Análises

Ys VIII: Lacrimosa of DANA

8.5
Lacrimosa of Dana continua sendo um dos melhores Ys de todos os tempos!

Apesar de não ser um jogo novo, as aventuras de Dana e Adol vão te prender do começo ao fim e essa versão de PlayStation 5 só deixou o que já era bom, ainda melhor.

Desde 21 de junho de 1987, a série de videogames Ys retrata as aventuras do espadachim ruivo Adol Christin ao longo de sua vida. O oitavo jogo da série foi originalmente lançado em 12 de setembro de 2017 para Playstation Vita e recebeu diversos ports para outros consoles, agora vamos ver a versão PS5.

É certo que tive que fazer algumas pesquisas sobre a série Ys depois de terminar este jogo. No entanto, o jogo em si não exige necessariamente que o jogador tenha jogado Ys anteriores para entender a história de Ys ​​VIII, pois é capaz de se manter por conta própria. De acordo com a pesquisa que reuni, a história de Ys ​​VIII ocorre cronologicamente entre os eventos de Ys ​​V: Kefin, The Lost City of Sand e Ys VI: The Ark of Napishtim.

O jogo começa com Adol e seu fiel companheiro Dogi trabalhando como tripulantes temporários do Lombardia, um navio de cruzeiro que navega no Mar de Gaete em direção ao continente de Eresia. No entanto, durante a noite, uma criatura misteriosa ataca o navio, fazendo-o naufragar e jogando todos os passageiros ao mar. Ao acordar, Adol vê que naufragou na Ilha de Seiren, uma ilha que dizem ser amaldiçoada. Depois de encontrar uma espada enferrujada como forma de se defender, Adol parte pela ilha para localizar seu amigo Dogi, bem como os passageiros do Lombardia.

Adol mal imagina o que vai encontrar nessa aventura.

No caminho, ele se junta a vários companheiros que lutam ao seu lado como Laxia, uma nobre interessada em arqueologia, e Sahad, um pescador que estava na Lombardia tentando voltar para casa. No entanto, o jogo também permite que os jogadores assumam o papel de uma misteriosa donzela de cabelos azuis chamada Dana, que dizem ter vivido em um passado distante da história da ilha. Juntos, o grupo trabalha para tentar descobrir o mistério que envolve a Ilha de Seiren e Dana, bem como encontrar uma maneira de escapar da ilha.

A Falcom fez um ótimo trabalho ao escrever a história, mantendo-me empenhado em vê-la até o fim. Havia também algumas histórias secundárias intrigantes que ajudaram a adicionar sabor à própria história principal ou forneceram um pouco da história do passado do personagem. Os próprios personagens também foram bem escritos, proporcionando um elenco bastante dinâmico.

Nada como ter amigos!

O jogo é um RPG onde os personagens vagam por partes da ilha, como florestas e masmorras, lutando contra monstros em uma área aberta semelhante a Zelda e outras séries, em oposição aos RPGs tradicionais como Final Fantasy, que é algo que eu pessoalmente gosto. Além disso, artesanato e culinária estão no jogo para permitir que os jogadores criem novas armaduras e armas, bem como suprimentos de cura, como poções e comida. No entanto, isso só acontece depois que o sobrevivente correto é resgatado e trazido de volta ao seu acampamento base. Você coleta materiais de criação em nós especiais, como árvores e pedras, para trazer de volta para a criação. Seu acampamento base também é onde os jogadores podem receber pedidos ou missões de outros náufragos para obter recompensas como materiais de criação, acessórios etc. No entanto, seu acampamento nem sempre é seguro e você pode precisar defendê-lo da ilha.

Em suma, não senti que faltasse algo em termos de encontrar coisas para fazer. É certo que ter que procurar recursos e tornar meus personagens mais fortes parecia um pouco entediante às vezes, mas eu pessoalmente ainda gostei do jogo.

Essa cidade improvisada é onde passaremos grande parte do jogo.

O esquema de controle do jogo é fácil de aprender, mas um pouco complicado de dominar para alguns jogadores. Você controla Adol ou um dos membros de seu grupo enquanto está no campo, reunindo recursos e lutando contra monstros. Você pode trocar quem você está controlando em tempo real, permitindo que você mude para uma pessoa diferente com facilidade. Em combate, o jogador pode atacar os inimigos com ataques básicos para causar dano (e fazer combos) ou para se esquivar ou bloquear ataques. O que é interessante, no entanto, é que eles têm habilidades diferentes que podem ser definidas para diferentes combinações do botão R mais os outros quatro botões. Também existem habilidades extras projetadas para causar dano massivo a um grupo de inimigos, uma vez ativadas. Há também uma mecânica chamada Flash Dodge e Flash Guard; esquivando ou guardando um ataque no momento certo,

Claro que tem pescaria.

Gostei do design dos personagens e do ambiente, fazendo-me sentir como se estivesse em uma ilha tropical, em vez de um estúdio de tela verde ou um conjunto de blocos desajeitado. Os gráficos do jogo são bem bacanas e no PlayStation 5 temos ele em sua melhor versão.O movimento dos monstros fica rígido e robótico se eles estiverem a uma certa distância do grupo do jogador. No entanto, isso se resolve simplesmente se aproximando das criaturas.

Um lual!

No geral, a dublagem em inglês não é muito ruim e foi muito bom ouvir os personagens conversando entre si. Tenha em mente, no entanto, que comecei a jogar este jogo depois que o desastre da localização em inglês abaixo da média foi resolvido adequadamente, então leve-o com um pouco de sal. Gostei da música onde há várias melodias que me lembro de ouvir até hoje muito tempo depois de tocá-la.

VEREDITO

No geral, Ys VIII: Lacrimosa of Dana é um jogo digno por conta própria. No entanto, pela forma como este jogo foi feito, deu-me vontade de encontrar os outros jogos da série Ys e experimentá-los eu mesmo para ver como são. É um jogo sólido e envolvente que, francamente, quase vale o preço total. Neste ponto, você pode decidir se deseja desembolsar o preço total de uma nova cópia física/digital ou se deseja esperar até que esteja em promoção antes de comprá-la. De qualquer forma, vale o preço.

David Signorelli
Últimos posts por David Signorelli (exibir todos)