Análises

Metroid Prime Remastered

9
Um dos maiores clássicos do Gamecube está de volta e melhor do que nunca

Deixando de lado a falta de modernização, o Metroid Prime Remastered precisa estar em sua biblioteca do Switch. Ele merece totalmente seu status clássico com uma combinação de design de jogo brilhante, arte e estilo visual maravilhosos e excelente equilíbrio que mantém a experiência renovada o tempo todo.

Pode ter levado mais de 20 anos, mas parece que o GameCube da Nintendo está finalmente recebendo o respeito que merece. Eu estava lá durante seu ápice, discutindo incessantemente com qualquer um que quisesse ouvir que sua biblioteca era absolutamente incrível.

Na verdade, você poderia chamar 2023 de o Ano do GameCube, já que vários de seus principais títulos estão reaparecendo em várias formas diferentes. Resident Evil 4 está recebendo o tratamento completo de remake, enquanto dois de seus melhores JRPGs – Tales of Symphonia e Baten Kaitos – estão sendo remasterizados. Deixando de lado as falhas bem documentadas, será maravilhoso revisitar esses mundos e ver como eles se comportam.

O visual da Samus é simplesmente incrível, não importa o jogo.

Juntando-se a essa lista de clássicos está o Metroid Prime Remastered, que caiu de surpresa após o último Nintendo Direct. Eu literalmente gritei de alegria com esta notícia. Não foi apenas um dos meus jogos favoritos durante aquela geração, mas é um que eu queria revisitar por vários motivos diferentes. Acima de tudo, foi um título imensamente desafiador para uma criança, e lembro-me de ter desistido durante as Phazon Mines. Não estou orgulhoso disso, e isso me deixou com uma séria sensação de algo inacabado.

Mas principalmente, eu só quero voltar ao mundo. Para a época, Metroid Prime era quase imbatível em termos de fidelidade visual, e nem estou falando apenas dos ambientes e modelos de personagens. Claro, eles eram inigualáveis, mas fiquei ainda mais impressionado com a atenção aos detalhes. Chuva espirrando no visor e na arma de seu capacete, o rosto de Samus refletido no visor ao disparar sua arma em ambientes escuros. Estava cheio de pequenos detalhes como esse que aumentaram drasticamente sua sensação de imersão.

Portanto, esta remasterização tinha algumas lacunas bem grandes para preencher – lacunas do tamanho de Samus Aran.

Olha o nosso “amigo” de volta.

Na verdade, chamá-lo de Metroid Prime Remastered parece quase errado, dada a séria revisão visual pela qual o jogo passou. É tão extenso que, se não estivesse no título e você nunca tivesse ouvido falar de Metroid antes, seria perdoado por acreditar que este era simplesmente um novo jogo do Switch desenvolvido para 2023.

É facilmente um dos jogos mais bonitos do Switch até agora, e um lembrete oportuno de que o hardware pode ter mais vida do que sugere a conversa em torno de sua idade. Eu quero um hardware mais poderoso, mas quando os jogos parecem tão bons quanto o Metroid Prime Remastered, é difícil sentir real necessidade disso.

Os cenários são super variados.

No entanto, não é sem seus problemas. Embora, no geral, a apresentação seja muito melhor aqui e bem alinhada com os padrões de 2023, alguns desses nuances visuais que mencionei anteriormente caíram no esquecimento. A maneira como a chuva batia na superfície da sua arma na versão original foi substituída por uma animação mais direta, e a luz dos tiros da sua arma não preenche mais as salas escuras com uma variedade deslumbrante de luzes coloridas.

Não é um problema de forma alguma, e você pode nem perceber essas diferenças sutis enquanto é arrebatado pela beleza de seu mundo, mas, visualmente, é a única crítica que nos acompanha ao longo da aventura.

É bem divertido combater nesse jogo.

Em termos de jogabilidade, ele permanece bastante fiel ao original com uma diferença fundamental: uma revisão completa do controle para alinhá-lo com os FPS mais modernos. O original era um pouco pesado, com controles semelhantes a tanques que o obrigavam a usar um único joystick para mover a câmera e o personagem. Tudo mudou agora, com a inclusão de um design dual-stick.

Se o seu primeiro contato com Metroid Prime foi no Wii, você ficará satisfeito em saber que os controles de ponteiro dessa versão também estão de volta. Eles são tão brilhantes quanto você se lembra, graças ao Joy-Cons.

Saca o tamanho do chefão!

Esse deve ser o objetivo de um remake/remaster, na verdade – fornecer uma experiência fiel ao original enquanto moderniza os elementos que não envelheceram também. Você deseja que sua experiência em 2023 seja tão positiva quanto originalmente, aumentando os aspectos positivos e reduzindo os negativos.

Bem, francamente, Metroid Prime nunca teve nenhum ponto negativo em primeiro lugar. É uma experiência de ritmo primoroso que o recompensa regularmente com novos brinquedos para brincar. Esse ritmo também ajuda a manter a sensação de exploração fresca. Você naturalmente mantém um mapa mental das áreas que não pode acessar e, assim que encontra uma nova arma ou item, lembra instantaneamente aquele lugar que não conseguia acessar antes.

O jogo conta com um sistema de scan e o incentiva a fazer isso constantemente.

Dito isto, parte do design parece chocante nos dias de hoje. Há momentos em que você vai se perder, por exemplo, contrariando as “facilidades” que os jogos atuais trazerm. O jogo faz um bom trabalho em empurrá-lo de volta ao caminho certo, mas ainda é chocante em um mundo cheio de caminhos leves que o levam do caminho A ao B.

Depois, há o sistema de salvamento, que facilmente será o maior ponto problemático para os recém-chegados. Você só pode salvar em locais específicos e, se seu último salvamento foi há 40 minutos e você acabou de morrer, está fazendo tudo de novo. Durante minha corrida na dificuldade normal, isso aconteceu apenas duas vezes (ainda odeio aquelas minas Phazon), mas ainda assim foi frustrante. Ter que repetir todo o processo nunca é a coisa mais divertida do mundo.

Fantástico, adoro esse cenário.

Um novo sistema de salvamento automático – mesmo que fosse opcional – teria ajudado muito a mitigar essa frustração. Na verdade, existem alguns enfeites modernos dos quais o Metroid Prime poderia ter se beneficiado. Você está constantemente retrocedendo, o que faz parte do design, mas um sistema de viagem rápida entre os pontos de salvamento teria sido muito bem-vindo.

Gostaria de acrescentar que acho o design do mapa de Metroid Prime maravilhoso, e você nunca está tão longe do local que deseja, graças aos elevadores bem posicionados. A viagem rápida teria apenas reduzido uma tonelada de backtracking que, novamente, realmente não acrescenta muito à experiência.

O mapinha no canto superior esquerdo oferece detalhes sobre a posição dos inimigos.

Por fim, algum tipo de habilidade para visualizar os desbloqueios de mísseis e tanques de energia no mapa – ou mesmo para deixar anotações enquanto você joga – teria sido útil. Entendo que isso seria uma blasfêmia para muitos, mas pequenos toques como esse serão desconcertantes para aqueles que não estão acostumados com jogos dessa safra. Além disso, você sempre poderia optar por desativá-los ou ativá-los logo no início.

VEREDITO

Deixando de lado a falta de modernização, o Metroid Prime Remastered precisa estar em sua biblioteca do Switch. Ele merece totalmente seu status clássico com uma combinação de design de jogo brilhante, arte e estilo visual maravilhosos e excelente equilíbrio que mantém a experiência renovada o tempo todo.

A remasterização basicamente torna tudo melhor – principalmente os visuais, que foram cuidadosamente adaptados aos padrões modernos. Embora a jogabilidade realmente não precise de mudanças tão radicais, os controles dual-stick são uma adição incrivelmente bem-vinda. É uma pena que alguns outros toques modernos não tenham chegado à experiência final, incluindo salvamento automático, viagens rápidas e um mapa mais útil.

David Signorelli
Últimos posts por David Signorelli (exibir todos)