos que valem a pena serem apreciados no lançamento, mesmo sabendo que possíveis melhorias devem estar a caminho.

The God of War
  • Narrativa de primeira linha com set-pieces incríveis, vão manter a atenção e interesse no game.
  • A direção de arte é linda e variada, e aliada a uma parte técnica quase perfeita, vai agradar aos olhos mais exigentes.
  • Mais conteúdo, mais inimigos e muito mais bosses. Cory ouviu as críticas e expandiu as possibilidades no combate.
  • O level design excepcional, aliado a exploração e puzzles simples e gostosinhos de resolver, quebram bem a tensão dos combates.
The All-father
  • O roteiro é meio previsível e alguns momentos no jogo parecem filler, destoando da qualidade geral, deixando o game cansativo.
  • O Santa Monica Studio não correu riscos e produziu um jogo sem muitas novidades comparado ao antecessor, o que pode contribuir para um desgaste.
  • A carga maior de melodrama pode desagradar alguns fãs mais antigos da série.
Danilo Moreira
Últimos posts por Danilo Moreira (exibir todos)