Welcome to vgBR.com - Videogames Brasil

Registre-se agora para ter acesso a todos os benefícios do fórum, o registro é totalmente de graça e você poderá interagir com os usuários do fórum de forma mais ativa

Não perca tempo e cadastre-se agora mesmo, leva 2 minutinhos

 

Após o cadastro poste no tópico de boas vindas para poder ter seu cadastro liberado.

SKOG

Membros
  • Total de itens

    5.129
  • Registro em

  • Última visita

  • Time Online

    71d 23h 32m 49s

Reputação

1.504 WiiU

2 Seguidores

Sobre SKOG

  • Rank
    128 bits

Informações de Perfil

  • Sexo Masculino
  • Localidade Rio de Janeiro

Últimos Visitantes

844 visualizações
  1. Ontem queria jogar alguma coisa, mas estava com preguiça de jogar FPS, então peguei pra jogar algumas coisas que ainda não tinha aberto no Steam. Me deparei com o "This is the Police" (que já tinha faz um tempinho e nem tinha me importado de jogar) e... caramba! que conceito absurdo de interessante. Fiquei muito curioso de jogar a continuação dele.
  2. O EP são duas músicas na verdade. A segunda não tem efeitos na voz. Roy Khan está com uma cara de Badass do caramba...
  3. Muito bom saber que o Roy Khan decidiu voltar a cantar.
  4. Jogando Dying Light... estou gostando bastante.
  5. O casting dessa série tá tosco demais...
  6. Eu gostei mais do Dirty 4, achei mais acessível pra quem não é aficionado por jogos de corrida.
  7. Fiz umas comprinhas no Steam... Peguei barato um monte de troço que estavam na lista de desejos:
  8. As armas são de Airsoft... kkkk
  9. É a nova era. Está com medo, petista?
  10. Primeira coisa que a indústria de games tinha que parar de fazer é perder essa pretensão artística dos jogos. Hoje em dia não basta ter boa ambientação, os caras querem transpor pro jogo coisas do mundo da arte que vão além do que é necessário. Parece que o objetivo do jogo que é entreter fica em segundo plano. Antes o jogo se preocupava em entreter e depois, se desse, incluia coisas de viés artístico - contando que não atrapalhassem o andamento ideal do jogo. Aliás, essa alta pretensão artística é um dos fatores que encarecem a produção de um jogo também.
  11. Dos laboratórios de microbiologia. Você usa cultura em dois sentidos distintos. 1 - O primeiro sentido (o que eu fiz referência) é cultura no sentido de conjunto de instituições, hábitos, ritos, costumes e etc. de um dado povo, grupo ou segmento social. Esse não pode ser preservado pelo governo por dois motivos: A. A formação e mantenimento de uma cultura não é possível de ser feito por uma instituição única, apenas pelos individuos imersos nessa cultura. O governo pode fazer o que ele quiser, mas se os membros de uma cultura não se interessarem nessa cultura, ela morre. Simples assim. B. A interferência de agentes externos à uma cultura para a preservação dela inviabiliza os aspectos fundamentais dessa cultura. Uma cultura é algo orgânico e dinâmico. Ela não pode e não deve ser estática e, por isso, não pode ser preservada por qualquer ação consciente. Uma cultura se preserva e mantém a medida que os membros dela mantém ativas suas práticas, de maneira natural e espontânea. Forçar, por meio de medidas oficiais, o mantenimento de uma cultura é matá-la. Cria-se um teatro que reflete o que era aquela cultura, mas a cultura em si já morreu. É como aquelas cidades cenográficas do velho-oeste. Aliás, esse processo já aconteceu com a maioria dos índios brasileiros, mesmo aqueles que moram em reservas. Os únicos índios que ainda preservam uma cultura indigena verdadeira são aqueles que ainda não tiveram contanto extenso com a sociedade brasileira, ou com a FUNAI. 2 - O segundo sentido, que é o caso do Museu Nacional, é o de "bem cultural" que nada mais é do que algo produzido por alguma cultura e que serve de evidência ou materialização da existência daquela cultura. Ou seja, são coisas que remetem a presença que existe ou existiu de uma dada cultura. Esses objetos podem ser preservados, justamente porque são evidências que servem a muitos propósitos, mas em geral a preservação destes bens - salvo em raras exceções - não é uma preservação da cultura que os produziu.
  12. Não é tarefa de governo preservar história e cultura. A questão das reservas ambientais não tem nada a ver com os índios.
  13. Eu entrei nos grupos do jogo no Facebook e com isso arrumei uma galera BR que jogava. No Elite teve momentos que eu preferi a solidão do jogo, como quando fiz a expedição pra Colônia (2 semanas jogando várias horas por dia sem ver uma alma viva) e quando fui visitar o buraco negro massivo no centro da galáxia. Teve outras vezes que eu me empenhei em jogar em grupo, como quando reconquistamos a estação "Brazilian Dream" pro clã BLP (Brazilian League of Pilots). Ou quando fomos expulsar os Thargoids de alguns sistemas na bolha. No geral, eu só não me adequei muito no Elite ao PvP... sempre tomo bola e acabei não me empenhando.
  14. Estou na mesma... Atualmente, em progresso e sem concluir eu tenho o Deus Ex Mankind Divided, Witcher 3 (que terminei a campanha, mas nem encostei nas expansões), Middle Earth: Shadow of War, Sleeping Dogs Definitive Edition... Meses atrás, antes de começar a trabalhar, eu estava jogando direto o Elite Dangerous, provavelmente um dos melhores jogos da atualidade (para quem gosta da temática espacial). Algumas screens:
  15. Nada além do esperado. Neonazismo no Brasil é algo extremamente escasso e, em geral, é voltado pro ódio à nordestinos. Sem contar que a história toda estava mau contada desde o início. Espero que seja investigado e, caso comprovada a simulação, que ela seja punida com o rigor que lei prescrever. O problema é que a direita, desde a redemocratização, é quase inexistente no Brasil... então surge o Bolsonaro (que nem é lá tão direitista ou conservador assim) e o Novo, ambos sendo o mais próximo que tivemos de uma direita recente, mas os dois preferem alavancar partido, ao invés de tentarem construir junto, ainda que tenham divergências, um cenário político mais favorável a um direita brasileira e, com isso, ambos saírem beneficiados. Eu só espero, realmente, que a eleição de Bolsonaro incentive uma curiosidade sobre o que é a direita, incentive mais políticos de direita, mas não incentive uma proliferação de partidos de direita. Acho que a direita só tem a ganhar em não fragmentar seus votos em muitos partidos... creio que esse é o caminho.